Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião - José Richard

11/10/2018 - Opinião /Edição 1906
É triste a imagem das três grandes embarcações juntas e abandonadas no cais do Estaleiro Eisa, como retrata reportagem na página 7 desta edição. O prejuízo causado pelos cancelamentos das encomendas causou graves prejuízos à empresa e à Ilha do Governador, onde viviam, na época, a maioria dos 3,5 mil funcionários demitidos do estaleiro.
As consequências foram devastadoras. Pequenas empresas, prestadores de serviço, pensões e restaurantes que funcionavam no entorno da empresa fecharam as portas e os imóveis desvalorizaram. Muita gente sofreu e sofre. Alguns mudaram de profissão e outros buscaram sobreviver de bicos. O dinheiro que não entrou no caixa da empresa, até hoje faz falta na economia da Ilha. Muitas famílias ficaram na miséria e desesperadas com o desemprego.
Suponho que o insucesso da operação de encomenda dos navios que resultou na paralização da montagem das embarcações, na sua etapa final, seja uma incógnita. Conjecturo, entretanto, que possa ser atribuído a má gestão da companhia durante a avaliação dos riscos, apostando em compradores instáveis, ou em imprevisíveis mudanças da conjuntura do mercado naval internacional. 
É muita coincidência que os diferentes donos dos três navios, cujos custos de construção são milionários, tenham desistido das encomendas no meio do caminho. É preciso que as causas do fracasso das operações sejam esclarecidas para evitar novos desastres como esses, e que a União não seja chamada a pagar a conta de irresponsabilidades privadas. Enquanto o Eisa está na UTI, a maioria das famílias dos trabalhadores demitidos sofre com a falta de salários que ainda não foram totalmente pagos.



Veja Também

Opinião - José Richard - As maioria das calçadas da Ilha do Governador são verdadeiros símbolos do descaso do poder público e de moradores omissos. Pela legislação, a manutenção delas e dos respectivos muros cabe aos proprietários dos imóveis, que talvez desconheçam suas responsabilidades ou simplesmente não são orientados, advertidos e multados pelo relaxamento.

Opinião - José Richard - Imagino que o medo dos moradores que vivem em áreas de risco se transforma em pavor sempre que chove.

Opinião - José Richard - As obras na Estrada do Galeão para instalar uma rede de esgotos desde a Vila Joaniza é uma ação pública importantíssima para a região, sobretudo para diminuir a poluição da Baía de Guanabara onde hoje o esgoto daquela região é despejado.

Opinião - José Richard - São atos de muita covardia os constantes assaltos aos passageiros dos ônibus frescões. Quando os bandidos entram nos ônibus surpreendem pessoas que se dirigem a compromissos pessoais e profissionais e ficam reféns diante das armas apontadas para suas cabeças.

Opinião - José Richard - A manhã da quinta feira desta semana foi terrível para quem tinha que utilizar a Estrada do Galeão. Praticamente de ponta a ponta, por mais de duas horas, a nossa única via de saída ficou congestionada por conta da chuva insistente que caiu na região e atrapalhou o trânsito em toda a cidade, mas principalmente por uma obra que se arrasta por semanas na Estrada do Galeão.

Opinião - José Richard - Os temporais de verão cujas chuvas causam graves alagamentos e enchentes estão a cada ano mais severos, causando grandes prejuízos materiais e mortes, seja por afogamento nos rios que transbordam ou nos deslizamentos de encostas que derrubam casas e soterram moradores. O noticiário internacional mostra que está acontecendo em todo mundo, fora os tsunamis.


Edição 1933
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras