Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

20/07/2018 - opiniao /Edição 1894
A população da Ilha do Governador praticamente dobrou nos últimos 40 anos e hoje deve chegar perto dos 300 mil habitantes, quantidade de população que supera 95% dos 5.570 cidades brasileiras. Se pelo número de habitantes a Ilha poderia ser um município, sob o aspecto de arrecadação financeira muito mais. Todavia, ninguém quer perder o status de ser carioca e torce para que a cidade do Rio de Janeiro prospere em todas as regiões. Principalmente na Ilha.
 
Se por um lado a população aumentou, os problemas de quatro décadas atrás persistem e ficaram piores. É o caso do sistema de transporte e da poluição das praias. O caos frequente para sair da Ilha pela manhã incomoda pela lentidão e perda de tempo. A única saída pela Estrada do Galeão indica que o problema poderá piorar diante do aumento de veículos nas ruas. Além disso, ônibus velhos, que enguiçam a toda hora e a desordem que vans e kombis provocam nas ruas, trava o trânsito e irrita os motoristas.
 
Quanto à poluição na Baía de Guanabara não encontro sinais de nenhuma melhora na qualidade das águas. Enquanto os governos passam, absolutamente nenhum projeto de despoluição foi avante. As praias continuam sendo depósito de lixo flutuando, além de todo tipo de mobiliário que a população joga na baía e nos rios que desaguam nela. A Comlurb retira pelo menos 5 toneladas de lixo das areias diariamente. Se não existisse o movimento das marés e do oceano que troca a água suja da baía, a Ilha do Governador, hoje, seria cercada por uma grande latrina de esgotos orgânicos e químicos.
 
A prosperidade humana se mede pela melhoria da qualidade de vida. O sistema de transporte urbano e a poluição das águas são questões que precisam de ações que podem começar pela própria população, colocando o lixo no lixo e não jogando na baía os móveis velhos de casa.



Veja Também

Opinião - José Richard - As maioria das calçadas da Ilha do Governador são verdadeiros símbolos do descaso do poder público e de moradores omissos. Pela legislação, a manutenção delas e dos respectivos muros cabe aos proprietários dos imóveis, que talvez desconheçam suas responsabilidades ou simplesmente não são orientados, advertidos e multados pelo relaxamento.

Opinião - José Richard - Imagino que o medo dos moradores que vivem em áreas de risco se transforma em pavor sempre que chove.

Opinião - José Richard - As obras na Estrada do Galeão para instalar uma rede de esgotos desde a Vila Joaniza é uma ação pública importantíssima para a região, sobretudo para diminuir a poluição da Baía de Guanabara onde hoje o esgoto daquela região é despejado.

Opinião - José Richard - São atos de muita covardia os constantes assaltos aos passageiros dos ônibus frescões. Quando os bandidos entram nos ônibus surpreendem pessoas que se dirigem a compromissos pessoais e profissionais e ficam reféns diante das armas apontadas para suas cabeças.

Opinião - José Richard - A manhã da quinta feira desta semana foi terrível para quem tinha que utilizar a Estrada do Galeão. Praticamente de ponta a ponta, por mais de duas horas, a nossa única via de saída ficou congestionada por conta da chuva insistente que caiu na região e atrapalhou o trânsito em toda a cidade, mas principalmente por uma obra que se arrasta por semanas na Estrada do Galeão.

Opinião - José Richard - Os temporais de verão cujas chuvas causam graves alagamentos e enchentes estão a cada ano mais severos, causando grandes prejuízos materiais e mortes, seja por afogamento nos rios que transbordam ou nos deslizamentos de encostas que derrubam casas e soterram moradores. O noticiário internacional mostra que está acontecendo em todo mundo, fora os tsunamis.


Edição 1933
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras