Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião - José Richard

13/07/2018 - opiniao /Edição 1893
As dificuldades enfrentadas pelos veículos para circular nas principais ruas da Ilha durante o horário comercial são resultado do aumento da quantidade de carros que se deslocam principalmente por um eixo de cinco principais troncos de circulação: Estrada do Galeão, Estrada do Cacuia, Avenida Paranapuan, Estrada Rio Jequiá e Estrada do Dendê. 

Com uma geografia acidentada por diversos morros, os corredores de circulação contornam as regiões mais elevadas, obrigando a concentração de de carros nas partes mais baixas, cujas ruas foram construídas evitando as elevações. Para ir do Cacuia ao Cocotá, por exemplo, os veículos usam quase que exclusivamente o trajeto pela Estrada do Cacuia. A única alternativa para ir da Ribeira à Praia da Bica é a Estrada Rio Jequiá, cheia de curvas, mão dupla e com um trafego intenso de caminhões carregados de derivados de petróleo, cujo destino é a Shell ou a Moove/Cosan, ambas na Ribeira. Quem buscar atalho pelo Rua dos Monjolos corre o risco de ficar preso no trânsito entre os carros estacionados nos dois lados da estreita e movimentada daquela via, também de mão dupla.

O caos que tomou conta do trânsito na pista de saída da Estrada do Galeão nas manhãs de segunda à sexta das últimas semanas, devido a uma importante obra na rede de esgotos da comunidade da Vila Joaniza, felizmente já concluída, é outro exemplo de como os motoristas da Ilha estão sujeitos a sérios problemas e engarrafamentos diante das situações geográficas que não oferecem alternativas, seja pela quantidade de morros ou pela condição da Ilha do Governador ter apenas uma saída terrestre para as outras regiões da cidade.

Os problemas se multiplicam com a desordem que vans e kombis, muitas ilegais, geram, seja nos pontos onde estacionam à espera de passageiros, ou por desrespeitarem todas as leis de trânsito, criando muita confusão e perigo no complicado trânsito da Ilha.




Veja Também

Opinião - A Ilha do Governador é uma das melhores regiões da cidade para se morar. Difícil encontrar um morador que queira trocar por outro lugar na cidade. Fora o problema grave de mobilidade urbana, setor em que pouca coisa funciona bem, ainda assim vivemos melhor que a maioria das outras regiões. Estamos protegidos do trânsito de veículos que apenas usam um território para deslocamento para outras regiões. Quem vem pra Ilha não está indo pra outro lugar, e isso é uma vantagem fantástica que evita a população flutuante que acaba atrapalhando a vida local e complica mais ainda o trânsito.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião -

Opinião - Mais um ano e o problema do transporte marítimo continua encalhado, prejudicando gravemente a mobilidade dos moradores da Ilha do Governador. A falta de uma opção confiável pelo mar é um absurdo que perdura há anos sem solução. Aliás, antigamente o sistema de barcas funcionava muito melhor quando as barcas atracavam na bucólica Ribeira.

Opinião - O verão chegou a as altas temperaturas em conjunção com as férias escolares devem lotar as praias da Ilha do Governador. Entretanto médicos dermatologistas insulanos alertam sobre os perigos de banhos em praias cuja desconfiança é grande sobre os índices de poluição e que podem afetar a saúde de quem, por descuido, ingere um gole ou tem algum machucado não cicatrizado no corpo.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras