Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

29/06/2018 - opiniao /Edição 1891
A solenidade pública que será realizada nesta sexta-feira (29), a partir das 16h, no calçadão em frente ao Banco do Brasil, na Portuguesa, vai homenagear os policiais militares que se destacaram no trimestre. A eles serão entregues Moções de Reconhecimento da Câmara Municipal da Cidade do Rio de Janeiro e presentes oferecidos por empresas da Ilha, como gesto de reconhecimento e gratidão.

A ideia do evento é estimular o orgulho da população pela coragem dos brasileiros, que colocam a própria vida em defesa dos cidadãos. Ao mesmo tempo, o gesto da Associação Comercial e dos comerciantes da Ilha, busca aproximar os moradores da PM e resgatar o devido reconhecimento à essa valorosa unidade policial que protege a todos nós.

Uma corporação que perde, por ano, cerca de 120 de seus agentes na luta contra o crime e cujos policiais militares estão sob permanente ameaça nas ruas, seja em serviço ou nos horários de folga com a família, merece ter a admiração e o apoio da comunidade.

O 17º BPM atualmente conta com aproximadamente 200 agentes, mas já teve cerca de 1.100 policiais há cerca de 45 anos, quando o quartel, localizado no bairro do Zumbi foi inaugurado e entrou em operações na Ilha do Governador. E a luta que a PM trava atualmente contra o crime é desigual. Enquanto a corporação diminuiu seu contingente ao longo dos anos, os criminosos se multiplicaram e passaram a ter armamentos mais modernos e letais. 

A simples ronda nas viaturas da PM, para vigiar as ruas, é uma prova de coragem. Enquanto os criminosos se escondem nas sobras, os agentes ficam expostos e vulneráveis a ataques de surpresa. Nenhum policial está seguro em casa ou nas ruas, no trabalho ou na condução. Eles merecem ser homenageados por todos cidadãos desta cidade. É preciso colocar os valores na ordem correta.




Veja Também

Opinião - José Richard - Este ano o carnaval de rua na Ilha do Governador promete ser ainda mais animado, não apenas pela confirmação do desfile de dezenas de blocos de rua, mas principalmente pelo apoio oficial e estrutura que a prefeitura fornecer para a organização do carnaval no Cacuia e Cocotá, dois dos mais tradicionais bairros da região.

Opinião - É crescente a reação de moradores indignados com os vizinhos mal educados que depositam sacos com lixo na porta da casa dos outros ou jogam pelas calçadas. A notícia é boa porque revela que aumenta o número de pessoas conscientes com os conceitos básicos de cidadania.

Opinião - José Richard - Os ensaios de rua da União da Ilha, realizados nas noites das quartas feiras, têm levado um grande público para o trecho da Estrada do Galeão, entre o relógio do Cacuia e a quadra da escola. É curioso como as dificuldades financeiras da agremiação funcionam como estímulo aos componentes que se desdobram em caprichar e levam ao delírio a multidão que assiste na rua ou na sacada dos prédios.

Opinião - A Ilha do Governador é uma das melhores regiões da cidade para se morar. Difícil encontrar um morador que queira trocar por outro lugar na cidade. Fora o problema grave de mobilidade urbana, setor em que pouca coisa funciona bem, ainda assim vivemos melhor que a maioria das outras regiões. Estamos protegidos do trânsito de veículos que apenas usam um território para deslocamento para outras regiões. Quem vem pra Ilha não está indo pra outro lugar, e isso é uma vantagem fantástica que evita a população flutuante que acaba atrapalhando a vida local e complica mais ainda o trânsito.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras