Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião - José Richard

22/06/2018 - opiniao /Edição 1890
O problema de diversas ocupações que acontecem na cidade e na Ilha do Governador é que, duas empresas importantes como a Cedae e a Light, abastecem com água e energia os invasores. Com luz e água as irregularidades aumentam e os locais se tornam verdadeiras vilas, onde prosperam atividades ilegais e a cada dia se tornam mais difíceis de serem legalizadas, mesmo em terrenos particulares e sob pressão da justiça.

A solução prática para evitar o caos que muitas dessas invasões provocam, por falta de planejamento urbano, onde quase tudo é ilegal, é o governo do estado e a prefeitura notificarem à Cedae e à Light que não devem instalar água e energia por simples falta de legitimidade, seja o terreno público ou privado.

No caso do uso da água, identificado em locais que não recebem conta nem possuem relógios, pode ser tratado pelas autoridades simplesmente como roubo. E os responsáveis submetidos à mesma lei que é aplicada e pune os donos das propriedades legais que instalam gatos em residências e empresas, após serem identificados pelos técnicos da Cedae e apontados pela imprensa. Imagino que a Cedae deve perder milhões. Com a medida a empresa poderia mandar contas mais baratas para quem vive e sofre na legalidade.

Quanto à Light é diferente. A empresa instala relógios e liga a luz em qualquer lugar viabilizando o desenvolvimento das irregularidades. A Light parece tolerar ilegalidades desde que alguém pague a conta, procedimento que pode ser interpretado até como cumplicidade por conveniência.  

Portanto, se fazem necessárias e urgentes medidas para que as duas empresas sejam notificadas pelo poder público estadual ou municipal para evitar a instalação dos seus serviços em terrenos ou regiões cuja propriedade o dono não permite a ocupação. Caso não cumpram deveriam ser responsabilizadas na justiça pelos seus atos.




Veja Também

Opinião - José Richard - Este ano o carnaval de rua na Ilha do Governador promete ser ainda mais animado, não apenas pela confirmação do desfile de dezenas de blocos de rua, mas principalmente pelo apoio oficial e estrutura que a prefeitura fornecer para a organização do carnaval no Cacuia e Cocotá, dois dos mais tradicionais bairros da região.

Opinião - É crescente a reação de moradores indignados com os vizinhos mal educados que depositam sacos com lixo na porta da casa dos outros ou jogam pelas calçadas. A notícia é boa porque revela que aumenta o número de pessoas conscientes com os conceitos básicos de cidadania.

Opinião - José Richard - Os ensaios de rua da União da Ilha, realizados nas noites das quartas feiras, têm levado um grande público para o trecho da Estrada do Galeão, entre o relógio do Cacuia e a quadra da escola. É curioso como as dificuldades financeiras da agremiação funcionam como estímulo aos componentes que se desdobram em caprichar e levam ao delírio a multidão que assiste na rua ou na sacada dos prédios.

Opinião - A Ilha do Governador é uma das melhores regiões da cidade para se morar. Difícil encontrar um morador que queira trocar por outro lugar na cidade. Fora o problema grave de mobilidade urbana, setor em que pouca coisa funciona bem, ainda assim vivemos melhor que a maioria das outras regiões. Estamos protegidos do trânsito de veículos que apenas usam um território para deslocamento para outras regiões. Quem vem pra Ilha não está indo pra outro lugar, e isso é uma vantagem fantástica que evita a população flutuante que acaba atrapalhando a vida local e complica mais ainda o trânsito.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras