Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

25/05/2018 - opiniao /Edição 1886
A fragilidade das instituições públicas diante da greve dos caminhoneiros gerou sérias preocupações ao governo que se viu refém de um movimento que aparentemente não foi provocado por partidos políticos, mas pela insatisfação de uma classe que há muito tempo vive no sacrifício.
 
Os recentes aumentos consecutivos nos preços dos combustíveis, estabelecidos pela Petrobras aumentaram a preocupação dos motoristas, cujos ganhos foram sendo diluídos a cada vez que enchem o tanque. A pressão se tornou insuportável e a classe, de modo organizado, se uniu em todo Brasil, provocando o caos no abastecimento. A população e os negócios sofrem as consequências, mas quando as autoridades fazem ouvidos de mercador não restam alternativas, senão criar fatos para resgatar a dignidade de uma profissão tão relevante para o país.
 
Embora os transtornos causados a todos brasileiros, não há como negar que a paralização dos caminhoneiros foi justa, sobretudo por chamar mais uma vez a atenção sobre a quantidade de impostos embutidos na venda dos combustíveis, que tornam os derivados de petróleo uma grande fonte de arrecadação dos governos, cuja incompetência para resolver a crise ganhou a nota máxima.
 
Muitas outras categorias profissionais têm o poder de praticamente parar as atividades econômicas do país, através de protestos semelhantes que podem gerar prejuízos incalculáveis a todos cidadãos e atividades produtivas. Tenho a esperança de que nossos líderes políticos percebam a gravidade do momento para evitar um novo caos como o desta semana. 
 
Para isso os governos precisam agir para diminuir impostos e tornar os produtos mais baratos. O trabalhador brasileiro precisa respirar e sair desta verdadeira escravidão de impostos. Acabar com a corrupção pública é uma das soluções.




Veja Também

Opinião - A Ilha do Governador é uma das melhores regiões da cidade para se morar. Difícil encontrar um morador que queira trocar por outro lugar na cidade. Fora o problema grave de mobilidade urbana, setor em que pouca coisa funciona bem, ainda assim vivemos melhor que a maioria das outras regiões. Estamos protegidos do trânsito de veículos que apenas usam um território para deslocamento para outras regiões. Quem vem pra Ilha não está indo pra outro lugar, e isso é uma vantagem fantástica que evita a população flutuante que acaba atrapalhando a vida local e complica mais ainda o trânsito.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião -

Opinião - Mais um ano e o problema do transporte marítimo continua encalhado, prejudicando gravemente a mobilidade dos moradores da Ilha do Governador. A falta de uma opção confiável pelo mar é um absurdo que perdura há anos sem solução. Aliás, antigamente o sistema de barcas funcionava muito melhor quando as barcas atracavam na bucólica Ribeira.

Opinião - O verão chegou a as altas temperaturas em conjunção com as férias escolares devem lotar as praias da Ilha do Governador. Entretanto médicos dermatologistas insulanos alertam sobre os perigos de banhos em praias cuja desconfiança é grande sobre os índices de poluição e que podem afetar a saúde de quem, por descuido, ingere um gole ou tem algum machucado não cicatrizado no corpo.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras