Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

20/04/2018 - opiniao /Edição 1881
A bagunça que rola nas noites dos fins de semana na orla da Praia da Bica está deixando os moradores do local com o humor péssimo. O som alto de alguns poucos quiosques que não respeitam a lei do silêncio e mantém o barulho até quase as 3 horas da madrugada inferniza a vida de quem mora em frente deles. O fato está gerando revolta contra todos os quiosques. 

As denúncias que chegam à redação do jornal se juntam as dos motoristas que reclamam de carros mal estacionados perto de quiosques, parados em lugar proibido, prejudicando fluxo do trânsito e a movimentação dos outros veículos de motoristas que usam o trajeto pela Praia da Bica. Além disso, obstruem a faixa exclusiva para os ciclistas. Um caos!

Há muita desordem na orla, durante as noites das sextas, sábados e domingos. Frequentadores da Praia da Bica reclamam de muitas mesas e cadeiras colocadas nas calçadas e que impedem o passeio dos pedestres e os praticantes de caminhadas que precisam correr o risco de atropelamento ao serem obrigados a andar pela rua.

A obstrução de uma via pública é uma prática ilegal e a quantidade exagerada desses equipamentos atrapalhando as pessoas, podem até gerar mais lucros para alguns quiosques, mas nunca deveriam prejudicar os cidadãos que andam pelas calçadas.

O tamanho das ilegalidades é intolerável. Com isso, a orla da Praia da Bica está sendo contagiada por um clima ruim, que contamina as noites daquela bela região.

Cabe, principalmente, aos donos de quiosques, interessados em manter na orla atividades dentro da legalidade, ações positivas para estabelecer uma nova ordem com responsabilidade e que respeite os moradores e pedestres com o qual dividem o espaço e continuem a gerar negócios, respeitando os direitos de todos os outros cidadãos.




Veja Também

Opinião - A Ilha do Governador é uma das melhores regiões da cidade para se morar. Difícil encontrar um morador que queira trocar por outro lugar na cidade. Fora o problema grave de mobilidade urbana, setor em que pouca coisa funciona bem, ainda assim vivemos melhor que a maioria das outras regiões. Estamos protegidos do trânsito de veículos que apenas usam um território para deslocamento para outras regiões. Quem vem pra Ilha não está indo pra outro lugar, e isso é uma vantagem fantástica que evita a população flutuante que acaba atrapalhando a vida local e complica mais ainda o trânsito.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião - A importância de uma maternidade pública na Ilha do Governador é o de um serviço de saúde essencial para os mais tradicionais moradores da região. Alguns deles nasceram no Hospital Paulino Werneck e naturalmente sentem orgulho de serem verdadeiros insulanos da gema, como se costuma dizer.

Opinião -

Opinião - Mais um ano e o problema do transporte marítimo continua encalhado, prejudicando gravemente a mobilidade dos moradores da Ilha do Governador. A falta de uma opção confiável pelo mar é um absurdo que perdura há anos sem solução. Aliás, antigamente o sistema de barcas funcionava muito melhor quando as barcas atracavam na bucólica Ribeira.

Opinião - O verão chegou a as altas temperaturas em conjunção com as férias escolares devem lotar as praias da Ilha do Governador. Entretanto médicos dermatologistas insulanos alertam sobre os perigos de banhos em praias cuja desconfiança é grande sobre os índices de poluição e que podem afetar a saúde de quem, por descuido, ingere um gole ou tem algum machucado não cicatrizado no corpo.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras