Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

06/04/2018 - opiniao /Edição 1879
Na semana passada o bate-boca, entre os ministros Gilmar Mendes e Luís Alberto Barroso, do Supremo Tribunal de Justiça (STF) foi transmitido pela televisão e repercutiu mal em todas as camadas da sociedade brasileira, confirmando, de modo lamentável, a falta de estatura de alguns membros da mais alta corte de justiça do Brasil.
 
Todos sabemos que o colegiado do STF é constituído por juristas indicados pelo presidente da república, cuja escolha, entretanto, pode as vezes não ser a melhor nem contemplar os mais competentes. 
 
Uma vez empossados, os ministros se transformam em figuras engraçadas que fazem gestos caricatos de reis embevecidos pelo poder e usuários de ideias ininteligíveis. Desconfio que na maioria das vezes não esclarecem nada e escondem a verdade para proteger interesses.
Quando flagrados pelas imagens das televisões ostentam olhares vaidosos, mas se apequenam diante do julgamento da população e deixam perplexos e frustrados os cidadãos brasileiros que tinham grandes expectativas e orgulho de um STF que possivelmente era melhor quando não tinha o espaço midiático de hoje.
 
As atitudes e palavras de alguns desses ministros não servem de exemplo para alunos do primeiro ano do ensino básico. É uma vergonha!
Estou decepcionado. Sempre olhei com respeito e admiração para esses magistrados que ocupam os tribunais superiores. Mas hoje não vejo mais motivo para manter o mesmo olhar de fascinação. Poucos são aqueles que ainda demonstram postura e capacidade para continuar ocupando esse alto posto da justiça. Não confio mais neles e acho que a maioria do atual conjunto de ministros peca pela absoluta falta de humildade. O Brasil só continua funcionado, porque felizmente também tem gente muito boa entre eles, e nos bastidores, que seguram a barra. 




Veja Também

Opinião - José Richard - No Cacuia, em frente ao Mundial; no Cocotá, em frente ao Bradesco; na esquina da Rua Colina com a Estrada do Galeão e, em frente ao Ilha Plaza Shopping, são territórios absolutamente dominados pelas vans. Quem manda são elas. A PM e a GM passam e não as vêem.

Opinião - Cacuia, talvez o mais tradicional bairro da Ilha do Governador, tem muitas histórias, é berço da União da Ilha e de grande parte de tradicionais empresas da Ilha. Também tem a maior feira livre da região que acontece nas manhãs de domingo e recebe milhares de consumidores de todos os bairros da Ilha.

Opinião - A falta de credibilidade nas principais instituições públicas brasileiras, como o judiciário, legislativo e executivo me levam a crer que vamos ver um novo rosto do Brasil diante das mudanças que já aconteceram com o resultado das eleições no primeiro turno, e que vai mudar mais a partir de segunda-feira. O novo cenário político dificilmente vai ser tão ruim quanto ao atual.

Opinião - José Richard - Tenho repetido algumas vezes que a região da Ilha do Governador é de extrema importância para o desenvolvimento da cidade do Rio de Janeiro. Seja pelo aeroporto internacional e toda planta de serviços aeroviários, seja pelas grandes empresas instaladas na região, como estaleiros e grandes empresas de derivados de petróleo.

Opinião - José Richard - É triste a imagem das três grandes embarcações juntas e abandonadas no cais do Estaleiro Eisa, como retrata reportagem na página 7 desta edição. O prejuízo causado pelos cancelamentos das encomendas causou graves prejuízos à empresa e à Ilha do Governador, onde viviam, na época, a maioria dos 3,5 mil funcionários demitidos do estaleiro.

Opinião - José Richard - Tenho observado, na redação do Ilha Notícias, o crescimento das reclamações de leitores contra o aumento da sujeira nas praias e do lixo abandonado nas calçadas. São muitas as mensagens enviadas por pessoas indignadas, que chegam através das redes sociais, como Instagram, site, WhatsApp e Facebook. O curioso, é que esse significativo aumento de denúncias contra a imundície, mira nos sujismundos, aquelas pessoas que não estão nem um pouco preocupadas em jogar nas ruas, latas de refrigerante, restos de lanches, papéis e outras porcarias.


Edição 1910
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras