Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

16/03/2018 - opiniao /Edição 1876
Vez por outra comento aqui sobre os juros estratosféricos cobrados pelos bancos e a verdadeira covardia que fazem contra quem vai mal financeiramente e precisa de ajuda. Sem perdão, os bancos cobram os juros e taxas mais caras do mundo de quem tem menos ou fica devendo a eles.  
 
As gerações mais novas não sabem, mas antigamente os bancos pagavam juros para ter o nosso dinheiro e ganhavam ao usar esse mesmo dinheiro para emprestar a juros um pouco maiores, e assim cresceram. Agora temos que pagar diversas taxas para ter o dinheiro depositado num banco. Inverteram tudo e os bancos festejam a cada semestre recorde de lucros exorbitantes. Assim é que, mesmo quando todos brasileiros e as empresas nacionais estão mal, os bancos vão muito bem. 
 
O único objetivo dos bancos é o lucro abusivo a qualquer custo, com taxas anuais que chegam a 400% e desse modo acabam com empresas e pessoas. Nessa semana li no Globo um anúncio da Fiesp e Ciesp, entidades que representam os grandes empresários, cujo conteúdo denuncia esse absurdo e mostra um exemplo com números para comparação que nos deixa estarrecidos. Veja o que diz o anúncio:
 
1 - Se uma pessoa tivesse ido a um banco para depositar R$ 100,00 na caderneta de poupança há dez anos teria hoje na conta R$ 198,03.
2 – Se essa mesma pessoa tivesse usado o mesmo valor de R$ 100,00 no cheque especial, na mesma data, teria hoje no mesmo banco uma dívida de R$ 4.394.136,97.
 
Caro leitor, finalmente vejo algum sinal de que outros também não suportam mais este absurdo e abusivo mal que os bancos fazem a todos brasileiros e ao país. É preciso uma mobilização para que eles também sejam instrumentos justos e decentes de desenvolvimento compartilhado com o povo. Pior é que a Caixa e Banco do Brasil do próprio governo cometem a mesma indecência contra o povo.




Veja Também

Opinião -

Opinião - José Richard - As dificuldades enfrentadas pelos veículos para circular nas principais ruas da Ilha durante o horário comercial são resultado do aumento da quantidade de carros que se deslocam principalmente por um eixo de cinco principais troncos de circulação: Estrada do Galeão, Estrada do Cacuia, Avenida Paranapuan, Estrada Rio Jequiá e Estrada do Dendê.

Opinião - José Richard - Morar na Ilha do Governador é um privilégio e todos devemos defender nosso chão para continuar sendo o excelente lugar que é para morar, desenvolver negócios e viver em paz. O sonho de todos insulanos é morar na Ilha e trabalhar por aqui mesmo, sem precisar enfrentar os desagradáveis engarrafamentos na Estrada do Galeão e os perigos da Linha Vermelha.

Opinião - A solenidade pública que será realizada nesta sexta-feira (29), a partir das 16h, no calçadão em frente ao Banco do Brasil, na Portuguesa, vai homenagear os policiais militares que se destacaram no trimestre. A eles serão entregues Moções de Reconhecimento da Câmara Municipal da Cidade do Rio de Janeiro e presentes oferecidos por empresas da Ilha, como gesto de reconhecimento e gratidão.

Opinião - José Richard - O problema de diversas ocupações que acontecem na cidade e na Ilha do Governador é que, duas empresas importantes como a Cedae e a Light, abastecem com água e energia os invasores. Com luz e água as irregularidades aumentam e os locais se tornam verdadeiras vilas, onde prosperam atividades ilegais e a cada dia se tornam mais difíceis de serem legalizadas, mesmo em terrenos particulares e sob pressão da justiça.

Opinião - José Richard - Li, acho que em um pais da Europa, que durante uma greve de ônibus, os táxis e lotações resolveram ajudar a população e diminuíram o preço das passagens para permitir que os passageiros continuassem com as suas atividades normais. Entenderam que com o aumento do número de passageiros durante o movimento grevista podiam diminuir o preço que ainda assim teriam lucros extraordinários. Foram solidários ao seu povo, que precisava trabalhar, ir ao médico ou estudar, entre outras atividades da rotina de quem vive.


Edição 1894
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras