Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

09/03/2018 - opiniao /Edição 1875
É inexplicável a retirada de parte ou de toda frota em algumas linhas de ônibus que circulam na Ilha do Governador. Pelo que se sabe foram ações decididas pelas próprias empresas que entenderam que elas não eram lucrativas. Simples assim.

O sistema de transporte de passageiros que já era ruim, está ficando a cada dia pior, gerando revolta e prejudicando os passageiros que são obrigados a esperar muito tempo pelos ônibus dessas linhas que ainda não acabaram, mas que já tiveram a frota bastante reduzida.

É um desrespeito aos passageiros, cujas vidas e responsabilidades são programadas pelos horários e trajetos das conduções, principalmente porque aconteceu sem aviso prévio e de uma hora para outra deixaram de circular. O sistema de mobilidade urbana continua piorando e abre espaço para o transporte alternativo e oportunista muitas vezes ilegal e perigoso.

Problema semelhante já aconteceu tempos atrás com o surgimento das kombis e vans que ocuparam, e continuam ocupando, cada dia mais, os trajetos mal atendidospelos ônibus. E isso é péssimo, porque o serviço do transporte complementar, em muitos casos é realizado por veículos piratas, dirigidos de modo louco pelas ruas, desrespeitando sinais e colocando em risco os passageiros, o restante da população e outros carros nas ruas. 

O pior é que não existem movimentos ou planos para que a situação mude e as empresas de ônibus sejam obrigadas e fiscalizadas para cumprir as obrigações das concessões de cada linha. A previsão é que o sistema pode piorar por absoluta má vontade de algumas empresas que não cumprem as obrigações com a população, nem justificam porque não fazem.





Edição 1886
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras