Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

02/02/2018 - opiniao /Edição 1870
A Ilha vive uma semana de luto em virtude da morte do policial militar Eduardo de Barros Almeida ocorrida na terça (30), durante operação da PM na comunidade do Parque Royal. Ten. Barros pagou um preço muito caro por trabalhar na polícia combatendo bandidos e protegendo a população insulana. A dor da família se estendeu à corporação e deixou a população das Ilha do Governador abalada.
 
A covardia de criminosos que se entrincheiram nas vielas e corredores das comunidades usando fuzis sofisticados tornam o confronto desproporcional e só a coragem e responsabilidade profissional de policiais corajosos, como Barros, tem sido capaz de conter um avanço maior da criminalidade e o descontrole da ordem pública.
 
Com armamentos sofisticados e conscientes de práticas criminosas, os bandidos, como o que atirou no tenente, é uma ameaça letal a cada cidadão. Suas mentes são de monstros que despejam ódio em forma de rajadas mortais, sempre prontos a matar e morrer sem que tenham uma bandeira que possam se orgulhar. São do mal.
 
O choque da perda de um bom policial é sempre inexplicável e quando isso acontece, tão próximo de nós, dói ainda mais e nos faz refletir sobre a importância e valor de cada um desses policiais militares que estão nas ruas e nas frentes de batalhas, nos protegendo de perigos que muitas vezes nem sabemos que estávamos correndo. 
 
A ação preventiva das operações policiais, como essa no Parque Royal é um exemplo da polícia agindo para evitar riscos maiores para a sociedade. O Tenente Barros, morreu em combate e sua coragem é exemplo para todos nós que precisamos renovar nosso orgulho e gratidão para com esses jovens policiais que sacrificam as suas vidas para nos proteger.
Nossa solidariedade aos familiares.




Veja Também

Opinião - José Richard - É triste a imagem das três grandes embarcações juntas e abandonadas no cais do Estaleiro Eisa, como retrata reportagem na página 7 desta edição. O prejuízo causado pelos cancelamentos das encomendas causou graves prejuízos à empresa e à Ilha do Governador, onde viviam, na época, a maioria dos 3,5 mil funcionários demitidos do estaleiro.

Opinião - José Richard - Tenho observado, na redação do Ilha Notícias, o crescimento das reclamações de leitores contra o aumento da sujeira nas praias e do lixo abandonado nas calçadas. São muitas as mensagens enviadas por pessoas indignadas, que chegam através das redes sociais, como Instagram, site, WhatsApp e Facebook. O curioso, é que esse significativo aumento de denúncias contra a imundície, mira nos sujismundos, aquelas pessoas que não estão nem um pouco preocupadas em jogar nas ruas, latas de refrigerante, restos de lanches, papéis e outras porcarias.

Opinião - É uma pena que a Ilha do Governador e Fundão não seja um município. Tem todas as condições para isso, sobretudo um conjunto de fatores que geram receitas importantes para garantir o funcionamento e gestão do que seria uma cidade próspera, e com melhor qualidade de vida.

Opinião - José Richard - A Transportes Paranapuan que já foi uma das melhores empresas de ônibus da cidade, sofre a pior crise financeira da sua história gerando graves consequências para a população da Ilha do Governador e Fundão. Com os problemas da Paranapuan centenas de trabalhadores, principalmente motoristas e cobradores, foram demitidos, provocando mais desemprego na nossa região, já afetada pelas 3,5 mil demissões no estaleiro Eisa, há cerca de dois anos e sem prazo para retomar suas atividades.

Opinião - José Richard - Esta semana assisti, como muitos outros moradores da Ilha do Governador, um balão de grandes proporções flutuando em nível descendente pelos céus da região, na direção ao aeroporto do Galeão. Ao mesmo tempo, um grupo de homens se deslocava por terra em carros, motos e bicicletas acompanhando a geringonça. E mais dois barcos seguiam pela costa em direção ao Fundão, acredito para tentar recuperar o balão caso os ventos o fizessem pousar na Baía de Guanabara, e seria um alívio para todos nós que se desmanchasse nas águas.

Opinião - Quem acha que é impossível a Light piorar os seus serviços na Ilha do Governador se enganou.


Edição 1906
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras