Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

02/02/2018 - opiniao /Edição 1870
A Ilha vive uma semana de luto em virtude da morte do policial militar Eduardo de Barros Almeida ocorrida na terça (30), durante operação da PM na comunidade do Parque Royal. Ten. Barros pagou um preço muito caro por trabalhar na polícia combatendo bandidos e protegendo a população insulana. A dor da família se estendeu à corporação e deixou a população das Ilha do Governador abalada.
 
A covardia de criminosos que se entrincheiram nas vielas e corredores das comunidades usando fuzis sofisticados tornam o confronto desproporcional e só a coragem e responsabilidade profissional de policiais corajosos, como Barros, tem sido capaz de conter um avanço maior da criminalidade e o descontrole da ordem pública.
 
Com armamentos sofisticados e conscientes de práticas criminosas, os bandidos, como o que atirou no tenente, é uma ameaça letal a cada cidadão. Suas mentes são de monstros que despejam ódio em forma de rajadas mortais, sempre prontos a matar e morrer sem que tenham uma bandeira que possam se orgulhar. São do mal.
 
O choque da perda de um bom policial é sempre inexplicável e quando isso acontece, tão próximo de nós, dói ainda mais e nos faz refletir sobre a importância e valor de cada um desses policiais militares que estão nas ruas e nas frentes de batalhas, nos protegendo de perigos que muitas vezes nem sabemos que estávamos correndo. 
 
A ação preventiva das operações policiais, como essa no Parque Royal é um exemplo da polícia agindo para evitar riscos maiores para a sociedade. O Tenente Barros, morreu em combate e sua coragem é exemplo para todos nós que precisamos renovar nosso orgulho e gratidão para com esses jovens policiais que sacrificam as suas vidas para nos proteger.
Nossa solidariedade aos familiares.




Veja Também

Opinião - José Richard - Essa terrível tempestade que desabou na cidade e principalmente na Ilha do Governador, na madrugada da quinta-feira (15), deixou nossa terra arrasada. Quase 200 árvores gigantes, algumas centenárias, foram arrancadas do solo como se fossem de papel.

Opinião - José Richard - Essa terrível tempestade que desabou na cidade e principalmente na Ilha do Governador, na madrugada da quinta-feira (15), deixou nossa terra arrasada. Quase 200 árvores gigantes, algumas centenárias, foram arrancadas do solo como se fossem de papel.

Opinião - José Richard - Há algum tempo quando a Ilha era uma região mais tranquila, havia uma cabine da Polícia Militar localizada no canteiro central entre o Casa Show e a passarela. Nela trabalhava o cabo Afonso, PM que por muitos anos foi uma das pessoas mais conhecidas e respeitadas da Ilha em razão da admiração que conquistou, por sua educação e integridade. Simbolizava a presença da lei e era respeitado por todos.

Opinião - Esta semana a imprensa divulgou a estatística de 2017 referente as multas de trânsito aplicadas em vans, da cidade do Rio de Janeiro, no ano passado, e a Ilha do Governador foi a região campeã com 787 infrações das 3.580 aplicadas na cidade. Superamos bairros como Madureira 387, Barra da Tijuca 182 e Bangu com 98 multas. Essa diferença vergonhosa revela, aquilo que a população constata e sofre diariamente nas ruas diante da bagunça generalizada provocada pela maioria das vans que circulam nas ruas da Ilha.

Opinião - Diversas páginas desta edição do Ilha Notícias tratam de carnaval e do clima de absoluta alegria que o reinado de Momo proporciona nas ruas com a participação de milhares de foliões, cujo principal objetivo é se divertir e extravasar a alegria. Por outro lado, a multidão que também acompanha os ensaios de rua da União da Ilha, nas noites das quartas feiras, prenuncia um grandioso desfile na Marques de Sapucaí no dia 12 de fevereiro.


Edição 1872
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras