Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

05/01/2018 - opiniao /Edição 1866
O ano começou bem. Já temos no calendário de janeiro diversas programações de carnaval para agitar a galera que festejou o Natal e Ano Novo aproveitando as delícias próprias das festas de final de ano. Com a virada do ano, o assunto mudou: agora é carnaval.
 
A União da Ilha, cujo enredo trata de comida e os pratos brasileiros pode gerar uma grande surpresa no desfile, já que não existe brasileiro que não aprecia um bom prato. Alguns gostam do prato cheio, mas a maioria tem preferências por bons ingredientes e temperos. Até a aparência faz o prato apetitoso aos olhos de qualquer gourmet, com fome. A equipe da União que desenvolve o enredo e alegorias é muito profissional e tem bom gosto fato que ajuda. Acredito que a apresentação vai dar água na boca do público e melhorar as boas notas dos jurados.
 
Os ensaios de rua estão bombando. Nunca se viu a quantidade de público, como neste ano, que acompanha o desempenho e incentiva os destaques, intérpretes, baterias e alas. Um verdadeiro show no asfalto da Estrada do Galeão que merece aplausos. As sacadas dos prédios do trecho do Posto Ilha até a quadra ficam lotadas e se transformaram em verdadeiros camarotes de privilegiados moradores que vibram com o espetáculo.
 
Já os blocos estão inquietos e prometem grandes desfiles pelas ruas da Ilha, arrastando milhares de foliões e distribuindo alegria por onde passam. A Ribeira continua a ser o bairro onde a maioria vai se apresentar, e tudo começa no sábado, dia 20 com "Os 20 de Ouro do Mestre Odilon". Nos bastidores , Batuke de Batom, Vermelho e Branco e outros grandes estão agitados e a animação deve surpreender, com a participação de cerca de 40 blocos. 




Veja Também

Opinião - José Richard - É triste a imagem das três grandes embarcações juntas e abandonadas no cais do Estaleiro Eisa, como retrata reportagem na página 7 desta edição. O prejuízo causado pelos cancelamentos das encomendas causou graves prejuízos à empresa e à Ilha do Governador, onde viviam, na época, a maioria dos 3,5 mil funcionários demitidos do estaleiro.

Opinião - José Richard - Tenho observado, na redação do Ilha Notícias, o crescimento das reclamações de leitores contra o aumento da sujeira nas praias e do lixo abandonado nas calçadas. São muitas as mensagens enviadas por pessoas indignadas, que chegam através das redes sociais, como Instagram, site, WhatsApp e Facebook. O curioso, é que esse significativo aumento de denúncias contra a imundície, mira nos sujismundos, aquelas pessoas que não estão nem um pouco preocupadas em jogar nas ruas, latas de refrigerante, restos de lanches, papéis e outras porcarias.

Opinião - É uma pena que a Ilha do Governador e Fundão não seja um município. Tem todas as condições para isso, sobretudo um conjunto de fatores que geram receitas importantes para garantir o funcionamento e gestão do que seria uma cidade próspera, e com melhor qualidade de vida.

Opinião - José Richard - A Transportes Paranapuan que já foi uma das melhores empresas de ônibus da cidade, sofre a pior crise financeira da sua história gerando graves consequências para a população da Ilha do Governador e Fundão. Com os problemas da Paranapuan centenas de trabalhadores, principalmente motoristas e cobradores, foram demitidos, provocando mais desemprego na nossa região, já afetada pelas 3,5 mil demissões no estaleiro Eisa, há cerca de dois anos e sem prazo para retomar suas atividades.

Opinião - José Richard - Esta semana assisti, como muitos outros moradores da Ilha do Governador, um balão de grandes proporções flutuando em nível descendente pelos céus da região, na direção ao aeroporto do Galeão. Ao mesmo tempo, um grupo de homens se deslocava por terra em carros, motos e bicicletas acompanhando a geringonça. E mais dois barcos seguiam pela costa em direção ao Fundão, acredito para tentar recuperar o balão caso os ventos o fizessem pousar na Baía de Guanabara, e seria um alívio para todos nós que se desmanchasse nas águas.

Opinião - Quem acha que é impossível a Light piorar os seus serviços na Ilha do Governador se enganou.


Edição 1907
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras