Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

15/12/2017 - opiniao /Edição 1863
O Natal já é na próxima semana, depois de um ano sofrido que considero de transição entre um quadro de absoluta falta de perspectivas econômicas e muito desemprego, para um novo ano que promete algum crescimento e todas as boas consequências decorrentes do desenvolvimento positivo.
 
Também considero 2017 um ano transição porque diminuíram as más notícias e a economia dá sinais de estabilização, além de um modesto crescimento, fato que tem que ser comemorado com otimismo pela população pois significa que podemos ter mais vagas de empregos.
 
Aliás, a geração de novos empregos é a consequência natural do crescimento, sobretudo diante das novas regras trabalhistas que flexibilizam acordos entre interesse de trabalhadores e patrões, criando uma nova relação de confiança que deverá ser positiva para ambos os lados.
 
O único risco para o próximo ano, vem da instabilidade política brasileira diante de tantas notícias de corrupção e gente importante presa à espera de julgamento. Já no início, em janeiro, uma decisão da justiça poderá confirmar a condenação de Lula e mudar o cenário político das eleições de modo imprevisível. 
 
Mas temos que ter confiança de que o Brasil vai superar tudo e crescer. A democracia está forte e o pensamento republicano deverá prevalecer como rumo para as mudanças nas atitudes dos protagonistas dos três poderes da república. Os trabalhadores, estudantes e donas de casa tem hoje um olhar crítico mais apurado sobre as funções das instituições do Estado e acompanham pela imprensa cada movimento dos personagens que conduzem a nação. 
 
O ano eleitoral vai favorecer importantes mudanças e o Brasil do futuro está novamente mãos dos eleitores, naquela que deverá ser uma das eleições mais importantes da nossa história. 




Veja Também

Opinião - José Richard - É triste a imagem das três grandes embarcações juntas e abandonadas no cais do Estaleiro Eisa, como retrata reportagem na página 7 desta edição. O prejuízo causado pelos cancelamentos das encomendas causou graves prejuízos à empresa e à Ilha do Governador, onde viviam, na época, a maioria dos 3,5 mil funcionários demitidos do estaleiro.

Opinião - José Richard - Tenho observado, na redação do Ilha Notícias, o crescimento das reclamações de leitores contra o aumento da sujeira nas praias e do lixo abandonado nas calçadas. São muitas as mensagens enviadas por pessoas indignadas, que chegam através das redes sociais, como Instagram, site, WhatsApp e Facebook. O curioso, é que esse significativo aumento de denúncias contra a imundície, mira nos sujismundos, aquelas pessoas que não estão nem um pouco preocupadas em jogar nas ruas, latas de refrigerante, restos de lanches, papéis e outras porcarias.

Opinião - É uma pena que a Ilha do Governador e Fundão não seja um município. Tem todas as condições para isso, sobretudo um conjunto de fatores que geram receitas importantes para garantir o funcionamento e gestão do que seria uma cidade próspera, e com melhor qualidade de vida.

Opinião - José Richard - A Transportes Paranapuan que já foi uma das melhores empresas de ônibus da cidade, sofre a pior crise financeira da sua história gerando graves consequências para a população da Ilha do Governador e Fundão. Com os problemas da Paranapuan centenas de trabalhadores, principalmente motoristas e cobradores, foram demitidos, provocando mais desemprego na nossa região, já afetada pelas 3,5 mil demissões no estaleiro Eisa, há cerca de dois anos e sem prazo para retomar suas atividades.

Opinião - José Richard - Esta semana assisti, como muitos outros moradores da Ilha do Governador, um balão de grandes proporções flutuando em nível descendente pelos céus da região, na direção ao aeroporto do Galeão. Ao mesmo tempo, um grupo de homens se deslocava por terra em carros, motos e bicicletas acompanhando a geringonça. E mais dois barcos seguiam pela costa em direção ao Fundão, acredito para tentar recuperar o balão caso os ventos o fizessem pousar na Baía de Guanabara, e seria um alívio para todos nós que se desmanchasse nas águas.

Opinião - Quem acha que é impossível a Light piorar os seus serviços na Ilha do Governador se enganou.


Edição 1907
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras