Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

08/12/2017 - opiniao /Edição 1862
Enquanto a população da Ilha continua sofrendo com o péssimo serviço público de mobilidade urbana, a licitação para o serviço de transporte marítimo continua parada e a concessionária, que há mais de um ano quer se desfazer do compromisso e só mantém as barcas funcionado por obrigação e para evitar multas. O serviço é considerado, pelos usuários, como de péssima qualidade, além de horários escassos e utilização de embarcações velhas e perigosas.
 
A CCR Barcas alega acumular prejuízos e quer passar a responsabilidade para outra concessionária, entretanto o governo estadual não aceita a devolução nem a suspensão dos serviços, pois tem dificuldades de elaborar um edital que motive outra empresa a assumir os problemas e entulhos. 
 
Provavelmente inexistem condições saudáveis para alguém assumir um contrato de 20 anos com cláusulas ainda mais abrangentes e com compromissos de melhorias nos serviços e manutenção da mesma política de preços, que segundo a concessionária atual já não é a ideal, embora seja considerada muito cara pelos passageiros.
 
Diante das controvérsias, a conclusão mais aceitável é de que o sistema atual de transporte aquaviário de passageiros está superado e precisa mudar, para dar certo. Talvez o fatiamento em concessões por trajetos utilizando embarcações menores, com capacidade de 50 até 200 passageiros motivasse investimentos de pequenas e médias empresas. Pontos de terminais marítimos como: Cocotá, Paquetá, Duque de Caxias, Aeroporto Santos Dumont, Aeroporto do Galeão, São Gonçalo, Niterói e outros, podem gerar interesses de investidores, desde que as concessões sejam divididas pelos trechos, cujas características de embarcações são diferentes.  
Outras opções existem, mas parece que não existe vontade para que se encontre uma solução.




Veja Também

Opinião -

Opinião - José Richard - As dificuldades enfrentadas pelos veículos para circular nas principais ruas da Ilha durante o horário comercial são resultado do aumento da quantidade de carros que se deslocam principalmente por um eixo de cinco principais troncos de circulação: Estrada do Galeão, Estrada do Cacuia, Avenida Paranapuan, Estrada Rio Jequiá e Estrada do Dendê.

Opinião - José Richard - Morar na Ilha do Governador é um privilégio e todos devemos defender nosso chão para continuar sendo o excelente lugar que é para morar, desenvolver negócios e viver em paz. O sonho de todos insulanos é morar na Ilha e trabalhar por aqui mesmo, sem precisar enfrentar os desagradáveis engarrafamentos na Estrada do Galeão e os perigos da Linha Vermelha.

Opinião - A solenidade pública que será realizada nesta sexta-feira (29), a partir das 16h, no calçadão em frente ao Banco do Brasil, na Portuguesa, vai homenagear os policiais militares que se destacaram no trimestre. A eles serão entregues Moções de Reconhecimento da Câmara Municipal da Cidade do Rio de Janeiro e presentes oferecidos por empresas da Ilha, como gesto de reconhecimento e gratidão.

Opinião - José Richard - O problema de diversas ocupações que acontecem na cidade e na Ilha do Governador é que, duas empresas importantes como a Cedae e a Light, abastecem com água e energia os invasores. Com luz e água as irregularidades aumentam e os locais se tornam verdadeiras vilas, onde prosperam atividades ilegais e a cada dia se tornam mais difíceis de serem legalizadas, mesmo em terrenos particulares e sob pressão da justiça.

Opinião - José Richard - Li, acho que em um pais da Europa, que durante uma greve de ônibus, os táxis e lotações resolveram ajudar a população e diminuíram o preço das passagens para permitir que os passageiros continuassem com as suas atividades normais. Entenderam que com o aumento do número de passageiros durante o movimento grevista podiam diminuir o preço que ainda assim teriam lucros extraordinários. Foram solidários ao seu povo, que precisava trabalhar, ir ao médico ou estudar, entre outras atividades da rotina de quem vive.


Edição 1894
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras