Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

01/09/2017 - opiniao /Edição 1848
A Ilha do Governador comemora em setembro, especialmente no dia 5, seus 450 anos. O marco dessa contagem começou em 1567 quando Mem de Sá doou ao sobrinho, o governador Moraes de Sá, as terras da Ilha. Daí em diante, diz a história, por cerca de quatro séculos o progresso na região antes ocupada por índios, foi lento e passou por etapas interessantes quando, por exemplo, se destacava como um próspero canavial e pela visita ocasional de D. Pedro I, que vinha banhar-se na biquinha da Praia da Bica depois das caçadas pela região. 

Até a metade do século passado, isolada do continente, a vida na Ilha, era bucólica com bondes circulando entre o Cocotá e a Ribeira e o transporte de passageiros para o Centro da cidade era por barcas, funcionavam melhor que hoje. O progresso acelerado só começou, de fato, com a inauguração da ponte velha, em 1950, E nesses últimos 67 anos o povoamento ocupou quase todos os espaços. A população explodiu para quase 300 mil habitantes, e não fosse a existência das pistas do aeroporto e todo complexo aeroviário, além das unidades militares da marinha e aeronáutica, seria inimaginável a quantidade de gente que poderia estar morando na nossa Ilha do Governador.

Depois da construção de mais duas pontes que proporcionaram acessos terrestres mais rápidos, multiplicou-se a população cujo perfil é de pessoas em busca da tranquilidade que não existe nas outras regiões da cidade. A qualidade de vida oferecida por uma orla repleta de opções para o lazer e a pesca causa admiração nos moradores de regiões sem os encantos da Ilha.

Apesar da poluição da Baía de Guanabara que prejudica nossas praias e, do nó urbano que nos faz sofrer para entrar e sair da Ilha diariamente, a região tem bairros com excelente índice de qualidade de vida e oportunidades para desenvolver novos e importantes setores de negócios como a indústria naval de pequeno e médio porte.




Veja Também

Opinião - José Richard - Li, acho que em um pais da Europa, que durante uma greve de ônibus, os táxis e lotações resolveram ajudar a população e diminuíram o preço das passagens para permitir que os passageiros continuassem com as suas atividades normais. Entenderam que com o aumento do número de passageiros durante o movimento grevista podiam diminuir o preço que ainda assim teriam lucros extraordinários. Foram solidários ao seu povo, que precisava trabalhar, ir ao médico ou estudar, entre outras atividades da rotina de quem vive.

Opinião - Vai ser muito complicado conter as invasões que continuam acontecendo no bairro do Galeão e arredores. Pessoas continuam a ocupar terras e se instalam em áreas militares sem que haja nenhuma infraestrutura para uma vida digna.

Opinião - José Richard - As nefastas consequências do movimento dos caminhoneiros que nesta semana atingiu praticamente todas as cidades brasileiras demonstram a nossa extrema dependência das áreas de transporte, energia elétrica e fornecimento de água, por exemplo. Elas são quase tão essenciais como o ar que respiramos.

Opinião -

Opinião - José Richard - Nessa semana o Ilha Notícias registra em suas páginas dois importantes movimentos sociais, cujas ações foram dirigidas para ajudar o próximo. O grupo Soul Pixta, formado por insulanos que se divertem de modo tranquilo quase sempre ao som de músicas de cultura alternativa, realizou um evento na véspera do Dia das Mães, destinado a proporcionar ações de embelezamento facial para mães que normalmente não possuem condições de frequentar o salão de beleza. O gesto foi espontâneo e contou com a participação de diversos jovens do coletivo que deram um belo exemplo de carinho a diversas mães.

Opinião -


Edição 1889
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras