Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

23/06/2017 - opiniao /Edição 1838
Essa semana um leitor enviou ao Ilha Notícias imagens de um colchão velho boiando nas águas da Praia da Bica, jogado por um desconhecido. A redação postou, nas plataformas digitais do jornal, o texto da mensagem e as duas fotos. A indignação do leitor, que colaborou com o jornal, faz sentido pelo absurdo do descarte do objeto nas águas da Baía de Guanabara e provocou centenas e iradas reações na rede social de outros insulanos revoltados com o fato.
Esse episódio do colchão, poluindo a baía, é uma rotina da absoluta falta de educação de algumas pessoas insensatas. Normalmente são aquelas sem noção e que reclamam de tudo e da vida. Sabem criticar, mas não fazem a sua parte e, pior, acham que sempre têm razão em tudo. A atitude de achar que a Baía de Guanabara é uma lata de lixo ou privada tem a ver com a falta de cultura de pessoas espaçosas que sabem cobrar direitos, mas costumam não fazer minimamente a sua parte.
Por isso, acho que quem não tem pudor e faz o que passa pela cabeça, não tem o direito de reclamar de nada. Colocar um colchão na baía é uma agressão a toda sociedade que luta, trabalha e estuda feito louca, enquanto uns poucos ignorantes prejudicam a qualidade de vida dos seus semelhantes. São tão insanos que eles próprios devem cobrar dos órgãos públicos a eventual demora em limpar a porcaria que fazem.
Minha indignação é grande com pessoas que fazem esse mundo pior. E sou pessimista com eles, porque acredito que devem gostar do mau cheiro e curtir a sujeira que provocam. São iguais aos pichadores que invadem nossas casas e prédios e deixam seus garranchos, como prova da própria ignorância. O episódio do colchão é como um ato de pichação, igualmente praticado por imbecis.




Veja Também

Opinião - José Richard - A comunidade da Ilha do Governador sofreu bastante com o forte temporal que atingiu a região na quinta, dia 15. As autoridades atualizaram para 255 a quantidade de árvores que foram derrubadas pela forção da ventania e o trabalho de normalização das vias e calçadas só deve chegar ao fim nos próximos dias.

Opinião - José Richard - Essa terrível tempestade que desabou na cidade e principalmente na Ilha do Governador, na madrugada da quinta-feira (15), deixou nossa terra arrasada. Quase 200 árvores gigantes, algumas centenárias, foram arrancadas do solo como se fossem de papel.

Opinião - José Richard - Essa terrível tempestade que desabou na cidade e principalmente na Ilha do Governador, na madrugada da quinta-feira (15), deixou nossa terra arrasada. Quase 200 árvores gigantes, algumas centenárias, foram arrancadas do solo como se fossem de papel.

Opinião - José Richard - Há algum tempo quando a Ilha era uma região mais tranquila, havia uma cabine da Polícia Militar localizada no canteiro central entre o Casa Show e a passarela. Nela trabalhava o cabo Afonso, PM que por muitos anos foi uma das pessoas mais conhecidas e respeitadas da Ilha em razão da admiração que conquistou, por sua educação e integridade. Simbolizava a presença da lei e era respeitado por todos.

Opinião -

Opinião - Esta semana a imprensa divulgou a estatística de 2017 referente as multas de trânsito aplicadas em vans, da cidade do Rio de Janeiro, no ano passado, e a Ilha do Governador foi a região campeã com 787 infrações das 3.580 aplicadas na cidade. Superamos bairros como Madureira 387, Barra da Tijuca 182 e Bangu com 98 multas. Essa diferença vergonhosa revela, aquilo que a população constata e sofre diariamente nas ruas diante da bagunça generalizada provocada pela maioria das vans que circulam nas ruas da Ilha.


Edição 1873
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras