Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

23/06/2017 - opiniao /Edição 1838
Essa semana um leitor enviou ao Ilha Notícias imagens de um colchão velho boiando nas águas da Praia da Bica, jogado por um desconhecido. A redação postou, nas plataformas digitais do jornal, o texto da mensagem e as duas fotos. A indignação do leitor, que colaborou com o jornal, faz sentido pelo absurdo do descarte do objeto nas águas da Baía de Guanabara e provocou centenas e iradas reações na rede social de outros insulanos revoltados com o fato.
Esse episódio do colchão, poluindo a baía, é uma rotina da absoluta falta de educação de algumas pessoas insensatas. Normalmente são aquelas sem noção e que reclamam de tudo e da vida. Sabem criticar, mas não fazem a sua parte e, pior, acham que sempre têm razão em tudo. A atitude de achar que a Baía de Guanabara é uma lata de lixo ou privada tem a ver com a falta de cultura de pessoas espaçosas que sabem cobrar direitos, mas costumam não fazer minimamente a sua parte.
Por isso, acho que quem não tem pudor e faz o que passa pela cabeça, não tem o direito de reclamar de nada. Colocar um colchão na baía é uma agressão a toda sociedade que luta, trabalha e estuda feito louca, enquanto uns poucos ignorantes prejudicam a qualidade de vida dos seus semelhantes. São tão insanos que eles próprios devem cobrar dos órgãos públicos a eventual demora em limpar a porcaria que fazem.
Minha indignação é grande com pessoas que fazem esse mundo pior. E sou pessimista com eles, porque acredito que devem gostar do mau cheiro e curtir a sujeira que provocam. São iguais aos pichadores que invadem nossas casas e prédios e deixam seus garranchos, como prova da própria ignorância. O episódio do colchão é como um ato de pichação, igualmente praticado por imbecis.




Veja Também

Opinião - José Richard - Li, acho que em um pais da Europa, que durante uma greve de ônibus, os táxis e lotações resolveram ajudar a população e diminuíram o preço das passagens para permitir que os passageiros continuassem com as suas atividades normais. Entenderam que com o aumento do número de passageiros durante o movimento grevista podiam diminuir o preço que ainda assim teriam lucros extraordinários. Foram solidários ao seu povo, que precisava trabalhar, ir ao médico ou estudar, entre outras atividades da rotina de quem vive.

Opinião - Vai ser muito complicado conter as invasões que continuam acontecendo no bairro do Galeão e arredores. Pessoas continuam a ocupar terras e se instalam em áreas militares sem que haja nenhuma infraestrutura para uma vida digna.

Opinião - José Richard - As nefastas consequências do movimento dos caminhoneiros que nesta semana atingiu praticamente todas as cidades brasileiras demonstram a nossa extrema dependência das áreas de transporte, energia elétrica e fornecimento de água, por exemplo. Elas são quase tão essenciais como o ar que respiramos.

Opinião -

Opinião - José Richard - Nessa semana o Ilha Notícias registra em suas páginas dois importantes movimentos sociais, cujas ações foram dirigidas para ajudar o próximo. O grupo Soul Pixta, formado por insulanos que se divertem de modo tranquilo quase sempre ao som de músicas de cultura alternativa, realizou um evento na véspera do Dia das Mães, destinado a proporcionar ações de embelezamento facial para mães que normalmente não possuem condições de frequentar o salão de beleza. O gesto foi espontâneo e contou com a participação de diversos jovens do coletivo que deram um belo exemplo de carinho a diversas mães.

Opinião -


Edição 1889
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras