Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

12/05/2017 - opiniao /Edição 1832
Nestes tempos difíceis de pavor e crimes por toda cidade é aconselhável tomar muito cuidado nas ruas e orar a Deus para interceder pela segurança do povo carioca. Não existem perspectivas e prazos para que o cenário se modifique. Nem os profissionais de segurança mais otimistas enxergam quando será possível novamente andar com segurança em nossa cidade maravilhosa.
 
As organizações policiais encontram a cada dia maiores dificuldades para combater o crime que agora está literalmente nas ruas. As cenas exibidas pela imprensa revelam uma grandiosidade de acontecimentos criminosos e atos de selvageria só comparados com os vividos atualmente pelos países em guerra, cuja quantidade de mortes quase nos igualamos.
 
A covardia dos criminosos atingiu níveis inimagináveis contra vítimas indefesas e desprotegidas. Na Ilha, há cerca de 40 anos atrás, quando foi criado o 17º Batalhão de Policia Militar, instalado no Zumbi, a tropa de agentes era de 1.100 homens enquanto a população atingia pouco mais de 100 mil pessoas.
 
Atualmente a população da Ilha do Governador aumentou para quase 300 mil habitantes, enquanto o número de policiais militares do nosso batalhão de polícia militar diminuiu para cerca de 300 policiais. Explica-se com esses números o aumento da criminalidade na região e, provavelmente em toda cidade, admitindo que o mesmo descompasso aconteceu nas outras regiões do estado.
 
Se, há quatro décadas havia na Ilha, um policial para cada grupo de 100 habitantes, hoje só existe um PM para cada grupo de 1 mil pessoas. É gigantesca a diferença e, pelo andar das políticas públicas de segurança, absolutamente nada foi planejado para mudar essa realidade, cujas vítimas são principalmente os cidadão honestos e trabalhadores. É uma tragédia cujas vítimas somos todos nós que vivemos absolutamente desprotegidos.




Veja Também

Opinião - José Richard - Li, acho que em um pais da Europa, que durante uma greve de ônibus, os táxis e lotações resolveram ajudar a população e diminuíram o preço das passagens para permitir que os passageiros continuassem com as suas atividades normais. Entenderam que com o aumento do número de passageiros durante o movimento grevista podiam diminuir o preço que ainda assim teriam lucros extraordinários. Foram solidários ao seu povo, que precisava trabalhar, ir ao médico ou estudar, entre outras atividades da rotina de quem vive.

Opinião - Vai ser muito complicado conter as invasões que continuam acontecendo no bairro do Galeão e arredores. Pessoas continuam a ocupar terras e se instalam em áreas militares sem que haja nenhuma infraestrutura para uma vida digna.

Opinião - José Richard - As nefastas consequências do movimento dos caminhoneiros que nesta semana atingiu praticamente todas as cidades brasileiras demonstram a nossa extrema dependência das áreas de transporte, energia elétrica e fornecimento de água, por exemplo. Elas são quase tão essenciais como o ar que respiramos.

Opinião -

Opinião - José Richard - Nessa semana o Ilha Notícias registra em suas páginas dois importantes movimentos sociais, cujas ações foram dirigidas para ajudar o próximo. O grupo Soul Pixta, formado por insulanos que se divertem de modo tranquilo quase sempre ao som de músicas de cultura alternativa, realizou um evento na véspera do Dia das Mães, destinado a proporcionar ações de embelezamento facial para mães que normalmente não possuem condições de frequentar o salão de beleza. O gesto foi espontâneo e contou com a participação de diversos jovens do coletivo que deram um belo exemplo de carinho a diversas mães.

Opinião -


Edição 1889
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras