Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

12/05/2017 - opiniao /Edição 1832
Nestes tempos difíceis de pavor e crimes por toda cidade é aconselhável tomar muito cuidado nas ruas e orar a Deus para interceder pela segurança do povo carioca. Não existem perspectivas e prazos para que o cenário se modifique. Nem os profissionais de segurança mais otimistas enxergam quando será possível novamente andar com segurança em nossa cidade maravilhosa.
 
As organizações policiais encontram a cada dia maiores dificuldades para combater o crime que agora está literalmente nas ruas. As cenas exibidas pela imprensa revelam uma grandiosidade de acontecimentos criminosos e atos de selvageria só comparados com os vividos atualmente pelos países em guerra, cuja quantidade de mortes quase nos igualamos.
 
A covardia dos criminosos atingiu níveis inimagináveis contra vítimas indefesas e desprotegidas. Na Ilha, há cerca de 40 anos atrás, quando foi criado o 17º Batalhão de Policia Militar, instalado no Zumbi, a tropa de agentes era de 1.100 homens enquanto a população atingia pouco mais de 100 mil pessoas.
 
Atualmente a população da Ilha do Governador aumentou para quase 300 mil habitantes, enquanto o número de policiais militares do nosso batalhão de polícia militar diminuiu para cerca de 300 policiais. Explica-se com esses números o aumento da criminalidade na região e, provavelmente em toda cidade, admitindo que o mesmo descompasso aconteceu nas outras regiões do estado.
 
Se, há quatro décadas havia na Ilha, um policial para cada grupo de 100 habitantes, hoje só existe um PM para cada grupo de 1 mil pessoas. É gigantesca a diferença e, pelo andar das políticas públicas de segurança, absolutamente nada foi planejado para mudar essa realidade, cujas vítimas são principalmente os cidadão honestos e trabalhadores. É uma tragédia cujas vítimas somos todos nós que vivemos absolutamente desprotegidos.




Veja Também

Opinião - O preço e a falta de tempo de tolerância nos dois principais estacionamentos localizados na Estrada do Galeão, em frente ao Extra e ao Mc’Donalds, continuam a indignar os motoristas insulanos. É incrível a falta de bom senso dos concessionários que exploram o espaço da prefeitura e de modo injusto prejudicam a vida de muitos insulanos.

Opinião - Estou preocupado com a proximidade do verão e a fragilidade financeira do estado para evitar possíveis catástrofes geradas pelas tempestades próprias da estação. A anemia dos cofres públicos também deve estar atingindo os órgãos de defesa civil e bombeiros. Desconfio e tenho medo de admitir que a provável realidade dos quarteis, seja a mesma dos outros órgãos que vivem com salários atrasados, desmotivados e sem a necessária manutenção e renovação de equipamentos.

Opinião - Considerando as declarações do Ministro da Justiça, Torquato Jardim, o crime organizado tomou conta do nosso estado e, segundo ele o envolvimento de políticos e policiais com as facções criminosas é a razão da grave crise de violência cuja vítima é a população.

Opinião - Estou convencido que devemos lutar para que a Ilha seja uma região diferenciada e o argumento, por exemplo, de que problemas como a falta de segurança, carros em cima de calçadas e a desordem no sistema de transporte alternativo realizado por vans, são problemas que também existem em outros lugares, mas isso não justifica que continuem a existir por aqui.

Opinião - O aumento do clima de insegurança nas imediações da Vila Joaniza ou do Morro do Barbante e Itacolomi está colocando em pânico os moradores das redondezas. Nesta semana, agentes da secretaria de urbanismo e habitação que foram na comunidade verificar problemas em obras públicas que estão sendo executadas, ficaram encurralados durante uma troca de tiros entre bandidos e policiais.

Opinião - Quem não tem talento para criar belas obras de arte, exibe o melhor de si através de figuras grotestas e desrespeitosas para chocar o público, como o conjunto de podridão cultural com cenas de zoofilia, pedofilia e blasfêmia expostas há poucos dias no Queermuseu, do Santander, em Porto Alegre.


Edição 1859
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.