Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

12/05/2017 - opiniao /Edição 1832
Nestes tempos difíceis de pavor e crimes por toda cidade é aconselhável tomar muito cuidado nas ruas e orar a Deus para interceder pela segurança do povo carioca. Não existem perspectivas e prazos para que o cenário se modifique. Nem os profissionais de segurança mais otimistas enxergam quando será possível novamente andar com segurança em nossa cidade maravilhosa.
 
As organizações policiais encontram a cada dia maiores dificuldades para combater o crime que agora está literalmente nas ruas. As cenas exibidas pela imprensa revelam uma grandiosidade de acontecimentos criminosos e atos de selvageria só comparados com os vividos atualmente pelos países em guerra, cuja quantidade de mortes quase nos igualamos.
 
A covardia dos criminosos atingiu níveis inimagináveis contra vítimas indefesas e desprotegidas. Na Ilha, há cerca de 40 anos atrás, quando foi criado o 17º Batalhão de Policia Militar, instalado no Zumbi, a tropa de agentes era de 1.100 homens enquanto a população atingia pouco mais de 100 mil pessoas.
 
Atualmente a população da Ilha do Governador aumentou para quase 300 mil habitantes, enquanto o número de policiais militares do nosso batalhão de polícia militar diminuiu para cerca de 300 policiais. Explica-se com esses números o aumento da criminalidade na região e, provavelmente em toda cidade, admitindo que o mesmo descompasso aconteceu nas outras regiões do estado.
 
Se, há quatro décadas havia na Ilha, um policial para cada grupo de 100 habitantes, hoje só existe um PM para cada grupo de 1 mil pessoas. É gigantesca a diferença e, pelo andar das políticas públicas de segurança, absolutamente nada foi planejado para mudar essa realidade, cujas vítimas são principalmente os cidadão honestos e trabalhadores. É uma tragédia cujas vítimas somos todos nós que vivemos absolutamente desprotegidos.




Veja Também

Opinião - José Richard - A comunidade da Ilha do Governador sofreu bastante com o forte temporal que atingiu a região na quinta, dia 15. As autoridades atualizaram para 255 a quantidade de árvores que foram derrubadas pela forção da ventania e o trabalho de normalização das vias e calçadas só deve chegar ao fim nos próximos dias.

Opinião - José Richard - Essa terrível tempestade que desabou na cidade e principalmente na Ilha do Governador, na madrugada da quinta-feira (15), deixou nossa terra arrasada. Quase 200 árvores gigantes, algumas centenárias, foram arrancadas do solo como se fossem de papel.

Opinião - José Richard - Essa terrível tempestade que desabou na cidade e principalmente na Ilha do Governador, na madrugada da quinta-feira (15), deixou nossa terra arrasada. Quase 200 árvores gigantes, algumas centenárias, foram arrancadas do solo como se fossem de papel.

Opinião - José Richard - Há algum tempo quando a Ilha era uma região mais tranquila, havia uma cabine da Polícia Militar localizada no canteiro central entre o Casa Show e a passarela. Nela trabalhava o cabo Afonso, PM que por muitos anos foi uma das pessoas mais conhecidas e respeitadas da Ilha em razão da admiração que conquistou, por sua educação e integridade. Simbolizava a presença da lei e era respeitado por todos.

Opinião -

Opinião - Esta semana a imprensa divulgou a estatística de 2017 referente as multas de trânsito aplicadas em vans, da cidade do Rio de Janeiro, no ano passado, e a Ilha do Governador foi a região campeã com 787 infrações das 3.580 aplicadas na cidade. Superamos bairros como Madureira 387, Barra da Tijuca 182 e Bangu com 98 multas. Essa diferença vergonhosa revela, aquilo que a população constata e sofre diariamente nas ruas diante da bagunça generalizada provocada pela maioria das vans que circulam nas ruas da Ilha.


Edição 1873
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras