Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Opinião

10/03/2017 - opiniao /Edição 1823
Tenho que tirar o chapéu para o pessoal da Ribeira e do Zumbi em matéria de animação para o Carnaval. Foram treze blocos que se apresentaram durante os dias de carnaval nas ruas desses dois bairros. A Praça Iaiá Garcia foi o palco principal, cenário de início, passagem ou fim dos desfiles. Em alguns dias mais de um bloco desfilou pela região e o ritmo da alegria não foi prejudicado, pelo contrário, muitos foliões se esgotaram pulando nos dois. Teve gente que começou de manhã e só parou à noite.
 
Felizmente o clima de paz predominou durante todos os dias. A característica e diferença de cada bloco tornou cada desfile uma novidade. Enquanto Os 20 de Ouro do Mestre Odilon exibiu uma bateria formada por grandes nomes das principais escolas de samba da cidade, o Batuke de Batom, que se caracteriza pela união das diferenças, lembrou figuras infantis como o Sacy Pererê. Já o Vermelho e Branco foi a
marca da imponência e tomou conta de muitas ruas com o recorde de público e a fama de ser o maior de todos.
 
Até o som do rock teve espaço com a apresentação do bloco Block’Roll. A turma do ritmo pesado marcou presença exibindo um potente som que contagiou centenas de foliões roqueiros que curtiram durante a tarde e noite da terça de carnaval na praça. O reinado de Momo é democrático e mesmo quem normalmente prefere ritmos diferentes se divertiu com o som alucinante do rock.
 
Os moradores do itinerário dos desfiles sofreram um pouco, mas muitos entraram no clima e se animaram nas sacadas aplaudindo os blocos. Já os comerciantes festejaram a fantástica massa de público que durante todo o carnaval movimentou os negócios. Finalmente, parabéns aos dirigentes dos blocos e aos foliões que realizaram um dos carnavais mais divertidos dos últimos tempos.



Veja Também

Opinião - Quem não tem talento para criar belas obras de arte, exibe o melhor de si através de figuras grotestas e desrespeitosas para chocar o público, como o conjunto de podridão cultural com cenas de zoofilia, pedofilia e blasfêmia expostas há poucos dias no Queermuseu, do Santander, em Porto Alegre.

Opinião - A vasta área desabitada que separa a comunidade do Parque Royal até o bairro de Tubiacanga é um desafio para as autoridades, sobretudo agora, após o reconhecimento de parte da região como bairro. A estrada que faz a ligação entre os dois pontos é de quase um quilômetro e não tem nenhuma iluminação. Transitar à noite de carro é para corajosos, como são os moradores de Tubiacanga. À pé, só os abençoados que frequentam o monte de orações, ao lado da via.

Opinião - Duas notícias nessa semana revelam o quadro de degradação moral que uma minoria de um lado e os criminosos de outro, querem obrigar os brasileiros a acharem normal, embora as consequências sejam nefastas.

Opinião - O deslocamento de agentes do Grupo de Motopatrulhamento da Guarda Municipal, a partir desta quinta (14), para realizar patrulhamento diário nas ruas da Ilha do Governador, como destaca matéria nesta edição do Ilha Notícias, traz um alento de esperança para a população que vive assustada diante do inacreditável aumento da insegurança nas ruas da região.

Opinião - Criado para ser o porta voz da Ilha do Governador, o jornal Ilha Notícias completa neste mês de setembro 41 anos de existência mantendo os mesmos princípios e valores de quando foi fundado em 1976. Pode-se dizer que a história da Ilha do Governador das últimas quatro décadas está contada nas páginas das 1849 edições do jornal que já circularam até hoje. Cada uma dessas edições representa um capítulo dessa história que relata os acontecimentos mais importantes da semana na região. No futuro, certamente será importante fonte de consulta para pesquisadores. O Ilha Notícias conquistou a co

Opinião - A Ilha do Governador comemora em setembro, especialmente no dia 5, seus 450 anos. O marco dessa contagem começou em 1567 quando Mem de Sá doou ao sobrinho, o governador Moraes de Sá, as terras da Ilha. Daí em diante, diz a história, por cerca de quatro séculos o progresso na região antes ocupada por índios, foi lento e passou por etapas interessantes quando, por exemplo, se destacava como um próspero canavial e pela visita ocasional de D. Pedro I, que vinha banhar-se na biquinha da Praia da Bica depois das caçadas pela região.


Edição 1854
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.