Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
orkut
blogger

Karen já passou em 11 concursos

23/03/2012 - noticias /Edição 1564

Quando decidiu entrar na acirrada disputa por uma vaga em um cargo público, a contadora insulana Karen Mancini não imaginou o sucesso que a vida como concurseira ia lhe trazer. Com 27 anos, a insulana já foi aprovada em 11 concursos públicos e com a sua experiência se dedica a dar aulas para quem sonha com uma aprovação.

 

De família humilde, Karen conta que trancou a faculdade de economia na UFF em busca de uma estabilidade financeira. "Estava no 6º período, mas tinham muitas greves na faculdade e eu queria trabalhar logo. A minha irmã deu a ideia de entrarmos para um cursinho e tentar vagas em cargos públicos, resolvi me arriscar", conta Karen que é moradora do Cocotá. Aos 20 anos, ela se matriculou em um curso na Academia do Concurso e logo no primeiro desafio conseguiu aprovação para técnica administrativa da Eletrobrás.

 

– Foi uma preparação de dois meses e na época tentei nível médio já que eu não era formada. A aprovação foi um estímulo enorme. Percebi que era uma questão de foco, organização e de ter uma rotina com os estudos – dá a dica.

 

Karen explica que um dos benefícios de trabalhar na Eletrobrás era a oportunidade de ter os estudos universitários financiados e aproveitou a chance para assim continuar estudando e no futuro conseguir uma vaga em um cargo de nível superior. "Eu não já não estava mais interessada no curso da UFF e me matriculei na primeira turma de Ciências Contábeis da Fabec, que era a faculdade da Academia do Concurso. Durante a faculdade tive aulas especiais para prestar concursos e passei para dois deles de nível superior. Assim que me formei fui chamada para ser a auditora da UniRio e depois trabalhei como contadora na Cedae", conta.

 

Boa aluna, Karen recebeu convite de um professor para assumir três disciplinas na Fabec, onde se formou. "Fiquei empolgada com o convite porque estudar e viver toda a expectativa se tornou uma parte feliz e emocionante da minha vida. Dando aulas, eu descobrir um novo prazer e vibro com cada aluno que atinge o objetivo", comenta.

 

É claro que nem tudo foi assim tão fácil. Karen conta que sacrificou muitas finais de semana de lazer para se dedicar aos conteúdos das provas e ainda viveu um momento difícil quando a mãe sofreu um infarto no dia da prova para a Polícia Civil. "A vaga de investigador da Polícia Civil era um sonho para minha irmã Caroline e estudávamos juntas. No dia da prova minha mãe passou mal, deixamos ela no hospital e fomos para a prova, porque ela não queria que deixássemos de fazer. Infelizmente minha irmã não passou", lamenta.

 

Karen foi aprovada nos concursos para Eletrobrás, Controladoria Geral do Município, Unirio, Dataprev, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Tribunal de Justiça de São Paulo, Cedae, Analista de Sistema do Ministério Público da União, Polícia Civil, Analista de Planejamento da Comissão de Valores Mobiliários e na Finep (financiadora de estudos e projetos), que é o seu atual emprego como auditora e contadora com o salário de R$ 8 mil por mês.

 

Além das aulas na Fabec, Karen abriu o seu próprio curso no ano passado, o Mancini Módulos. Ela também dá aulas através de vídeos para o site Concurso Virtual, que é acessado por concurseiros de todo Brasil. Casada há cinco anos, conta que o segredo para ter tempo de se dedicar a tudo é a organização e diz que não pretende parar. "Em junho ainda faço a prova para o Tribunal Superior Eleitoral, que é o meu grande sonho. Com persistência e disciplina todos podem chegar lá", garante.




Veja Também

Estudantes correm risco em atalho - Pais de alunos que estudam na Escola Municipal Álvaro Moreira, no Jardim Guanabara estão preocupados com a insegurança na servidão que liga a Rua Abélia à Estrada do Galeão. Segundo os responsáveis das crianças, moradores do bairro e funcionários da escola, o acesso é habitualmente frequentado por usuários de drogas à noite.

Mutirão retira lixo da Engenhoca - A Praia da Engenhoca foi o local escolhido para mais uma ação de retirada de detritos promovida pelo Projeto Hippocampus, que contou, desta vez, com o apoio dos alunos do curso de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicase de pós-graduação em Biologia Marinha e Conservação do Meio Ambiente da Universidade Iguaçu (UNIG).

Vans proibidas na linha Bonsucesso - Consequência da implantação de um novo sistema de transporte público local (STPL), idealizado pela prefeitura e coordenado pela Secretaria Municipal de Transportes, as kombis e vans que faziam trajetos para os bairros de Bonsucesso, Vila da Penha e Vila Kosmos, não podem mais fazer esse itinerário.

Caminhada pelos autistas reúne 2 mil - A segunda caminhada pela conscientização e direitos do autista realizada na Praia da Bica, no último domingo (12) superou as expectativas dos organizadores.Cerca de duas mil pessoas participaram do evento que começou perto da tradicional biquinha com a execução do hino nacional.Segundo a fundadora do Grupo Compartilha, Elaine Brandão, foi um dia de vitória para a causa do autismo.

Mato e drogados tomam conta de praça - A praça localizada aos fundos do Ilha Plaza Shop- ping e distante apenas uma quadra da sede da subprefeitura está completamente abandonada. O mato já ocupou o lugar da grama e da rua não é possível visualizar os brinquedos e o campo de futebol. Para os moradores, a praça é um dos maiores problemas do bairro Nova Morada. Além de abandonada e sem nenhuma ação de conservação é, segundo moradores, habitualmente frequentada por usuários de drogas. À noite se torna uma espécie de motel a céu aberto.

Mobilidade urbana é um caos na Ilha - Os moradores da Ilha que dependem de transporte público vivem reclamando da baixa qualidade do serviço, sobretudo, os que utilizam os ônibus. Segundo os usuários são ônibus velhos, sucateados, sujos, com baratas, sempre cheios e quentes. Os protestos não param por aí. De acordo com Lorrayne dos Santos, moradora da Vila Joaniza e que trabalha no Centro é comum às conduções passarem lotadas, geralmente excedendo a capacidade limite permitida.


Edição 1725
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Poll ID 0 does not exist.


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.