Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Crise naval mantém Eisa fechado

11/10/2018 - noticias /Edição 1906
Enferrujando nas águas da Baía de Guanabara, três navios são o símbolo da crise que quebrou o Estaleiro Eisa. Os navios fazem parte de encomendas ao estaleiro, que por falta de pagamento ou quebra de contrato, tiveram a construção suspensa, gerando prejuízos sem precedentes para o estaleiro. Atualmente a empresa, passa por recuperação judicial e tenta se reerguer.
 
Uma das embarcações é o Abreu e Lima, encomendado pela companhia petroleira estatal venezuelana PDVSA, lançado ao mar em 2009 para a instalação dos últimos equipamentos e acabamentos final. Entretanto com a crise na Venezuela, ainda no governo de Hugo Chaves, os pagamentos foram suspensos e o gigante de 182 metros de comprimento e capacidade para transportar 340 mil barris de derivados de petróleo, não saiu do lugar. 
 
Outro navio abandonado é o porta-contêiner Jequitibá, encomendado pela empresa brasileira Log-in com 218,45m de comprimento e 38 mil toneladas de porte bruto. A empresa cancelou o contrato após o estaleiro entrar em processo de recuperação judicial. O navio está ancorado aguardando comprador.
 
O recorde de espera é de um navio de cor cinza, ainda sem nome e inacabado. A embarcação teria sido encomendado pela empresa Frota Oceânica Brasileira, que não atua mais no Brasil e está no local há mais de 20 anos. A empresa fez o pedido usando o banco BNDES como financiadora, mas parou de pagar e o navio passou para o banco que também não pagou. No dia 25 de setembro deste ano, a embarcação foi a leilão e o comprador deve dar um destino à embarcação nos próximos meses. 
 
Segundo o consultor da Eisa, Milton Branquinho, a empresa aguarda a mudança de governo na expectativa de novas políticas públicas que incentivem e ajudem a aquecer o mercado da construção naval. A empresa precisa de novas encomendas para pagar suas dívidas trabalhistas e, quem sabe, recontratar os mais de três mil funcionários que foram demitidos.
 
Os navios seguem no local, acumulando água parada e preocupando moradores do entorno, que os apelidaram de Sucatão. Na tempestade de 15 de fevereiro deste ano, as três embarcações se soltaram e ficaram à deriva, sendo resgatas por rebocadores da empresa.  
 
Aos antigos funcionários sobra a esperança que um dia recebam seus direitos e que até consigam voltar a trabalhar na empresa. Boa parte eram moradores da região e com o encerramento das atividades do estaleiro foi gerado um impacto negativo na economia da região.  




Veja Também

Radar vai identificar poluição na baía - Um radar marítimo de fabricação norueguesa está sendo desenvolvido e adaptado por pesquisadores da Coppe UFRJ e da UFF com a finalidade de reduzir os impactos ambientais na Baía de Guanabara. O sistema consegue detectar com precisão a localização de resíduos despejados nas águas da baía, facilitando e agilizando as ações para reduzir os impactos ambientais. A prioridade é instalar o sistema nas regiões portuárias, para também identificar possíveis vazamentos de óleo das embarcações.

Lusa é o clube que mais cresce na Ilha - A Associação Atlética Portuguesa não para de crescer na região e aos 94 anos de fundação, o clube investe para proporcionar bem estar aos seus associados e visitantes, especialmente à criançada e a turma da melhor idade. Com mensalidades acessíveis e aberto de terça a domingo, a Portuguesa oferece atividades físicas, de lazer e entretenimento para a região.

ONG Solidariedade completa 15 anos - O Grupo da Solidariedade é uma entidade sem fins lucrativos, idealizado e fundado pela professora insulana Fátima Vasconcellos, em 2003. Em setembro, o Solidariedade completou quinze anos e se destaca como uma das instituições mais atuantes e sérias da cidade, atendendo gratuitamente centenas de famílias da região.

Contenção desmorona na Praia da Rosa - A calçada da Praia da Rosa, a partir do Estaleiro Eisa no trecho que vai até a Rua Manoel Pereira da Costa, está praticamente destruída e com muita sujeira. Parte do muro de contenção caiu, devido a ação das marés, e levou junto diversos pedaços da calçada, tornando impossível transitar por conta de buracos e o estacionamento irregular de carros.

Veja a votação dos candidatos da Ilha - Durante quatro edições o Ilha Notícias publicou a foto e um resumo das propostas de 12 candidatos a Deputado Federal e de 13 candidatos a Deputado Estadual que vivem na Ilha. Apurados os votos nenhum deles conseguiu alcançar a quantidade suficiente para ser eleito. A votação ao lado do nome dos candidatos se refere à votação total obtida em todas as urnas do Estado.


Edição 1906
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras