Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Crise naval mantém Eisa fechado

11/10/2018 - noticias /Edição 1906
Enferrujando nas águas da Baía de Guanabara, três navios são o símbolo da crise que quebrou o Estaleiro Eisa. Os navios fazem parte de encomendas ao estaleiro, que por falta de pagamento ou quebra de contrato, tiveram a construção suspensa, gerando prejuízos sem precedentes para o estaleiro. Atualmente a empresa, passa por recuperação judicial e tenta se reerguer.
 
Uma das embarcações é o Abreu e Lima, encomendado pela companhia petroleira estatal venezuelana PDVSA, lançado ao mar em 2009 para a instalação dos últimos equipamentos e acabamentos final. Entretanto com a crise na Venezuela, ainda no governo de Hugo Chaves, os pagamentos foram suspensos e o gigante de 182 metros de comprimento e capacidade para transportar 340 mil barris de derivados de petróleo, não saiu do lugar. 
 
Outro navio abandonado é o porta-contêiner Jequitibá, encomendado pela empresa brasileira Log-in com 218,45m de comprimento e 38 mil toneladas de porte bruto. A empresa cancelou o contrato após o estaleiro entrar em processo de recuperação judicial. O navio está ancorado aguardando comprador.
 
O recorde de espera é de um navio de cor cinza, ainda sem nome e inacabado. A embarcação teria sido encomendado pela empresa Frota Oceânica Brasileira, que não atua mais no Brasil e está no local há mais de 20 anos. A empresa fez o pedido usando o banco BNDES como financiadora, mas parou de pagar e o navio passou para o banco que também não pagou. No dia 25 de setembro deste ano, a embarcação foi a leilão e o comprador deve dar um destino à embarcação nos próximos meses. 
 
Segundo o consultor da Eisa, Milton Branquinho, a empresa aguarda a mudança de governo na expectativa de novas políticas públicas que incentivem e ajudem a aquecer o mercado da construção naval. A empresa precisa de novas encomendas para pagar suas dívidas trabalhistas e, quem sabe, recontratar os mais de três mil funcionários que foram demitidos.
 
Os navios seguem no local, acumulando água parada e preocupando moradores do entorno, que os apelidaram de Sucatão. Na tempestade de 15 de fevereiro deste ano, as três embarcações se soltaram e ficaram à deriva, sendo resgatas por rebocadores da empresa.  
 
Aos antigos funcionários sobra a esperança que um dia recebam seus direitos e que até consigam voltar a trabalhar na empresa. Boa parte eram moradores da região e com o encerramento das atividades do estaleiro foi gerado um impacto negativo na economia da região.  




Veja Também

Serão três dias de folia para a criançada na quadra coberta da Lusa - Dia 4/3 – Segunda Banda Polvo da Ilha – Concentração às 9h – Praça Iaía Garcia – Ribeira Banda Inimigos da Bebida – Concentração às 10h – Praça Comandante Nelson Megé, próximo ao Fórum da Ilha – Cocotá Banda Seca Copo – Concentração às 13h – Rua do Monjolo – Pitangueira GRBC Acabou o Amor – Concentração às 18h – Rua Domingos Mondim – Tauá

Resgatista insulano participou das buscas na tragédia em Brumadinho - A tragédia que atingiu a cidade de Brumadinho, em Minas Gerais, revelou diversos heróis que se deslocaram de diversas partes do Brasil, e do mundo, para ajudar as vítimas da tragédia. Entre os voluntários estava o veterinário insulano, Alexandre Calmon, que é adestrador e participa de uma organização de resgate com cachorros em desastres.

Carnaval agita Cacuia, Cocotá e Zumbi - Celeiro de grandes sambistas e berço da União da Ilha, o bairro do Cacuia conseguiu a oficialização do Carnaval este ano e, ao lado do Cocotá e do Zumbi, terão o apoio e suporte da Prefeitura com estruturas de palco, iluminação, som e banheiros químicos para a alegria dos foliões insulanos.

Estrada para Tubiacanga está pronta - As obras na estrada que liga ao bairro de Tubiacanga, realizada pela RioGaleão, foram concluídas e contam com grades que cercam a pista, ciclovia, guarita com cancelas e seguranças que se revezam no local. As obras, além de melhorar o acesso à Tubiacanga, também foram uma medida para evitar o aumento da invasão ao lado do posto do Detran, no início da estrada.

Alagamentos atormentam moradores - As ruas Caricé, Capanema, Max Yantok, Eutíquio Soledade, Gipóia, Benedito Patrício e adjacentes, no Tauá, sofrem há anos com os alagamentos em épocas de chuvas mais fortes. Segundo a prefeitura, um dos maiores problemas é que o local fica próximo ao nível do mar e a movimentação das marés dificulta o escoamento das águas pelo canal da Av. Ilha das Enxadas, nos Bancários, que liga as galerias de águas pluviais ao mar. O superintendente da Ilha Daniel Balbi, informou que após a chuva de quarta (13), que culminou no alagamento de diversas ruas do Tauá, pediu à Rio Águas a limpeza no canal dos Bancários para melhorar a fluidez no valão e dar um escoamento mais rápido às águas nas ruas alagadas. Na quinta-feira (14) operários da prefeitura finalizaram a limpeza.

Prefeitura começa a desassorear o rio jequiá - Para melhorar o escoamento das águas nos dias de chuva, equipe da prefeitura utilizou retroescavadeira para aumentar a profundidade do Rio Jequiá no trecho atrás da Vila Olímpica.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras