Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

A Mãe e matriarca de cinco gerações

11/05/2018 - noticias /Edição 1884
A Ilha do Governador esconde personagens pitorescos com histórias de vida impressionantes e que inspiram. A insulana Celina Barbosa é um desses personagens inspiradores. Com 103 anos ela se dedica desde a infância ao trabalho e se orgulha de ter criado duas filhas, os cinco netos, os dezoito bisnetos, nove trinetos e o primeiro tetranetos.
 
Nascida na cidade de Araruama em 15 de fevereiro de 1915, Celina se mudou, com a mãe Luisa Barbosa, para a região aos 5 anos de idade. Da infância ela lembra que a maioria dos lugares da Ilha eram apenas matagal e barro. Desde pequena começou a trabalhar, nunca foi à escola e até hoje é analfabeta.
 
— Quando cheguei aqui com a minha mãe, minhas tias já me colocaram para trabalhar em casa de família. Os meus irmãos foram para a escola e eu sempre pedia para ir, queria muito estudar, mas minhas tias falavam que meu lugar era com a lata d’agua na cabeça. Eu morava lá na Grota, um terreno de chão de barro e vi todo o início desta comunidade.
 
Celina teve duas filhas Francelina Santos  e Maria Luisa que faleceram antes dos 50 anos, e ela foi criando os cinco netos como uma mãezona. “Foi muito difícil perder as minhas filhas. Até hoje eu sinto saudades, mas eu não podia me deixar vencer, tinha essa meninada toda pra criar. Até hoje eles são a minha alegria, minha família e o bem mais precioso que tenho.” 
Na década de 60, ao voltar de um dia de trabalho e com muita chuva, sua casa desmoronou e por pouco não a levou junto. “Tive que recomeçar tudo do zero, foi um momento difícil, mas nunca fiquei desamparada, pois meu marido e eu tínhamos muitos amigos que nos ajudaram.”
A matriarca tem orgulho de suas origens de sangue africano e acredita que é dai que vem toda a sua força. “Meu avô foi escravo e trabalhou metade da vida em uma senzala. Minha avó, também escrava, servia a família Real, diretamente a princesa Isabel. Mais tarde, com a Lei Aúrea, ganhou das mãos dela a alforria.”
O neto mais velho Jorge Luis, 64, tem orgulho de ter sido criado pela avó, que até hoje ela lhe ensina muitas coisas. “As pessoas se surpreendem, pois ela é lúcida e cheia de disposição. Quer cozinhar pra todo mundo, gosta de brincar com as pessoas que passam na rua, tem uma vida muito alegre e ainda é fã de uma cachacinha " disse Jorge.
 
Sobre o segredo da longevidade e de toda a disposição Celina garante: “A fidelidade a Deus! Sem Ele eu não chegaria até aqui”. Celina ficou viúva aos 85 anos e a única tristeza em tanto tempo de vida é a saudade de todos que já viveram ao seu lado.
 
A melhor lembrança da região são os bailes de forró durante a adolescência e a amizade com o detetive Chagas da 37ª DP que a ajudou quando ficou desempregada por um período e a colocou para trabalhar em sua casa. Celina adora quando o bisneto Wallace a leva para eventos no Clube dos Sargentos. Atualmente é a sua maior diversão. 
 
Matriarca de cinco gerações, que já viveu grandes momentos da humanidade e todas as transformações do mundo industrial e tecnológico, Celina dedicou a vida ao trabalho e a criação dos filhos de sangue e do coração. Para registrar o Dia das Mães deste ano, o Ilha Notícias escolheu um exemplo de mulher e mãe batalhadora. Com 103 anos de idade é exemplo pela serenidade, carinho e responsabilidade com a sua família.
 
Parabéns, dona Celina!!!




Veja Também

Serão três dias de folia para a criançada na quadra coberta da Lusa - Dia 4/3 – Segunda Banda Polvo da Ilha – Concentração às 9h – Praça Iaía Garcia – Ribeira Banda Inimigos da Bebida – Concentração às 10h – Praça Comandante Nelson Megé, próximo ao Fórum da Ilha – Cocotá Banda Seca Copo – Concentração às 13h – Rua do Monjolo – Pitangueira GRBC Acabou o Amor – Concentração às 18h – Rua Domingos Mondim – Tauá

Resgatista insulano participou das buscas na tragédia em Brumadinho - A tragédia que atingiu a cidade de Brumadinho, em Minas Gerais, revelou diversos heróis que se deslocaram de diversas partes do Brasil, e do mundo, para ajudar as vítimas da tragédia. Entre os voluntários estava o veterinário insulano, Alexandre Calmon, que é adestrador e participa de uma organização de resgate com cachorros em desastres.

Carnaval agita Cacuia, Cocotá e Zumbi - Celeiro de grandes sambistas e berço da União da Ilha, o bairro do Cacuia conseguiu a oficialização do Carnaval este ano e, ao lado do Cocotá e do Zumbi, terão o apoio e suporte da Prefeitura com estruturas de palco, iluminação, som e banheiros químicos para a alegria dos foliões insulanos.

Estrada para Tubiacanga está pronta - As obras na estrada que liga ao bairro de Tubiacanga, realizada pela RioGaleão, foram concluídas e contam com grades que cercam a pista, ciclovia, guarita com cancelas e seguranças que se revezam no local. As obras, além de melhorar o acesso à Tubiacanga, também foram uma medida para evitar o aumento da invasão ao lado do posto do Detran, no início da estrada.

Alagamentos atormentam moradores - As ruas Caricé, Capanema, Max Yantok, Eutíquio Soledade, Gipóia, Benedito Patrício e adjacentes, no Tauá, sofrem há anos com os alagamentos em épocas de chuvas mais fortes. Segundo a prefeitura, um dos maiores problemas é que o local fica próximo ao nível do mar e a movimentação das marés dificulta o escoamento das águas pelo canal da Av. Ilha das Enxadas, nos Bancários, que liga as galerias de águas pluviais ao mar. O superintendente da Ilha Daniel Balbi, informou que após a chuva de quarta (13), que culminou no alagamento de diversas ruas do Tauá, pediu à Rio Águas a limpeza no canal dos Bancários para melhorar a fluidez no valão e dar um escoamento mais rápido às águas nas ruas alagadas. Na quinta-feira (14) operários da prefeitura finalizaram a limpeza.

Prefeitura começa a desassorear o rio jequiá - Para melhorar o escoamento das águas nos dias de chuva, equipe da prefeitura utilizou retroescavadeira para aumentar a profundidade do Rio Jequiá no trecho atrás da Vila Olímpica.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras