Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
orkut
blogger

Gente da Ilha - Maria Fernandes Caldas

13/07/2012 - gente-da-ilha /Edição 1580

 

Grupo Amor e Caridade, o encontro da fé

Quando Maura Fernandes Caldas saiu de Campos Elíseos, em São Paulo, cidade onde nasceu, para se mudar com o marido e os cinco filhos para a Ilha do Governador, não imaginava o quanto sua vida ia mudar. Maura tinha apenas 26 anos quando se instalou em uma casa na Rua Comendador Bastos e se encantou com a beleza da Praia da Guanabara, ainda despoluída. Na região, ela trabalhou como sacoleira para ajudar no sustento da família e desenvolve há 50 anos um trabalho social com o Grupo Espírita Amor e Caridade.
 
Aos 76 anos, Maura conta que a ideia de se mudar para a Ilha foi do falecido marido, José Ferreira Caldas, que buscava um lugar que fosse calmo e trouxesse benefícios para a saúde e proximidade com o mar. 
 
– José era carioca e quis voltar para cá. Quando chegamos aqui na Ilha o transporte era feito por duas linhas de bondes, havia cinemas de rua e as praias eram lindas. Meus cinco filhos cresceram brincando no mar– lembra Maura que é mãe de Sérgio Mauro, Terezinha e José Ferreira Caldas Filho. Maura perdeu dois filhos: Paulo Cesar e Fátima Maria. 
 
Com 33 anos, Maura ficou viúva e para ajudar nas despesas em casa, começou a trabalhar na região vendendo roupas, jóias e produtos da Avon. 
 
– Eu andava com uma bolsa de produtos da Freguesia até o Boogie Woogie. No começo foi difícil, mas depois fiz uma clientela boa. As jóias, um joalheiro de Copacabana trazia para eu revender. Foram 20 anos trabalhando como sacoleira – conta Maura.
O trabalho com o grupo espírita surgiu em um momento de dificuldade com uma das filhas, a Fátima Maria. “Fátima teve um problema de saúde e os médicos diziam que ela precisava operar o coração. Nesta época a medicina não era tão avançada e uma operação desta representava risco de vida. Rezava dia e noite pela saúde da minha filha e procurei diversos tipos de ajuda, até chegar a um centro espírita Ubandista. As energias eram muito fortes e poderosas, vi minha filha se curar e fundei um grupo espírita”, explica Maura que mora junto à sede do grupo que fica na Rua Paraim, 214, na Freguesia.
 
O grupo que funciona há 50 anos faz ações de caridade em apoio à famílias necessitadas que precisem de ajuda como cestas básicas e roupas, além de oferecer reuniões de cura e ajuda espiritual.
 
– Acredito em um Deus único e sou muito religiosa e feliz com a minha fé no espiritismo. Este trabalho preenche minha alma e meu coração de felicidade. Tudo que posso fazer para ajudar e dividir o que eu tenho com quem precisa, eu faço – garante Maura.
 
O grupo recebe centenas de pessoas nas reuniões realizadas de 15 em 15 dias e nas datas festivas durante o ano como em outubro, no mês das festas das crianças e no Natal, em dezembro. “Agradeço por conseguir ajudar tantas pessoas que me procuram para obter paz, cura espiritual e proteção. Elas são nossas parceiras para auxiliar as famílias carentes”, diz Maura que conta com a ajuda também de uma equipe de amigos e de seu companheiro João Antônio. “Há 12 anos que ele está ao meu lado como companheiro e amigo cuidando de mim e do grupo”, diz feliz, com fé no futuro.




Veja Também

Arerê tem ginga e o dom da palavra - Nascido no morro do Juramento, Eraldo Teixeira da Silva tem orgulho de dizer que veio ao mundo pelas mãos de uma parteira em uma casa de estuque há 59 anos passados. Os pais biológicos não tinham condições de criá-lo e logo após o aleitamento passou a ser criado pelos tios paternos

Uma história de vida na Comlurb - O paraibano Fernando Serafim de Oliveira chegou com 17 anos ao Rio de Janeiro em busca de dias melhores. Veio direto para Ilha do Governador e trabalhou na construção civil. Ao completar a maioridade, Fernando alistou-se no exército e serviu a pátria.

Um bom exemplo de sucesso - Carioca nascido no Engenho Novo, Daniel Oliveira dos Santos, 46, não teve quase nenhum contato com o pai, que morreu quando ele tinha um ano. Filho temporão de uma família composta por oito irmãos, o menino sempre teve a mãe Rita Oliveira dos Santos como exemplo de honestidade e perseverança.

Gente da Ilha - Dagoberto Leocádio de Menezes - É possível dizer que ele é um herói, afinal de contas participou da 2ª Grande Guerra Mundial lutando na infantaria brasileira. Com 97 anos, Dagoberto Leocádio de Menezes, morador do Moneró, tem memória de menino, guarda nomes, datas e conta estórias com riqueza de detalhes.

Gente da Ilha - Claudette Ferraz - Ela tem o tom de voz grave e um modo de interpretar canções com uma energia singular. Teve na mãe a grande inspiração para as artes musicais e seu primeiro grupo foi “O Bando”, uma banda montada por um músico que apostava no talento da menina de 16 anos, que encerrava algumas apresentações em bailes. Ao atingir a maioridade, um amigo a convidou para ser a cantora do grupo e após hesitar um pouco, Claudette Ferraz jogou-se de corpo e alma nos palcos da vida. Seu primeiro show foi em um baile promovido pelo Clube Seropédica em 1978 e, nesta época, ela era conhecida com Lady Crooner. Daí em diante, muitas portas se abriram e a jovem promessa da MPB foi amadurecendo suas performances e conquistou seu espaço nas noites do Rio de Janeiro.

Insulano de coração e padre por vocação - Ele tem a fala mansa e pausada e um sotaque conhecido no Brasil como “portunhol”, que seria a fusão do português com o espanhol. Isso porque ele nasceu na Espanha, na cidade de Santander. Recentemente completou 70 anos de idade e, há 46, segue com grande devoção o ofício de ser padre. Aos 11 anos, Carlos Gomez Saez foi para o seminário em Barcelona e, após ser ordenado padre, se tornou professor do seminário onde estudou. E lá ficou durante 15 anos. Sua chegada ao Brasil, em 1986, se deu por conta de um amigo que também era padre em São Paulo.


Edição 1739
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

As vans foram proibidas de fazer o trajeto Ilha x Centro. O que você acha dessa medida?

Concordo. O trânsito precisa ser organizado.
Discordo. O serviço que as vans prestam é essencial.
Já tinham que ter feito isso há muito tempo.
É um absurdo. Os ônibus não dão conta da demanda.


Visualizar Resultados


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.