Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
orkut
blogger

Gente da Ilha - Maria Fernandes Caldas

13/07/2012 - gente-da-ilha /Edição 1580

 

Grupo Amor e Caridade, o encontro da fé

Quando Maura Fernandes Caldas saiu de Campos Elíseos, em São Paulo, cidade onde nasceu, para se mudar com o marido e os cinco filhos para a Ilha do Governador, não imaginava o quanto sua vida ia mudar. Maura tinha apenas 26 anos quando se instalou em uma casa na Rua Comendador Bastos e se encantou com a beleza da Praia da Guanabara, ainda despoluída. Na região, ela trabalhou como sacoleira para ajudar no sustento da família e desenvolve há 50 anos um trabalho social com o Grupo Espírita Amor e Caridade.
 
Aos 76 anos, Maura conta que a ideia de se mudar para a Ilha foi do falecido marido, José Ferreira Caldas, que buscava um lugar que fosse calmo e trouxesse benefícios para a saúde e proximidade com o mar. 
 
– José era carioca e quis voltar para cá. Quando chegamos aqui na Ilha o transporte era feito por duas linhas de bondes, havia cinemas de rua e as praias eram lindas. Meus cinco filhos cresceram brincando no mar– lembra Maura que é mãe de Sérgio Mauro, Terezinha e José Ferreira Caldas Filho. Maura perdeu dois filhos: Paulo Cesar e Fátima Maria. 
 
Com 33 anos, Maura ficou viúva e para ajudar nas despesas em casa, começou a trabalhar na região vendendo roupas, jóias e produtos da Avon. 
 
– Eu andava com uma bolsa de produtos da Freguesia até o Boogie Woogie. No começo foi difícil, mas depois fiz uma clientela boa. As jóias, um joalheiro de Copacabana trazia para eu revender. Foram 20 anos trabalhando como sacoleira – conta Maura.
O trabalho com o grupo espírita surgiu em um momento de dificuldade com uma das filhas, a Fátima Maria. “Fátima teve um problema de saúde e os médicos diziam que ela precisava operar o coração. Nesta época a medicina não era tão avançada e uma operação desta representava risco de vida. Rezava dia e noite pela saúde da minha filha e procurei diversos tipos de ajuda, até chegar a um centro espírita Ubandista. As energias eram muito fortes e poderosas, vi minha filha se curar e fundei um grupo espírita”, explica Maura que mora junto à sede do grupo que fica na Rua Paraim, 214, na Freguesia.
 
O grupo que funciona há 50 anos faz ações de caridade em apoio à famílias necessitadas que precisem de ajuda como cestas básicas e roupas, além de oferecer reuniões de cura e ajuda espiritual.
 
– Acredito em um Deus único e sou muito religiosa e feliz com a minha fé no espiritismo. Este trabalho preenche minha alma e meu coração de felicidade. Tudo que posso fazer para ajudar e dividir o que eu tenho com quem precisa, eu faço – garante Maura.
 
O grupo recebe centenas de pessoas nas reuniões realizadas de 15 em 15 dias e nas datas festivas durante o ano como em outubro, no mês das festas das crianças e no Natal, em dezembro. “Agradeço por conseguir ajudar tantas pessoas que me procuram para obter paz, cura espiritual e proteção. Elas são nossas parceiras para auxiliar as famílias carentes”, diz Maura que conta com a ajuda também de uma equipe de amigos e de seu companheiro João Antônio. “Há 12 anos que ele está ao meu lado como companheiro e amigo cuidando de mim e do grupo”, diz feliz, com fé no futuro.




Veja Também

Ela traz na voz a paz e o amor - Insulana criada no bairro do Cocotá, Léa Mendonça tem profundas raízes na Ilha do Governador, local que ela vive desde o seu nascimento, há 54 anos. De acordo com Léa, em virtude do seu trabalho com a música, houve um tempo que ela pensou em morar fora da Ilha mas desistiu.

A farmácia Capanema é a sua vida - No bairro do Tauá, se alguém perguntar pela farmácia do Silvio, todos vão dizer onde fica. Afinal, são 61 anos desde que a farmácia foi fundada, e nessas seis décadas ajudou a salvar muitas vidas de moradores da região. O proprietário da Farmácia Capanema é Silvio Mendonça Leite, um sujeito de 81 anos, cuja trajetória de vida é marcada por sua personalidade forte e leal. Tem carisma e opinião. É daquelas pessoas que exerce suas atividades profissionais com eficiência e humanidade. Silvio é o personagem deste Gente da Ilha. E ele é gente com G maiúsculo.

O campeão do mundo que mora na Ilha - Nascido no Cacuia, no antigo hospital Paulino Werneck, Paulo Henrique Montez dos Santos tem 45 anos de Ilha do Governador e diz que este é o seu lugar. “Adoro essa região, aqui tenho meus melhores amigos. Nas areias das praias da Bica, Engenhoca e Freguesia, eu aprendi a jogar frescobol. A Ilha me traz segurança e o conforto de um lar”, comenta o descendente de portugueses e nordestinos, mais conhecido como PH.

Um novo teatro na Ilha é a sua meta - Carioca nascido no Rio Comprido e descendente de portugueses, ele começou a estudar teatro para se livrar da timidez que dificultava muito sua vida, inclusive para arrumar namoradas. Quando menino, por volta de 13 anos, a família achava que o jovem seria jogador de futebol, tamanha era sua habilidade com a bola nos pés, chegou a treinar nas divisões de base do Clube da Portuguesa, mas o desejo de ser jogador foi substituído pela magia da encenação, e, sobretudo, pelo poder da literatura.

A bela jornalista que faz sucesso - Ela é atriz, jornalista e apresentadora de programas esportivos na Band. Nascida e criada na Ilha, Larissa Erthal, 32, é sem dúvida uma apaixonada pelo bairro em que vive. Quando criança morava na Freguesia e frequentava a ACM para praticar esportes, hábito que mantém e que de alguma forma influenciou a bela insulana a enveredar nos caminhos do jornalismo esportivo.

Lu comanda os bastidores na União - Desde criança ligada ao samba, Luzinete de Mello Varjão Mota, 49, mais conhecida como Lu, nascida e criada na Ilha do Governador no bairro da Ribeira, aos 10 anos era porta estandarte em um bloco carnavalesco do bairro. Com desenvoltura e talento, a menina foi convidada para ser Porta Bandeira Mirim da União da Ilha. Mas, como era muito jovem e naquele tempo o samba não era visto com bons olhos, a mãe não permitiu, fato que deixou a jovem profundamente triste.


Edição 1729
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Poll ID 0 does not exist.


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.