Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Catito prefere pescar piraúna na Baía

15/02/2019 - gente-da-ilha /Edição 1924
O galo nem sonhou em cantar e Francisco Roberto já está com o material de pesca dentro do barco e os remos nas mãos para navegar pelas águas da Baía de Guanabara, sempre por perto da orla da Ilha do Governador, em busca do sustento da família. Ele sai de madrugada e volta à noite quase sempre com o barco cheio de peixes. Catito, como é conhecido, é pescador experiente e vive há 50 anos da pesca comercial.

Nascido e criado na Ilha, Catito mora no morro do Boogie Woogie desde os primeiros dias de vida. A vocação para a pesca herdou do pai Francisco, que lhe transmitiu o conhecimento, a prática e os segredos do tempo de pescador de jangada na Areia Branca, no Rio Grande do Norte. 

— Comecei a pescar com oito anos pelos ensinamentos do meu pai. Embora ele não quisesse que eu seguisse esse caminho de pescador, acabei me apaixonando pela atividade e logo aos nove anos pegava o barco e remava com dois chinelos na mão pela baía no barco que meu próprio pai deu. 

Não demorou muito para Catito tornar a pesca a sua profissão. Ele dedicou 15 anos da vida em mar aberto, embarcado e conhecendo o Brasil pelo mar. Na Baía de Guanabara conhece praticamente todas as localidades, mas mesmo assim diz que ainda se surpreende com a grande biodiversidade apesar da poluição. 

— Lembro que antigamente quando não existia isopor e saco plástico, não tínhamos tanta poluição. Hoje a questão da falta de disciplina das pessoas atrapalha muito, mas mesmo assim, apesar da baía com todos os problemas, as águas ainda conseguem dar condições para a reprodução de peixes. A natureza é magnífica — diz
Catito. 

Catito prefere a piraúna, peixe raro, mas de maior valor e que pode ser encontrado em maior quantidade debaixo da Ponte Rio-Niterói. Como pescador profissional, ele pesca, limpa e entrega em domicílio em diversos bairros da Ilha. Os clientes viraram grandes amigos e confiam na qualidade dos produtos que entregue. 

Com vasta experiência na profissão, Catito, serve como mentor e inspiração para outros jovens que querem aprender os segredos da pesca que também ensinou aos três filhos: Robson Roberto, 42, Alex Roberto, 29 e Jonathan Roberto, 23. E é Jonathan, o filho caçula, que mais ajuda o pai nas pescarias e principalmente nas entregas em domicílio. 

Catito garante que vai continuar pescando até Deus permitir. O maior sonho é comprar um barco motorizado para facilitar as idas e vindas pelas águas da Baía de Guanabara. Pessoa afável e de caráter, está sempre disposto a ajudar ao próximo, por isso, o insulano Francisco Catito é um exemplo de amigo e trabalhador. É gente da Ilha!




Veja Também

O presidente do Vasco é insulano - Médico conceituado e presidente de um dos maiores clubes do Brasil, esse é um resumo do perfil do insulano Alexandre Campello, um sujeito educado e preparado, que desde janeiro de 2018 ocupa o cargo mais alto do Clube de Regatas Vasco da Gama. Aos 59 anos, ele vive uma vitoriosa história de que une a paixão de infância ao importante cargo que ocupa.

Um barbeiro à moda antiga no Moneró - O tradicional Salão Tubiacanga, localizado na Estrada de Tubiacanga, ao lado da Drogaria Mais Barato é onde o barbeiro Casimiro Del Rio trabalha há mais de 50 anos. Ele é o dono do salão e um craque da tesoura e da navalha cuja experiência faz a diferença para quem gosta de um serviço perfeito e bom papo.

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.


Edição 1929
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras