Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Um barbeiro à moda antiga no Moneró

08/02/2019 - gente-da-ilha /Edição 1923
O tradicional Salão Tubiacanga, localizado na Estrada de Tubiacanga, ao lado da Drogaria Mais Barato é onde o barbeiro Casimiro Del Rio trabalha há mais de 50 anos. Ele é o dono do salão e um craque da tesoura e da navalha cuja experiência faz a diferença para quem gosta de um serviço perfeito e bom papo.  

O bom e experiente Casimiro, que completa 83 anos em março, é um remanescente da antiga profissão de barbeiro. Natural da Espanha, região de Ourense, da comunidade autônoma de Galiza, ele começou a trabalhar aos 14 anos e aprendeu a arte de manusear com destreza impressionante tesouras e pentes.  

Aos 24 anos chegou ao Brasil para tentar a vida. Morou alguns meses na Vila da Penha, mas em seguida mudou-se para a Ilha do Governador, na Rua Sargento João Lopes, no Cacuia, onde foi funcionário de uma barbearia. Rem seguida conheceu a jovem Sônia Batista com quem se casou em 1970, e abriu, há mais de 50 anos, a sua barbearia no Moneró, que funciona no mesmo local até hoje.

Casimiro atualmente mora nas casinhas da Portuguesa e lembra com saudades da época quando inaugurou o estabelecimento. No local não havia estrada para carros e o prédio localizado em frente à barbearia era uma fábrica de postes de concretos. Tudo tranquilo, sem violência e com muitos clientes. 

— O ponto da barbearia era bem localizado e eu atendia além dos funcionários da fábrica, os moradores das redondezas. Tudo no clássico estilo: barba, cabelo e bigode; o pacote completo de todo barbeiro competente. 

Para fazer a barba Casimiro ainda usa o tradicional pincel no copinho com espuma. Talco e álcool mentolado completam o serviço. Ele garante, além da qualidade do serviço, um bom bate-papo com os clientes. “Com o tempo ganhei muitos clientes e amigos. Atendo filhos e netos de clientes antigos que continuam a valorizar o meu trabalho. Isso é uma satisfação enorme.” 

Aposentado há 20 anos, diz que o trabalho de barbeiro virou um passatempo. “Aos 83 anos não tenho do que reclamar. Vou continuar fazendo o que gosto até quando Deus me der forças. Sinto-me bem para trabalhar com perfeição e tenho muito orgulho da minha profissão. Quem quiser me procurar, já sabe onde me achar. De segunda a sexta, das 8h às 18h30, estou à sua disposição com muita alegria e a tesoura na mão. 

Casimiro Del Rio, talvez seja o espanhol mais insulano que exista. Ele é um exemplo de cidadão e trabalhador que resiste as transformações do mundo moderno fazendo a diferença pela dedicação e amor ao trabalho. Ele é exemplo de que embora o tempo tenha transformado a profissão sempre haverá espaço para a tradição e bons profissionais. Parabéns!




Veja Também

Catito prefere pescar piraúna na Baía - O galo nem sonhou em cantar e Francisco Roberto já está com o material de pesca dentro do barco e os remos nas mãos para navegar pelas águas da Baía de Guanabara, sempre por perto da orla da Ilha do Governador, em busca do sustento da família. Ele sai de madrugada e volta à noite quase sempre com o barco cheio de peixes. Catito, como é conhecido, é pescador experiente e vive há 50 anos da pesca comercial.

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras