Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Pedro, o craque no futebol de botão

26/10/2018 - gente-da-ilha /Edição 1908
Nascido em Muritiba, no interior da Bahia, desde cedo, Pedro Carlos, conhece às dificuldades impostas pela vida. Logo aos oito anos embarcou em um ônibus sozinho rumo ao Rio de Janeiro ao encontro de sua mãe Joselita Silva no carnaval de 1962. Com o endereço errado, ficou um mês na casa de um senhor que lhe acolheu perdido na rua até encontrar a mãe. 
 
Aos nove anos começou a trabalhar com carreto em feira para ajudar a mãe e os irmãos em casa. Lembra com emoção de como gastou o primeiro salário. Foi no Cine Marajá, em Triagem, ver o filme “Tarzan contra o Mundo”. Já o começo no futebol de botão é uma história curiosa. Sem recursos para comprar botões especiais, Pedro improvisou fichas de ônibus como jogadores. 
 
- Era improvisado mesmo, mas foi ali que dei meus primeiros passos no esporte. Os recursos não me permitiam ter os botões dos grandes jogadores, mas como bom brasileiro, dei meu jeito. Lembro que os amigos próximos se empolgaram e fizemos uma mesa de fórmica para brincar e realizar campeonatos.  Tudo começou aí – conta Pedro.
 
Com o tempo, às fichas de ônibus se tornaram lindos botões de galalites. A brincadeira de infância ficou séria, tornou-se uma verdadeira paixão e levou Pedro a disputar campeonatos oficiais durante os horários vagos e à noite. Nesse tempo trabalhava durante o dia em uma empresa de administração. Em 1976, saiu de Inhaúma e veio morar na Ilha, de onde nunca mais pretende sair. 
 
Em 1990 surgiu a oportunidade de jogar defendendo a camisa da Portuguesa em campeonatos por todo o Brasil. As portas do clube para o esporte foram abertas pelo então diretor de quadra e salão, Nelson Lucas. E Pedro guarda com carinho todos os títulos conquistados com a camisa da Lusa ao longo de 28 anos. 
 
- A Portuguesa hoje representa muito pra mim. Foi a instituição que abriu as portas para fazer uma das coisas que mais gosto na vida, que é jogar futebol de botão. É aqui que também tive a oportunidade de ensinar crianças e jovens a jogar esse esporte fascinante. Tanto é que formei dois dos nossos melhores jogadores: o Alênio e o Horácio Júnior, que começaram comigo com12 anos.
 
Atualmente Pedro é um dos líderes do departamento de futebol de mesa da Associação Atlética Portuguesa, clube referência nacional neste esporte e que possui diversas vitórias nacionais e internacionais
 
Casado há 16 anos com Vera Lúcia, Pedro tem duas filhas: Renata e Fernanda. Os netos João Pedro, de 8 anos, Manuela e os gêmeos recém-nascidos Artur e Henrique completam a sua felicidade. Em 2019 ele já pretende ensinar o neto João a ser em um grande jogador de botão. 
 
De coração enorme e sempre disposto a fazer o bem, Pedro é um grande exemplo de pai de família e cidadão. Um vencedor na vida e nas mesas de botão, onde está firme e forte para conquistar mais títulos com a camisa da Portuguesa e formar novos grandes jogadores no esporte que considera fascinante. Pedro é Gente da Ilha!




Veja Também

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.

Malaguetta é referência em qualidade - Nascido e criado em Cascadura, Robson Olímpio, 43 anos, chegou à Ilha do Governador em 2002 e foi morar no Jardim Guanabara. Ele credita aos pais Romildo Cordeiro e Glória Olímpio, a postura, vontade de trabalhar e a seriedade. Não esconde as dificuldades vividas na infância ao lado dos seus irmãos mais velhos Marcelo e Márcia. Mas, determinado a vencer e com os bons exemplos de casa, estudou e se preparou para se tornar um empreendedor de sucesso.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras