Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Feijoada do Gaúcho faz a diferença

24/08/2018 - gente-da-ilha /Edição 1899
Há mais de trinta anos trabalhando no ramo de gastronomia, Ermano José, o Gaúcho, (62), garante um boa comida para os clientes do Restaurante do Gaúcho, localizado nos Bancários. Aos sábados ele prepara uma feijoada que atrai gente de outras regiões da cidade. Natural do Rio Grande do Sul, Ermano aprendeu no sul o tato para cortes de carnes macios e especiais, que garantem aquele sabor de dar água na boca. 

Quando criança, Ermano, viveu em Frederico Westphalen, lugar de forte descendência alemã, e na época era totalmente rural, cuja cultura era de subsistência. Na região, a língua falada era o alemão e ele pouco sabia do português. Foi nos colégios de vilas vizinhas que Gaúcho que aprimorou o idioma luso-brasileiro. 

— Desde cedo aprendi o alemão. Na vila, onde eu vivia, nos comunicávamos por esse idioma e encontrei certa resistência para falar o português. Só depois de algum tempo percebi que falar mais de um idioma, era na verdade uma grande vantagem no mercado de trabalho. Minha mãe Maria Augusta, me colocou em um curso de inglês e com 18 anos falava três idiomas mais o latim, durante as missas como coroinha – brinca.

Ao concluir o ensino médio, Gaúcho conseguiu emprego no Banco Aimoré onde trabalhou por alguns anos em filias de Santa Catarina e Paraná. Com 22 anos, decidiu tentar a vida no Rio de Janeiro e veio morar no Tijolinhos, com o irmão Eliseu. Devido a facilidade dos idiomas foi trabalhar na área de turismo em Copacabana, onde ficou por pouco tempo antes de se aventurar como empreendedor. 

Em 1986, em sociedade com o irmão Eliseu, comprou um bar na Ilha e o transformou em uma pensão, nos Bancários. Preparavam e vendiam almoços em quentinhas. Em pouco tempo, a qualidade da comida fez a diferença e a pensão se transformou no atual Restaurante do Gaúcho.

 — Os clientes aprovaram a o tempero e a qualidade e o comércio prosperou. O nome do restaurante foi criado pelos clientes. Eles diziam: “Borá lá na feijoada do Gaúcho”. E acabou ficando esse nome que até hoje é tradição das feijoadas aos sábados – conta Gaúcho. 

Religioso, por influencia da mãe, foi coroinha e ajudou missas em Latim. Era casado com Maria Naue, que faleceu aos 46 anos. Com ela, teve dois filhos, o Renan, também proprietário do Restaurante do Gaúcho e Raquel, que lhe deu o primeiro netinho: o Luca. “Descobri que é muito melhor ser avô do que pai. Com netinho você só curte. Sou um vovô babão.”
Ermano José é um gaúcho vencedor. Gremista, mantém sempre viva a vontade de fazer a diferença em tudo que realiza. É Gente da Ilha.




Veja Também

Bendas comanda a educação na Ilha - Quando o assunto é educação na Ilha, a professora Tania Bendas, 53, ocupa uma posição de destaque. Experiente, construiu ao longo de 32 anos uma sólida carreira como professora na rede municipal de ensino, e exercendo a função de diretora da Escola Municipal Padre José de Anchieta, no Jardim Guanabara. A experiência bem sucedida, a credenciou para ocupar o cargo de Coordenadora da 11° Coordenadoria Regional de Educação (CRE) da Ilha do Governador, no atual governo da cidade.

Leandro é um exemplo de cidadão -

Marquinhus do Banjo é União da Ilha - Marcus Paulo é o nome registrado em cartório, mas por onde passa é conhecido como Marquinhus do Banjo. O insulano, de 46 anos, nasceu e foi criado no bairro da Freguesia e herdou dos pais o amor pela União da Ilha. Deus o abençoou com o dom de cantar e tocar diversos instrumentos de corda. Desde 2001 atua, como componente do carro de som da escola.

Salim, a vocação para o social - Marcelo da Silva, mais conhecido como “Salim”, é um insulano nato apaixonado pela Ilha do Governador, que tem como filosofia de vida a crença no Grande Arquiteto do Universo. Atualmente é um dos coordenadores da Feira de Artesanato da Ilha do Governador que acontece aos finais de semana na Praia da Bica e na Ribeira.

Dublê de Antônio Fagundes é da Ilha - Quem gosta de ouvir uma boa história, sem dúvidas, se tornaria amigo do insulano Jorge Salles. Morador da Tauá, Jorge tem uma interessante trajetória de vida que o tornam um personagem diferente no cotidiano insulano. Já aposentado, Jorge Salles (66) é dublê do ator Antônio Fagundes e já foi militar, bancário, taxista e até árbitro de futebol. Reúne competência, profissionalismo e, é claro, boas histórias para contar.


Edição 1902
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras