Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Marquinhus do Banjo é União da Ilha

27/07/2018 - gente-da-ilha /Edição 1895
Marcus Paulo é o nome registrado em cartório, mas por onde passa é conhecido como Marquinhus do Banjo. O insulano, de 46 anos, nasceu e foi criado no bairro da Freguesia e herdou dos pais o amor pela União da Ilha. Deus o abençoou com o dom de cantar e tocar diversos instrumentos de corda. Desde 2001 atua, como componente do carro de som da escola.  

A infância de Marcus foi tranquila marcada por duas paixões: o futebol e o samba. Como todo moleque, cresceu vendo os gols de Zico, Adílio e Nunes do grande Flamengo da década de 80. 

— Eu comecei a criar um vinculo de amor pela União da Ilha ainda moleque, com 10 anos, muito por influência do meu pai Zeca e da minha mãe Cidália. Eles compareciam nos ensaios, que ainda eram realizados na quadra do Esporte Clube Cocotá, e faziam parte dos segmentos da escola. Eu sempre estava presente e tinha vontade de crescer ajudando a União — conta Marquinhos, que estudou na Escola Municipal Leonel Azevedo e concluiu o ensino médio no Colégio Mendes de Morais. 

Aos 15 anos, fez seu primeiro desfile, no carnaval de 1987, na bateria da União da Ilha, com o enredo “Extra! Extra!”. Com uma voz agradável e ritmo apurado, Marcus se dedicou a aprender instrumentos de corda. Na época, o sucesso do momento, era o banjo. Então juntou alguns trocados e adquiriu um. 

O apelido vem dessa época. Mesmo sem saber passar uma nota, carregava o banjo para todos os cantos. 

— Era do banjo pra cá e pra lá. E o apelido pegou de vez. Hoje em qualquer lugar que vou, seja na União ou no trabalho, sou o Marquinhos do Banjo. Estranho quando me chamam de Marcus Paulo. 

O talento e o amor pela União da Ilha fizeram com que ele crescesse dentro da escola. E com o passar do tempo aposentou o banjo e aprendeu a tocar cavaquinho, um instrumento mais leve e fácil para carregar na avenida. Em 1989 foi designado para o carro de som da escola de onde não saiu mais. E nem pretende. 

— Tive a oportunidade de cantar ao lado de Aroldo Melodia e hoje com o filho Ito. Tenho prazer de servir à União da Ilha. Digo para todos que a União é a minha
segunda casa. A segunda pele. 

Outro talento que possui é o de compositor. Aos 46 anos, já ganhou oito sambas na escola. Para ele os mais especiais foram: o de 1992, “Sou Mais Minha Ilha”, ainda moleque com 20 anos, quando venceu grandes sambistas da escola, e o de 2009 “Viajar é Preciso”, que levou a escola de volta ao grupo especial do carnaval carioca, depois de oito anos no segundo grupo. 

Paralelo ao mundo do samba, Marquinhus é uma pessoa alegre que vive em harmonia com a esposa Renata de Paula, há mais de 25 anos, e têm orgulho das filhas, Caroline, de 26 anos, e às gêmeas Beatriz e Larissa, de 23. Sonhador, sempre faz uma fezinha na loteria para um dia ganhar uma bolada.

Marquinhus do Banjo é um insulano boa praça, divertido e admirado por todos na Ilha do Governador. Seu jeito sonhador e irreverente conquista todos que estão a sua volta. O amor pela azul, vermelho e branco é de berço.



Veja Também

O presidente do Vasco é insulano - Médico conceituado e presidente de um dos maiores clubes do Brasil, esse é um resumo do perfil do insulano Alexandre Campello, um sujeito educado e preparado, que desde janeiro de 2018 ocupa o cargo mais alto do Clube de Regatas Vasco da Gama. Aos 59 anos, ele vive uma vitoriosa história de que une a paixão de infância ao importante cargo que ocupa.

Catito prefere pescar piraúna na Baía - O galo nem sonhou em cantar e Francisco Roberto já está com o material de pesca dentro do barco e os remos nas mãos para navegar pelas águas da Baía de Guanabara, sempre por perto da orla da Ilha do Governador, em busca do sustento da família. Ele sai de madrugada e volta à noite quase sempre com o barco cheio de peixes. Catito, como é conhecido, é pescador experiente e vive há 50 anos da pesca comercial.

Um barbeiro à moda antiga no Moneró - O tradicional Salão Tubiacanga, localizado na Estrada de Tubiacanga, ao lado da Drogaria Mais Barato é onde o barbeiro Casimiro Del Rio trabalha há mais de 50 anos. Ele é o dono do salão e um craque da tesoura e da navalha cuja experiência faz a diferença para quem gosta de um serviço perfeito e bom papo.

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.


Edição 1933
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras