Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Salim, a vocação para o social

20/07/2018 - gente-da-ilha /Edição 1894
Marcelo da Silva, mais conhecido como “Salim”, é um insulano nato apaixonado pela Ilha do Governador, que tem como filosofia de vida a crença no Grande Arquiteto do Universo. Atualmente é um dos coordenadores da Feira de Artesanato da Ilha do Governador que acontece aos finais de semana na Praia da Bica e na Ribeira.
 
Nascido no Hospital Paulino Werneck, Marcelo tem nos pais Luiz Nelson e Jandira Adalgiza, a base para construir uma vida sólida com bastante sabedoria e caráter. O pai, jornalista e comerciante, tinha um jeito boêmio e carioca de viver. Em contrapartida, a mãe Jandira cuidou da educação de modo rigoroso, no estilo tradicional. Embora tenha nascido na Ilha, a primeira parte da infância de Salim foi vivida no Centro da cidade, devido ao trabalho do pai. O futebol, nas ruas, foi a diversão principal durante aquela época.
 
Aos 12 anos, Marcelo voltou com os pais para a região e não saiu mais. E, se depender dele, não sai nunca. Na Ilha, cursou o ensino fundamental na Escola Municipal Dunshee de Abrantes e, orgulha-se, concluíu o ensino médio no Colégio OliveiraLemos Cunha. Foi neste tradicional colégio, localizado no bairro da Portuguesa, que ele ganhou dos amigos o sobrenome Salim.
 
— O apelido Salim surgiu de uma brincadeira feita pelos amigos da época. Eles faziam referência ao personagem Salim Muchiba, da “Escolinha do Professor Raimundo”. No começo eu fiquei bem chateado. E deve ser esse o motivo do apelido ter pegado. Acabei depois aceitando e inclusive “adotei”, como um sobrenome — conta Marcelo.
 
O seu sonho ao concluir o ensino médio era seguir a carreira de militar e ingressou no Centro Preparatório dos Oficiais da Reserva (Cpor). Ao mesmo tempo cursou direito e hoje é oficial militar da reserva, advogado e empresário atuando no ramos de distribuição de bebidas, que herdou do pai.
 
— Desde a infância eu percebi a facilidade em me comunicar e que eu tinha uma vocação para o comércio. Eu lia gibis e almanaques e quando acabava vendia na rua. Os vizinhos riam, mas eu ficava feliz da vida com dinheiro no bolso — brinca Salim, que é o atual presidente da Associação Comercial da Praça Tiradentes.
 
Incentivador da cultura, Marcelo organiza há três anos a Feira de Artesanato da Ilha e é o presidente do Instituto Cultural Ruínas, localizado no Centro da cidade. Para ele, a região tem um potencial cultural e turístico que precisa ser explorado. “Eu procuro ser proativo e busco sempre incentivar práticas de cultura em diversos segmentos, mas percebo que ainda falta união entre a iniciativa privada e os órgãos públicos. É uma área que sou atuante e sei das dificuldades através da Feira de Artesanato”.
 
Casado há treze anos com Vanessa Ribeiro, tem dois filhos. A Naiara, 11 e o Nicolas, 9. Para Marcelo, os filhos são os alicerces e combustível para acordar sempre disposto para buscar algo melhor para a família e o motivam a participar nas questões sociais da região.
 
Proativo e gente boa, Marcelo da Silva, o “Salim” para os amigos, é um insulano bem sucedido que sempre busca participar das questões locais para melhorar a qualidade de vida, principalmente, através da cultura. Salim é um bom exemplo e referência como cidadão. É Gente da Ilha.



Veja Também

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.

Pedro, o craque no futebol de botão - Nascido em Muritiba, no interior da Bahia, desde cedo, Pedro Carlos, conhece às dificuldades impostas pela vida. Logo aos oito anos embarcou em um ônibus sozinho rumo ao Rio de Janeiro ao encontro de sua mãe Joselita Silva no carnaval de 1962. Com o endereço errado, ficou um mês na casa de um senhor que lhe acolheu perdido na rua até encontrar a mãe.

Malaguetta é referência em qualidade - Nascido e criado em Cascadura, Robson Olímpio, 43 anos, chegou à Ilha do Governador em 2002 e foi morar no Jardim Guanabara. Ele credita aos pais Romildo Cordeiro e Glória Olímpio, a postura, vontade de trabalhar e a seriedade. Não esconde as dificuldades vividas na infância ao lado dos seus irmãos mais velhos Marcelo e Márcia. Mas, determinado a vencer e com os bons exemplos de casa, estudou e se preparou para se tornar um empreendedor de sucesso.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras