Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Célia é a tradição em cestas na Ilha

06/07/2018 - gente-da-ilha /Edição 1892
A insulana Célia Félix se destaca na região há mais de vinte anos preparando bonitas cestas de café da manhã. Atenciosa e perfeccionista, ela é conhecida como Célia Cestas e monta com muito carinho cestas para todas as ocasiões com doces, salgados, biscoitos, sanduíches, frios variados e pães diversos, que encantam os insulanos. 

Nascida no Hospital Paulino Werneck, Célia morou a infância e adolescência no Guarabu sob os carinhos e cuidados da mãe Odete, a quem ela guarda os melhores sentimentos e tem como exemplo e admiração. Com muita luta, a mãe garantiu uma infância tranquila e com os estudos em dia. Célia estudou na Escola Municipal Holanda, no Guarabu, e concluiu o ensino médio cursando o turno da noite no antigo Colégio Óperon, atual Tia Lavour, enquanto trabalhava como vendedora durante o dia e estudava inglês. 

— Eu recordo com alegria dos meus tempos de infância e principalmente do esforço que minha mãe fez por mim, já que nunca tive um pai presente. A Ilha sempre se destacou por ser um lugar bom de morar e foi aqui que cresci e me preparei para encarar a vida – conta Célia. 

A identificação com o ramo de cestas para café da manhã começou na década de 80. E foi com um presente para o marido que tudo aconteceu. Na época, Célia resolveu presenteá-lo com uma cesta. O marido adorou o presente e Célia adorou montar. A partir daí, ela foi presenteando amigos e parentes. O retorno foi sempre muito positivo e decidiu investir no ramo como um negócio. 

Ela trabalhou duro por dez anos e quando os resultados estavam muito positivos teve que abandonar a atividade devido a transferência do marido para Araruama. Lá ela tentou emplacar o mesma atividade comercial, além de adicionar serviços de telemensagens para todas as ocasiões. Mas foi surpreendida com a melhor notícia que já recebeu na vida: o nascimento dos filhos Pedro Henrique e Victor Manoel, gêmeos que hoje possuem 13 anos. 

Célia resolveu interromper por um tempo o trabalho e se dedicou a criação dos filhos. Depois de oito anos em Araruama, a família voltou para a Ilha e recomeçaram a vida. E chegaram perto do Dia das Mães, considerado por Célia, o melhor momento para a venda de cestas de café da manhã. O empreendimento então bombou de vez e ela continua até hoje e prosperando a cada dia que passa. 

— Eu gosto muito do que faço. Esse é meu diferencial. Gosto de trabalho manuais e me envolvo com cada encomenda. Tenho um lema desde que entrei nesse ramo, que é buscar vender para o cliente o que eu compraria para mim. Busco exaustivamente a perfeição e por isso vem a recompensa do meu trabalho — conta Célia. 

Há mais de 20 anos no ramo das cestas, a Célia Cestas, como se tornou conhecido o negócio, opera entregando em domicílio para todo o Rio de Janeiro. Ela é grata aos amigos e clientes que acreditam e gostam do seu trabalho. “O feedback dos clientes é bastante positivo e isso serve como combustível todos os dias para eu manter o comércio firme e forte. Chego a me emocionar quando recebo elogios”.

Dedicada, Célia Félix é exemplo de empreendedora que mantém uma linda tradição, vendendo belas cestas que levam bom gosto e alegria a quem recebe. Para encomendar uma, basta acessar a página do facebook Célia Cestas de Café da Manhã. Ou ligar para 99653-9462. 




Veja Também

Dublê de Antônio Fagundes é da Ilha - Quem gosta de ouvir uma boa história, sem dúvidas, se tornaria amigo do insulano Jorge Salles. Morador da Tauá, Jorge tem uma interessante trajetória de vida que o tornam um personagem diferente no cotidiano insulano. Já aposentado, Jorge Salles (66) é dublê do ator Antônio Fagundes e já foi militar, bancário, taxista e até árbitro de futebol. Reúne competência, profissionalismo e, é claro, boas histórias para contar.

Sua bandeira é a luta pela ecologia - Sérgio Ricardo, 50, é um insulano engajado nas causas ecológicas e sociais da região e coordenador de diversos projetos em defesa da Baía de Guanabara, além de promover as feiras agroecológicas da Praia da Bica e da Igreja Batista no Moneró.

Ana Paula dá alma às bijuterias - Ana Paula, 49, nasceu na cidade de Miraí, zona da mata de Minas Gerais, e se considera uma mineira de alma insulana. Aos 18 anos veio para a Ilha do Governador e daqui não saiu mais, e nem pensa em sair. Ana é conhecida na região por participar de diversas ferinhas vendendo bijuterias artesanais. Em abril deste ano abriu uma loja física no Ilha Plaza Shopping.

Orgulho de ser insulano da gema - Paulo Henrique, 46, é morador da comunidade do Guarabu, e ganha a vida, há mais de quinze anos, vendendo deliciosas pipocas, na Rua Sargento João Lopes, em um ponto quase esquina com a Estrada da Cacuia, na calçada ao lado da loja Kazinha. O segredo do sucesso da sua pipoca ele não guarda. ”Tudo que é feito com amor é bom. E na minha pipoca esse ingrediente nunca falta”.

Antônio foi à guerra e venceu - Antônio é um empreendedor nato. Primeiro filho do casal Anibal Soares e Maria Augusta, ele herdou da família a Panificação Jardim Guanabara, a famosa Padaria do Anibal. Embora a relação com os pais fosse muito boa, a infância foi vivida em Portugal ao lado dos avós Abraão e Maria Augusta em uma aldeia.


Edição 1893
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras