Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Sua bandeira é a luta pela ecologia

25/05/2018 - Gente da Ilha /Edição 1886
Sérgio Ricardo, 50, é um insulano engajado nas causas ecológicas e sociais da região e coordenador de diversos projetos em defesa da Baía de Guanabara, além de promover as feiras agroecológicas da Praia da Bica e da Igreja Batista no Moneró. 
 
Nascido em Canguaretama, município do Rio Grande do Norte, Sérgio foi criado em meio a dificuldades, mas com muito carinho e amor dos seus pais José Soares e Berlene Andrade, ao lado dos oito irmãos. Aos três anos, a família de Sérgio foi assentada pela reforma agrária e ganhou terras em Altamira, Pará, onde ele ficou por um tempo, mas ainda na infância voltou para Natal. 
 
— Eu sou oriundo de uma família nordestina, pobre que sempre lutou para que nada faltasse para mim e meus irmãos. Sou muito grato por eles terem ensinado o caminho certo para todos nós. É um legado importante que vou carregar por toda minha vida.
 
Em 1986, Sérgio Ricardo, em busca de dias melhores, veio para Ilha morar na Cova da Onça, no Cocotá. Na região, aproveitou para terminar seus estudos no Colégio Lemos Cunha. A poluição das praias insulanas o fez levantar a bandeira pela defesa ecológica.  
 
— Em Natal, eu andava de bicicleta na praia e dava um mergulho na água. Fui fazer isso na Ilha e meu primo me alertou que era tudo poluído. Fiquei espantado e comecei a estudar os porquês disso.
 
Juntou um grupo de alunos do Lemos Cunha, que faziam parte do Grêmio Estudantil, e criaram o Núcleo de Estudantes Verdes da Ilha do Governador (Nevig). Começaram a lutar por causas em defesa da ecologia na Ilha, como a recuperação do Manguezal do Jequiá. Na época, através de uma lei sugerida pelo grupo, foi proibido o aterramento do manguezal e criada a Aparu do Jequiá.
 
Engajado nas causas ecologicas e culturais da região, ainda aos 19 anos, antes de concluir o curso superior em Políticas Públicas, Sérgio Ricardo, foi presidente da Associação de Moradores do Cocotá. Anos mais tarde trabalhou na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro, como agente comunitário do Programa Mutirão de Reflorestamento. Depois por uma temporada assumiu a coordenação das Lonas Culturais. 
 
— Por gostar de teatro, e meu pai ser músico e compositor, sempre tive vocação cultural. Tão logo cheguei à região, passei a frequentar a Lona Cultural, na época coordenada pela Tia Elbe de Holanda. Me dediquei ao máximo, inclusive para viabilizar o projeto das Arenas Cariocas — conta Sérgio que é casado com Gabriela da Silva há 15 anos e tem três filhos: Caio, Mariana Vitória e Sofia. 
 
Há pouco mais de dois anos, Sérgio Ricardo, trouxe para a região a Feira Agroecológica, que faz parte do circuito carioca de feiras livres. “É de vital importância que o insulano tenha a oportunidade e o hábito de buscar uma vida mais saudável. Através dos alimentos sem agrotóxicos se evita doenças perigosas que cada dia surge pelo mundo”.
 
Sobre a poluição da Baía de Guanabara, Sérgio mantém a esperança de um dia melhorar suas condições . “Uma solução de médio prazo são as estações de tratamento de esgoto que precisam funcionar a todo vapor para diminuir a quantidade de esgoto despejados na baia. Mas isso requer vontade política de querer mudar, e eu acredito que seja possível”. 
 
Sérgio Ricardo é um insulano de fibra cujas ações buscam resgatar a qualidade ecológica na Ilha e em outras regiões da cidade. Seus esforços são dedicados à valorização da cultura e busca da qualidade de vida no meio ambiente, características que são reconhecidos pela seriedade e a força das suas ideias. 



Veja Também

Catito prefere pescar piraúna na Baía - O galo nem sonhou em cantar e Francisco Roberto já está com o material de pesca dentro do barco e os remos nas mãos para navegar pelas águas da Baía de Guanabara, sempre por perto da orla da Ilha do Governador, em busca do sustento da família. Ele sai de madrugada e volta à noite quase sempre com o barco cheio de peixes. Catito, como é conhecido, é pescador experiente e vive há 50 anos da pesca comercial.

Um barbeiro à moda antiga no Moneró - O tradicional Salão Tubiacanga, localizado na Estrada de Tubiacanga, ao lado da Drogaria Mais Barato é onde o barbeiro Casimiro Del Rio trabalha há mais de 50 anos. Ele é o dono do salão e um craque da tesoura e da navalha cuja experiência faz a diferença para quem gosta de um serviço perfeito e bom papo.

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras