Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Antônio foi à guerra e venceu

27/04/2018 - Gente da Ilha /Edição 1882
Antônio é um empreendedor nato. Primeiro filho do casal Anibal Soares e Maria Augusta, ele herdou da família a Panificação Jardim Guanabara, a famosa Padaria do Anibal. Embora a relação com os pais fosse muito boa, a infância foi vivida em Portugal ao lado dos avós Abraão e Maria Augusta em uma aldeia. 

Para Antônio, os avós tiveram um papel fundamental na sua criação. Mesmo com as condições na aldeia e em Portugal não sendo das melhores, eles não deixaram que nada faltasse. “As casas, as pessoas, o ambiente, era tudo muito diferente de como é hoje. E agradeço aos meus avós pela dedicação em minha educação e crescimento. Tive a oportunidade de estudar em um colégio interno e seguir a fé católica, preceitos que guardo em meu coração até os dias atuais”. 

Ao concluir o ensino médio, Antônio Soares não teve dúvida em seguir a carreira de advogado. Por isso, não perdeu tempo e cursou a Faculdade de Direito de Coimbra, uma das mais gabaritadas de Portugal. Contudo, no meio do curso uma surpresa: recebeu a convocação do Governo de Portugal para defender o país na guerra colonial contra Guiné Bissau. 

Sem alternativas e obrigado pela lei militar a defender seu país, Antonio parou o curso na faculdade e foi à Guine defender o seu País em uma guerra por 80 dias. Brincalhão, ele conta que foi uma experiência inusitada e que para sempre ficará guardada na sua história de vida. 

— O importante é que eu sobrevivi e estou aqui. Na época, em plena ascensão na faculdade eu não queria sair, mas como não tinha jeito, fui e defendi o país, e me defendi como pude — disse brincando.

Aos 30 anos de idade, ainda em Portugal, Antônio concluiu o curso de direito e decidiu se aproximar mais dos pais para tentar a vida no Brasil. Ao chegar, veio direto para a Ilha do Governador, onde a Padaria do Anibal já era conhecida, inclusive como ponto de referencia da região, como é até hoje. Com diploma gabaritado logo conseguiu emprego no escritório de direito André e Silva, no Centro da cidade. 

Mas ficou pouco tempo no emprego e percebeu a necessidade de ajudar o pai na padaria, que estava em franco crescimento. Com isso praticamente abdicou da advocacia para se dedicar à carreira de empreendedor. “Embora fugisse do meu ramo, o interesse da família pesou. Através de muito trabalho e dedicação, a padaria prosperou e foi importante ter a família engajada neste mesmo ideal”. 

Como bom português, Antônio não se acomodou. Visionário, ele, juntamente com o irmão Carlos, se aventurou no mercado imobiliário e abriu uma construtora. Em meio a muitas obras realizadas, Antônio guarda com carinho o prédio que fez em homenagem ao pai Anibal. 

— É uma homenagem especial para quem desde cedo trabalhou e lutou bastante para oferecer as melhores condições para a família. Este prédio fica atrás da padaria e fiz questão de dar o nome dele para o edifício, assim como a praça ao lado da padaria foi batizada de Praça do Anibal. Agora, Antônio quer homenagear a mãe, Maria Augusta, em um novo prédio cuja construção está no final. 

Casado há 38 anos com Rosa Maria, a família se completa com os três filhos: Rodrigo, Antônio e Marco Antônio segue firme na caminhada de empreendedor no ramo imobiliário. “Quanto à padaria, ele diz que os tempos são difíceis, mas que bravamente está resistindo.”

— A crise pegou a todos nós, mas o carinho e o amor que temos pela Padaria do Anibal nos inspira nos esforços para que a atividade continue a servir à população e prosperar.

Generoso, educado e competente, Antônio Soares, é um bom exemplo de pessoa tranquila e vitoriosa, que superou as dificuldades da vida e uma verdadeira guerra para ser bem sucedido. Antônio é gente da Ilha!







Veja Também

Salim, a vocação para o social - Marcelo da Silva, mais conhecido como “Salim”, é um insulano nato apaixonado pela Ilha do Governador, que tem como filosofia de vida a crença no Grande Arquiteto do Universo. Atualmente é um dos coordenadores da Feira de Artesanato da Ilha do Governador que acontece aos finais de semana na Praia da Bica e na Ribeira.

Dublê de Antônio Fagundes é da Ilha - Quem gosta de ouvir uma boa história, sem dúvidas, se tornaria amigo do insulano Jorge Salles. Morador da Tauá, Jorge tem uma interessante trajetória de vida que o tornam um personagem diferente no cotidiano insulano. Já aposentado, Jorge Salles (66) é dublê do ator Antônio Fagundes e já foi militar, bancário, taxista e até árbitro de futebol. Reúne competência, profissionalismo e, é claro, boas histórias para contar.

Célia é a tradição em cestas na Ilha - A insulana Célia Félix se destaca na região há mais de vinte anos preparando bonitas cestas de café da manhã. Atenciosa e perfeccionista, ela é conhecida como Célia Cestas e monta com muito carinho cestas para todas as ocasiões com doces, salgados, biscoitos, sanduíches, frios variados e pães diversos, que encantam os insulanos.

Sua bandeira é a luta pela ecologia - Sérgio Ricardo, 50, é um insulano engajado nas causas ecológicas e sociais da região e coordenador de diversos projetos em defesa da Baía de Guanabara, além de promover as feiras agroecológicas da Praia da Bica e da Igreja Batista no Moneró.

Ana Paula dá alma às bijuterias - Ana Paula, 49, nasceu na cidade de Miraí, zona da mata de Minas Gerais, e se considera uma mineira de alma insulana. Aos 18 anos veio para a Ilha do Governador e daqui não saiu mais, e nem pensa em sair. Ana é conhecida na região por participar de diversas ferinhas vendendo bijuterias artesanais. Em abril deste ano abriu uma loja física no Ilha Plaza Shopping.

Orgulho de ser insulano da gema - Paulo Henrique, 46, é morador da comunidade do Guarabu, e ganha a vida, há mais de quinze anos, vendendo deliciosas pipocas, na Rua Sargento João Lopes, em um ponto quase esquina com a Estrada da Cacuia, na calçada ao lado da loja Kazinha. O segredo do sucesso da sua pipoca ele não guarda. ”Tudo que é feito com amor é bom. E na minha pipoca esse ingrediente nunca falta”.


Edição 1894
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras