Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Antônio foi à guerra e venceu

27/04/2018 - Gente da Ilha /Edição 1882
Antônio é um empreendedor nato. Primeiro filho do casal Anibal Soares e Maria Augusta, ele herdou da família a Panificação Jardim Guanabara, a famosa Padaria do Anibal. Embora a relação com os pais fosse muito boa, a infância foi vivida em Portugal ao lado dos avós Abraão e Maria Augusta em uma aldeia. 

Para Antônio, os avós tiveram um papel fundamental na sua criação. Mesmo com as condições na aldeia e em Portugal não sendo das melhores, eles não deixaram que nada faltasse. “As casas, as pessoas, o ambiente, era tudo muito diferente de como é hoje. E agradeço aos meus avós pela dedicação em minha educação e crescimento. Tive a oportunidade de estudar em um colégio interno e seguir a fé católica, preceitos que guardo em meu coração até os dias atuais”. 

Ao concluir o ensino médio, Antônio Soares não teve dúvida em seguir a carreira de advogado. Por isso, não perdeu tempo e cursou a Faculdade de Direito de Coimbra, uma das mais gabaritadas de Portugal. Contudo, no meio do curso uma surpresa: recebeu a convocação do Governo de Portugal para defender o país na guerra colonial contra Guiné Bissau. 

Sem alternativas e obrigado pela lei militar a defender seu país, Antonio parou o curso na faculdade e foi à Guine defender o seu País em uma guerra por 80 dias. Brincalhão, ele conta que foi uma experiência inusitada e que para sempre ficará guardada na sua história de vida. 

— O importante é que eu sobrevivi e estou aqui. Na época, em plena ascensão na faculdade eu não queria sair, mas como não tinha jeito, fui e defendi o país, e me defendi como pude — disse brincando.

Aos 30 anos de idade, ainda em Portugal, Antônio concluiu o curso de direito e decidiu se aproximar mais dos pais para tentar a vida no Brasil. Ao chegar, veio direto para a Ilha do Governador, onde a Padaria do Anibal já era conhecida, inclusive como ponto de referencia da região, como é até hoje. Com diploma gabaritado logo conseguiu emprego no escritório de direito André e Silva, no Centro da cidade. 

Mas ficou pouco tempo no emprego e percebeu a necessidade de ajudar o pai na padaria, que estava em franco crescimento. Com isso praticamente abdicou da advocacia para se dedicar à carreira de empreendedor. “Embora fugisse do meu ramo, o interesse da família pesou. Através de muito trabalho e dedicação, a padaria prosperou e foi importante ter a família engajada neste mesmo ideal”. 

Como bom português, Antônio não se acomodou. Visionário, ele, juntamente com o irmão Carlos, se aventurou no mercado imobiliário e abriu uma construtora. Em meio a muitas obras realizadas, Antônio guarda com carinho o prédio que fez em homenagem ao pai Anibal. 

— É uma homenagem especial para quem desde cedo trabalhou e lutou bastante para oferecer as melhores condições para a família. Este prédio fica atrás da padaria e fiz questão de dar o nome dele para o edifício, assim como a praça ao lado da padaria foi batizada de Praça do Anibal. Agora, Antônio quer homenagear a mãe, Maria Augusta, em um novo prédio cuja construção está no final. 

Casado há 38 anos com Rosa Maria, a família se completa com os três filhos: Rodrigo, Antônio e Marco Antônio segue firme na caminhada de empreendedor no ramo imobiliário. “Quanto à padaria, ele diz que os tempos são difíceis, mas que bravamente está resistindo.”

— A crise pegou a todos nós, mas o carinho e o amor que temos pela Padaria do Anibal nos inspira nos esforços para que a atividade continue a servir à população e prosperar.

Generoso, educado e competente, Antônio Soares, é um bom exemplo de pessoa tranquila e vitoriosa, que superou as dificuldades da vida e uma verdadeira guerra para ser bem sucedido. Antônio é gente da Ilha!







Veja Também

Ana Paula dá alma às bijuterias - Ana Paula, 49, nasceu na cidade de Miraí, zona da mata de Minas Gerais, e se considera uma mineira de alma insulana. Aos 18 anos veio para a Ilha do Governador e daqui não saiu mais, e nem pensa em sair. Ana é conhecida na região por participar de diversas ferinhas vendendo bijuterias artesanais. Em abril deste ano abriu uma loja física no Ilha Plaza Shopping.

Orgulho de ser insulano da gema - Paulo Henrique, 46, é morador da comunidade do Guarabu, e ganha a vida, há mais de quinze anos, vendendo deliciosas pipocas, na Rua Sargento João Lopes, em um ponto quase esquina com a Estrada da Cacuia, na calçada ao lado da loja Kazinha. O segredo do sucesso da sua pipoca ele não guarda. ”Tudo que é feito com amor é bom. E na minha pipoca esse ingrediente nunca falta”.

Manoel Ormond, um engenheiro de sucesso - Manoel Ormond, 72, é um engenheiro gabaritado. Há mais de 45 anos possui um escritório na Rua Colina, no Jardim Guanabara, e já realizou centenas de obras importantes ao longo de sua carreira, inclusive foi um dos engenheiros da construção do Parque Aquático Rio Water Planet, em Vargem Grande.

Luiz transforma o vime em arte - Luiz Antônio Nunes, 61, é um artesão de mão cheia. Nascido em Teresópolis, Luiz trouxe da cidade serrana o aprendizado e a paixão pelos móveis feitos de vime, junco e ratan. Hoje é um dos poucos profissionais da região que ainda trabalha com esses materiais.

Chacrinha da Ilha e as marionetes -


Edição 1885
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras