Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Antônio foi à guerra e venceu

27/04/2018 - Gente da Ilha /Edição 1882
Antônio é um empreendedor nato. Primeiro filho do casal Anibal Soares e Maria Augusta, ele herdou da família a Panificação Jardim Guanabara, a famosa Padaria do Anibal. Embora a relação com os pais fosse muito boa, a infância foi vivida em Portugal ao lado dos avós Abraão e Maria Augusta em uma aldeia. 

Para Antônio, os avós tiveram um papel fundamental na sua criação. Mesmo com as condições na aldeia e em Portugal não sendo das melhores, eles não deixaram que nada faltasse. “As casas, as pessoas, o ambiente, era tudo muito diferente de como é hoje. E agradeço aos meus avós pela dedicação em minha educação e crescimento. Tive a oportunidade de estudar em um colégio interno e seguir a fé católica, preceitos que guardo em meu coração até os dias atuais”. 

Ao concluir o ensino médio, Antônio Soares não teve dúvida em seguir a carreira de advogado. Por isso, não perdeu tempo e cursou a Faculdade de Direito de Coimbra, uma das mais gabaritadas de Portugal. Contudo, no meio do curso uma surpresa: recebeu a convocação do Governo de Portugal para defender o país na guerra colonial contra Guiné Bissau. 

Sem alternativas e obrigado pela lei militar a defender seu país, Antonio parou o curso na faculdade e foi à Guine defender o seu País em uma guerra por 80 dias. Brincalhão, ele conta que foi uma experiência inusitada e que para sempre ficará guardada na sua história de vida. 

— O importante é que eu sobrevivi e estou aqui. Na época, em plena ascensão na faculdade eu não queria sair, mas como não tinha jeito, fui e defendi o país, e me defendi como pude — disse brincando.

Aos 30 anos de idade, ainda em Portugal, Antônio concluiu o curso de direito e decidiu se aproximar mais dos pais para tentar a vida no Brasil. Ao chegar, veio direto para a Ilha do Governador, onde a Padaria do Anibal já era conhecida, inclusive como ponto de referencia da região, como é até hoje. Com diploma gabaritado logo conseguiu emprego no escritório de direito André e Silva, no Centro da cidade. 

Mas ficou pouco tempo no emprego e percebeu a necessidade de ajudar o pai na padaria, que estava em franco crescimento. Com isso praticamente abdicou da advocacia para se dedicar à carreira de empreendedor. “Embora fugisse do meu ramo, o interesse da família pesou. Através de muito trabalho e dedicação, a padaria prosperou e foi importante ter a família engajada neste mesmo ideal”. 

Como bom português, Antônio não se acomodou. Visionário, ele, juntamente com o irmão Carlos, se aventurou no mercado imobiliário e abriu uma construtora. Em meio a muitas obras realizadas, Antônio guarda com carinho o prédio que fez em homenagem ao pai Anibal. 

— É uma homenagem especial para quem desde cedo trabalhou e lutou bastante para oferecer as melhores condições para a família. Este prédio fica atrás da padaria e fiz questão de dar o nome dele para o edifício, assim como a praça ao lado da padaria foi batizada de Praça do Anibal. Agora, Antônio quer homenagear a mãe, Maria Augusta, em um novo prédio cuja construção está no final. 

Casado há 38 anos com Rosa Maria, a família se completa com os três filhos: Rodrigo, Antônio e Marco Antônio segue firme na caminhada de empreendedor no ramo imobiliário. “Quanto à padaria, ele diz que os tempos são difíceis, mas que bravamente está resistindo.”

— A crise pegou a todos nós, mas o carinho e o amor que temos pela Padaria do Anibal nos inspira nos esforços para que a atividade continue a servir à população e prosperar.

Generoso, educado e competente, Antônio Soares, é um bom exemplo de pessoa tranquila e vitoriosa, que superou as dificuldades da vida e uma verdadeira guerra para ser bem sucedido. Antônio é gente da Ilha!







Veja Também

Catito prefere pescar piraúna na Baía - O galo nem sonhou em cantar e Francisco Roberto já está com o material de pesca dentro do barco e os remos nas mãos para navegar pelas águas da Baía de Guanabara, sempre por perto da orla da Ilha do Governador, em busca do sustento da família. Ele sai de madrugada e volta à noite quase sempre com o barco cheio de peixes. Catito, como é conhecido, é pescador experiente e vive há 50 anos da pesca comercial.

Um barbeiro à moda antiga no Moneró - O tradicional Salão Tubiacanga, localizado na Estrada de Tubiacanga, ao lado da Drogaria Mais Barato é onde o barbeiro Casimiro Del Rio trabalha há mais de 50 anos. Ele é o dono do salão e um craque da tesoura e da navalha cuja experiência faz a diferença para quem gosta de um serviço perfeito e bom papo.

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.


Edição 1924
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras