Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Chacrinha da Ilha e as marionetes

16/03/2018 - gente-da-ilha /Edição 1876
Nascido no Santo Cristo, João veio para a Ilha logo no seu primeiro ano de vida e daqui não saiu mais. Conhecido como Chacrinha da Ilha, ele é um artista de rua, caricato, espontâneo e original. Desde a década de 70, João se destaca nas ruas da Ilha e do Centro da cidade com apresentações de dança de marionetes na telinha da TV, que carrega consigo. 
 
Filho de João Alves e Alda da Conceição, ele cresceu nas ruas do Cocotá e na Ilha do Boqueirão, onde morou por um tempo. Sempre gentil e cortês, desde pequeno é um fazedor de amizades. Sua diversão na infância era ouvir músicas e participar das tradicionais brincadeiras de criança, como jogar peão, soltar pipa e os piques. 
 
— Agradeço a Deus a educação que eu recebi de meus pais. Eles foram fontes de inspiração para eu começar a minha vida. Sempre me ensinaram o caminho do bem e era difícil faltar algo em casa. 
 
A identificação com o Aterro do Cocotá começou aos 14 anos quando estudava no Colégio Governador e era frequentador assíduo do local. Lá ele passava as tardes com os colegas e praticava as mais variadas atividades, inclusive luaus com músicas da época. Essas apresentações foram se repetindo e se tornaram uma rotina nos finais de tarde no Cocotá.  
 
A atração pela arte cultural esteve presente durante toda sua infância, mas foi pela superação que o dom de cantar e divertir as pessoas, se transformou em um talento pessoal. Em 1973, ele foi atropelado por um ônibus e perdeu parte do fêmur. Sem conseguir trabalho e com duas filhas novas em casa, procurou na rua o sustento da família. 
 
A partir daí, Chacrinha da Ilha, seguiu a tendência da época e começou a confeccionar marionetes. Foi no Largo da Carioca que ele se notabilizou como artista de rua e, enquanto vendia seus produtos, apresentava um show dançando diversos hits com as marionetes na mão, sempre ao lado dos amigos Castanha e Caju, hoje famosos repentistas. 
 
Seu talento abriu as portas para apresentações em programas de televisão. Incentivado por amigos, ele fez shows nas emissoras de TV durante as décadas de 70 e 80. Passou pelo programa do Jair Turmaturgo, da extinta TV Tupi, pelo Fantástico, da TV Globo, e chegou a gravar comercial para a Drogaria Romeiros. 
 
Em uma dessas aventuras na TV, ele foi ao programa do Chacrinha e recebeu o famoso “buzinaço” do próprio Chacrinha. O cantor Waldick Soriano, um dos jurados do programa se encantou com o show de João. 
 
— Foi uma época sensacional da minha vida. Lembro que anos mais tarde, quando me apresentei no quiosque Dom Franguito, ao lado do Elymar Santos, o próprio Waldick Soriano me apelidou de Chacrinha da Ilha. 
 
Após quase 27 anos parado por conta do baque que sofreu com a morte de uma de suas filhas, ele voltou às ruas esse ano e vende suas marionetes na Estrada do Cacuia, todos os dias no período da tarde, enquanto à noite faz shows para crianças.
 
João tem o sonho de montar um “Balé de Marionetes” com apresentações gratuitas para transmitir a arte para as novas gerações. 
 
— É um brinquedo didático para as crianças, que mexe com a mente e trabalha a parte da coordenação motora. Quero continuar engajado na arte e modificar um pouco essa nova cultura dos pequenos para fazê-los esquecer de brinquedos eletrônicos. 
 
Seu jeito irreverente de ser, original e alegre contagia todos que o conhecem. João Chacrinha da Ilha é um dos personagens caricatos da arte cultural da região, merece o carinho e o apoio da comunidade. É uma figura importante e muito gente boa. É Gente da Ilha!








Veja Também

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.

Pedro, o craque no futebol de botão - Nascido em Muritiba, no interior da Bahia, desde cedo, Pedro Carlos, conhece às dificuldades impostas pela vida. Logo aos oito anos embarcou em um ônibus sozinho rumo ao Rio de Janeiro ao encontro de sua mãe Joselita Silva no carnaval de 1962. Com o endereço errado, ficou um mês na casa de um senhor que lhe acolheu perdido na rua até encontrar a mãe.

Malaguetta é referência em qualidade - Nascido e criado em Cascadura, Robson Olímpio, 43 anos, chegou à Ilha do Governador em 2002 e foi morar no Jardim Guanabara. Ele credita aos pais Romildo Cordeiro e Glória Olímpio, a postura, vontade de trabalhar e a seriedade. Não esconde as dificuldades vividas na infância ao lado dos seus irmãos mais velhos Marcelo e Márcia. Mas, determinado a vencer e com os bons exemplos de casa, estudou e se preparou para se tornar um empreendedor de sucesso.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras