Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Paulo acredita na medicina de Deus

02/03/2018 - gente-da-ilha /Edição 1874
Especialista em plantas medicinais, Paulo Lima nasceu na Penha e chegou junto com a sua esposa Glória Maria à Ilha do Governador em 1978 para morar no condomínio Aerobitas, na Portuguesa. Paulo é devoto de Nossa Senhora Aparecida e foi um dos fundadores da igreja localizada no Moneró, em homenagem à padroeira do Brasil. 

Vindo de uma família tradicional portuguesa, Paulo, cresceu entre os bairros da Penha e do Santo Cristo. Parte da sua formação educacional foi na escola São Bento, de onde adquiriu os dogmas católicos e ascendeu sua fé em Deus. “Tive uma infância sem a presença da minha mãe que faleceu logo após eu nascer, mas cresci, junto com meu irmão, com ensinamentos importantes de vida dados pelo meu pai e outros adquiridos no tempo em que estudei no São Bento.”

Aos 21 anos, ele passou por uma prova de vida que os médicos encaram como “inexplicável” até hoje. Seu irmão, Carlos Maurício, estava brincando com uma espingarda quando disparou um tiro acidentalmente no maxilar de Paulo e de modo inexplicável, em poucos dias, ele já estava recuperado e sem sequelas. 

— Foi um milagre de Deus na minha vida. A partir dali eu tive a certeza que ele me acompanharia por toda vida. O tempo passou e pude concluir minha faculdade de direito, embora nunca tenha atuado na área, muito me orgulho.  

Paulo Lima já participou de importantes movimentos sociais e foi a convite de um amigo de infância que ele conheceu o Lions Clube, instituição que presidiu por duas vezes em 1989 e 2006, quando realizou diversos trabalhos sociais na área de saúde, principalmente junto com os médicos Gilberto Passos e Aurizete Menezes. 

Depois de se aposentar da Petrobrás, Paulo começou a fazer cursos em conventos buscando ter uma melhor qualidade de vida.  Foi em um desses encontros que conheceu a Irmã Geralda, que lhe apresentou a técnica da planta Aveloz. Inicialmente desconfiou dos possíveis resultados dessa planta, mas como sofria de úlcera aguda resolveu arriscar. 

— Me surpreendi com o resultado obtido. Eu sofri parte da minha vida com gastrite e em quatro dias eu já não tinha mais nenhum sintoma. A planta fez efeito. Em menos de 70 dias eu já estava completamente curado e diagnosticado por dois médicos diferentes.
Com a plena certeza de ter sido curado pelo Aveloz, Paulo, resolveu aprofundar seus conhecimentos na área e fez cursos bioenergéticos voltados para a medicina através de plantas. Em pouco tempo colocou em prática os ensinamentos ajudando parentes e amigos e realizando palestras para centenas de pessoas em auditórios de empresas, igrejas e convenções. 

Sobre a aveloz, Paulo garante que a planta possui capacidade para eliminar células cancerígenas, impedindo o desenvolvimento pelo corpo e reduzindo os tumores. Tóxica, a planta é estudada permanentemente por cientista em busca da confirmação do seu uso medicinal. 

— Eu denomino os meus estudos como a medicina de Deus. Afinal, Deus nos criou para vivermos sem dor, então cabe a nós buscar meios para nos tratarmos, sabendo, entretanto, que tudo passa pelo crivo Dele — explicou Paulo, que resolveu reunir todas essas informações e lançou o livro “O poder das plantas em sua vida”.

Casado com Glória Maria há 53 anos, Paulo tem quatro filhos e cinco netos. Ele acredita que todos na vida têm uma missão e a dele é de fazer o bem independente de classe social. É um homem sério, compromissado e que encontrou em Deus e Nossa Senhora Aparecida, a força para continuar sua caminhada. 





Veja Também

Malaguetta é referência em qualidade - Nascido e criado em Cascadura, Robson Olímpio, 43 anos, chegou à Ilha do Governador em 2002 e foi morar no Jardim Guanabara. Ele credita aos pais Romildo Cordeiro e Glória Olímpio, a postura, vontade de trabalhar e a seriedade. Não esconde as dificuldades vividas na infância ao lado dos seus irmãos mais velhos Marcelo e Márcia. Mas, determinado a vencer e com os bons exemplos de casa, estudou e se preparou para se tornar um empreendedor de sucesso.

Feijoada do Gaúcho faz a diferença - Há mais de trinta anos trabalhando no ramo de gastronomia, Ermano José, o Gaúcho, (62), garante um boa comida para os clientes do Restaurante do Gaúcho, localizado nos Bancários. Aos sábados ele prepara uma feijoada que atrai gente de outras regiões da cidade. Natural do Rio Grande do Sul, Ermano aprendeu no sul o tato para cortes de carnes macios e especiais, que garantem aquele sabor de dar água na boca.

Bendas comanda a educação na Ilha - Quando o assunto é educação na Ilha, a professora Tania Bendas, 53, ocupa uma posição de destaque. Experiente, construiu ao longo de 32 anos uma sólida carreira como professora na rede municipal de ensino, e exercendo a função de diretora da Escola Municipal Padre José de Anchieta, no Jardim Guanabara. A experiência bem sucedida, a credenciou para ocupar o cargo de Coordenadora da 11° Coordenadoria Regional de Educação (CRE) da Ilha do Governador, no atual governo da cidade.

Leandro é um exemplo de cidadão -

Marquinhus do Banjo é União da Ilha - Marcus Paulo é o nome registrado em cartório, mas por onde passa é conhecido como Marquinhus do Banjo. O insulano, de 46 anos, nasceu e foi criado no bairro da Freguesia e herdou dos pais o amor pela União da Ilha. Deus o abençoou com o dom de cantar e tocar diversos instrumentos de corda. Desde 2001 atua, como componente do carro de som da escola.

Salim, a vocação para o social - Marcelo da Silva, mais conhecido como “Salim”, é um insulano nato apaixonado pela Ilha do Governador, que tem como filosofia de vida a crença no Grande Arquiteto do Universo. Atualmente é um dos coordenadores da Feira de Artesanato da Ilha do Governador que acontece aos finais de semana na Praia da Bica e na Ribeira.


Edição 1907
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras