Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

A União da Ilha é a paixão do casal

02/02/2018 - Gente da Ilha /Edição 1870
O carnaval está chegando e para o casal Altair da Silva e Benedita Ilda é tempo de festa e de se preparar para curtir o desfile da União da Ilha. Casados há 65 anos, eles têm uma forte ligação com a história da escola insulana até os dias de hoje. Altair faz parte do grupo de fundadores da União, enquanto Benedita é chefe das alas das baianas.
 
Altair, no auge da vida com seus 86 anos, mora desde sua infância na Ilha, revezando entre os bairros do Guarabu e Portuguesa. Embora tivesse o sonho de ser jogador de futebol, trabalhou a vida toda como pedreiro até se aposentar como funcionário de obras do Banco do Brasil.
 
Já Benedita, ou Tia Bené, como é carinhosamente conhecida, é baiana e chegou a Ilha aos 19 anos de idade, em 1949, com toda a família.
 
Tão logo em terras insulanas, apaixonada por futebol, ela foi acompanhar um jogo amador do União, um time de amigos do Cacuia, e lá se encantou por Altair e começou a namorar. O matrimônio do casal não demorou. Com a ameaça da família de Tia Bené de voltar para Salvador, Altair não perdeu tempo e pediu a mão dela em casamento.
 
— Eu não tive opção. Ou eu pedia em casamento, ou perderia o amor da minha vida. Embora pressionado, não pensei duas vezes e fiz o convite a Benedita para se casar comigo. No fim acabou que a família dela ficou no Rio. 
 
Eles se casaram em 1952 e, um ano depois, com a participação de Altair, seria fundada no Cacuia a União da Ilha, escola que marcaria a história de vida do casal. Tia Bené conta que a partir daquele momento, eles vivem intensamente a escola. As recordações são muitas, desde as dificuldades do início, depois dos sambas marcantes até a União se tornar a grande escola que é hoje. 
 
— No começo era difícil. O dinheiro era escasso, mas o amor e a superação para ver a escola bonita desfilando no Centro da cidade não tinha preço. Na falta de sapato, chegamos até passar cal no pé. Recordo também das dificuldades para levar os carros alegóricos da Freguesia até o local do desfile à pé. Teve um ano que o tema era sobre os índios e o adereço em cima do carro, ao passar pela ponte da Ilha, o vento levou nosso índio para o fundo da Baía — contou Tia Bené. 
 
O samba “Domingo”, de 1977, emociona até hoje o casal. Para eles foi o desfile mais lindo da União da Ilha e que mais os orgulhou pelo enredo e pelas dificuldades durante o ano. Altair, que hoje é um dos diretores da Velha Guarda, lembra da superação naquele ano e das conversas que teve com Benedita para o desfile sair perfeito. 
 
— Todos ajudaram. Cada um fez sua parte e foi neste ano que percebi o quanto poderia contar com a Tia Bené. 
 
Bené e Altair tem dois filhos, Washington Santana, 64 e Wellington da Silva, 62. O casal é católico e, além da União, são torcedores do Flamengo. Costumam ouvir os jogos do rubro-negro juntos no radinho de pilha da cozinha. Tia Bené é uma torcedora apaixonada por futebol e chegou a dirigir o time Esperança, formado por moradores do Jardim Guanabara. 
 
Entretanto, nada supera o amor pela União. Ver a União da Ilha campeã do carnaval seria a realização na vida do casal. “A União da Ilha hoje é nosso patrimônio. Pode não ser nas papeladas, mas em nossos corações temos a escola como uma pessoa da família. Seria o sonho das nossas vidas, é difícil, mas a vontade e a esperança continuam firmes”.
 
O casal é querido e respeitado por todos os segmentos da escola, passistas e integrantes os reverenciam pela história de amor à União. A dupla jamais faltou um desfile da União e se depender deles nunca faltarão. É pela paixão por tudo que fazem que são admirados. Um belo e grande exemplo de amor e paixão pela União da Ilha




Veja Também

Manoel descobriu a magia do cuscuz - Ele já foi ajudante de pedreiro, segurança no aeroporto e trabalhou em banco. Mas, Seu Manoel, ganha a vida mesmo, há 30 anos, vendendo um delicioso cuscuz doce em frente à loja das Casas Bahia, no Cacuia. De segunda a sexta, Manoel acorda cedo e com ajuda da esposa apronta o tabuleiro de cuscuz que começa a ser vendido às 11h.

Padre Valmir conquista a Ilha - Carisma, alegria e bom humor são algumas das virtudes do Padre Valmir, que há cinco anos conquista fiéis na capela de Nossa Senhora das Graças, localizada na Vila dos Oficiais da Aeronáutica, do Galeão. Com uma comunicação moderna que toca a sensibilidade dos corações cristãos, ele mudou a rotina da capela, que hoje recebe cerca 400 fiéis nas missas, muito além da capacidade de 100 lugares.

Nascimento é exemplo de cidadão - Com oito décadas de vida, festejados no início de novembro, Jorge Nascimento é um insulano alegre, de bom coração e um grande fazedor de amigos. Casado há 52 anos com Maria Viana, ele chegou à Ilha em 1969, para morar na da Portuguesa, de onde não saiu mais, e acompanhou toda evolução do bairro durante esses anos.

O pediatra que todos gostam - O insulano de coração Joaquim Pinheiro Soares, 70, tem a sua história de vida ligada à medicina, especialmente aos cuidados com as crianças. Pediatra, Joaquim nasceu no Catumbi, onde passou 27 anos até se mudar em para a Ilha do Governador, região que ele abraçou e se dedica há mais de 20 anos, no atendimento do Hospital Paulino Werneck referência de eficiência.

Pedro, o craque no futebol de botão - Nascido em Muritiba, no interior da Bahia, desde cedo, Pedro Carlos, conhece às dificuldades impostas pela vida. Logo aos oito anos embarcou em um ônibus sozinho rumo ao Rio de Janeiro ao encontro de sua mãe Joselita Silva no carnaval de 1962. Com o endereço errado, ficou um mês na casa de um senhor que lhe acolheu perdido na rua até encontrar a mãe.

Malaguetta é referência em qualidade - Nascido e criado em Cascadura, Robson Olímpio, 43 anos, chegou à Ilha do Governador em 2002 e foi morar no Jardim Guanabara. Ele credita aos pais Romildo Cordeiro e Glória Olímpio, a postura, vontade de trabalhar e a seriedade. Não esconde as dificuldades vividas na infância ao lado dos seus irmãos mais velhos Marcelo e Márcia. Mas, determinado a vencer e com os bons exemplos de casa, estudou e se preparou para se tornar um empreendedor de sucesso.


Edição 1920
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras