Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

O professor Luiz Bicudo é 10

18/08/2017 - gente-da-ilha /Edição 1846
Luiz Fernando é conhecido pelos alunos do Colégio Paranapuã como  professor Bicudo e é muito querido, principalmente por quem já o teve como mestre. Professor de matemática, Bicudo, segundo seus alunos, tem a capacidade incrível de tornar os mais difíceis problemas matemáticos em contas simples.  

Carioca da gema, Bicudo nasceu no Méier, e logo aos dois anos veio morar na Ilha. Filho de Leda Martins e Ezio de Oliveira, a quem guarda o melhor sentimento do mundo pelos exemplos der caráter, ensinamento que moldou sua personalidade e o fez ser o cidadão que é hoje.

Emocionado ao falar do pai, Bicudo relembra que teve uma infância bem pobre, mas recorda do esforço do pai, já falecido, que trabalhava muito para que nada faltasse, principalmente na alimentação e para os seus estudos. “É difícil eu falar do meu pai, porque eu não consigo me controlar. Ele lutou demais para garantir o meu futuro e dos meus outros irmãos.”

— Lembro-me de um fato que me marca até hoje. Um dia, aos quatro anos, assustado, acordei a minha mãe e perguntei quem era o homem que estava deitado com ela. E ela chorando me disse: é teu pai. Nós não tínhamos contato com ele, porque acordava às 5h e só voltava 1h do dia seguinte, trabalhando em três empregos para nos sustentar — disse Bicudo muito emocionado.

Luiz Fernando diz que desde pequeno já percebia a sua vocação para professor. Aplicado, só tirava boas notas como aluno do Paranapuã que funcionava no antigo prédio da Freguesia. O fato despertou o interesse do professor Edgard, que é diretor do colégio até hoje, principalmente pela boa didática do jovem Bicudo ao tirar dúvidas dos colegas. Ainda bem novo, foi convidado a dar aulas para diversas turmas de preparatório, no próprio colégio. 

O que poucos sabem é que Bicudo um dia já foi policial civil. Durou só três meses na profissão. Discordou de algumas atitudes e formas de trabalho e largou o emprego para focar na missão de ensinar. Foi o tempo de se formar em matemática na UFRJ e, a partir dai, não mudou mais de profissão e nem de colégio. 

Bicudo é professor exclusivo do Colégio Paranapuã, um dos colégios mais respeitados da região, e durante mais de 30 anos de magistério diz ter muitas histórias interessantes para contar e da alegria em ter muitos ex-alunos, que com a sua ajuda, ingressaram no Colégio Naval, na EPCAR, além de diversas faculdades. Ele lembra, por exemplo, o caso do Chambinho, um garoto que chegou à porta do colégio pedindo para fazer faxina na escola e em troca queria estudar na escola.

— Aquela atitude comoveu a mim e ao diretor Edgard que decidiu oferecer uma bolsa integral para que ele pudesse ter a oportunidade de estudar e realizar o sonho de se tornar um oficial militar. Chambinho tinha talento e muita disposição e conseguiu ser um dos primeiros colocados na prova do Colégio Naval. “Eu adotei” aquele moleque e hoje tenho muito orgulho dele. 

Bicudo sempre gostou de esportes, principalmente do vôlei, e busca manter uma vida saudável caminhando todos os dias pela manhã na Praia da Bica. A esposa, Gleice Luce e filha Caroline são seus alicerces e os bens mais valiosos da vida.

Determinado a continuar ajudando a formar cidadãos, Bicudo valoriza a sua profissão e conta com um imenso grupo de amigos, sobretudo aqueles que foram seus alunos no Colégio Paranapuã. O professor Bicudo é 10, e um exemplo de como a carreira do magistério pode ser gratificante. 




Veja Também

Sua bandeira é a luta pela ecologia - Sérgio Ricardo, 50, é um insulano engajado nas causas ecológicas e sociais da região e coordenador de diversos projetos em defesa da Baía de Guanabara, além de promover as feiras agroecológicas da Praia da Bica e da Igreja Batista no Moneró.

Ana Paula dá alma às bijuterias - Ana Paula, 49, nasceu na cidade de Miraí, zona da mata de Minas Gerais, e se considera uma mineira de alma insulana. Aos 18 anos veio para a Ilha do Governador e daqui não saiu mais, e nem pensa em sair. Ana é conhecida na região por participar de diversas ferinhas vendendo bijuterias artesanais. Em abril deste ano abriu uma loja física no Ilha Plaza Shopping.

Orgulho de ser insulano da gema - Paulo Henrique, 46, é morador da comunidade do Guarabu, e ganha a vida, há mais de quinze anos, vendendo deliciosas pipocas, na Rua Sargento João Lopes, em um ponto quase esquina com a Estrada da Cacuia, na calçada ao lado da loja Kazinha. O segredo do sucesso da sua pipoca ele não guarda. ”Tudo que é feito com amor é bom. E na minha pipoca esse ingrediente nunca falta”.

Antônio foi à guerra e venceu - Antônio é um empreendedor nato. Primeiro filho do casal Anibal Soares e Maria Augusta, ele herdou da família a Panificação Jardim Guanabara, a famosa Padaria do Anibal. Embora a relação com os pais fosse muito boa, a infância foi vivida em Portugal ao lado dos avós Abraão e Maria Augusta em uma aldeia.

Manoel Ormond, um engenheiro de sucesso - Manoel Ormond, 72, é um engenheiro gabaritado. Há mais de 45 anos possui um escritório na Rua Colina, no Jardim Guanabara, e já realizou centenas de obras importantes ao longo de sua carreira, inclusive foi um dos engenheiros da construção do Parque Aquático Rio Water Planet, em Vargem Grande.

Luiz transforma o vime em arte - Luiz Antônio Nunes, 61, é um artesão de mão cheia. Nascido em Teresópolis, Luiz trouxe da cidade serrana o aprendizado e a paixão pelos móveis feitos de vime, junco e ratan. Hoje é um dos poucos profissionais da região que ainda trabalha com esses materiais.


Edição 1889
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras