Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Uma insulana de fibra aos 100 anos

10/03/2017 - gente-da-ilha /Edição 1823
Completou 100 anos de idade no dia 3 de fevereiro a insulana Joventina Assumpção, natural de Maués, no Amazonas, filha de nordestinos, cujo pai era o seringueiro Joaquim Assumpção e a mãe, Germina Aranha, mulher guerreira que defendia a família contra ataques de onças, à bala. 
Dona Joventina é o elo mais forte da família Assumpção. Do alto da sua vida centenária a matriarca é um símbolo de orgulho para as quatro gerações que levam em suas veias o sangue forte de uma guerreira.
Entrevistada pelo Ilha Notícias ela relembra com extrema lucidez momentos da infância.
— Eu nadava em rios de águas cristalinas, brincava com índios, pescava e caçava na floresta amazônica.
Aos dez anos, após a morte da mãe, a Joventina foi com o pai para Natal e lá cresceu com a irmã Laura. Tempos depois, casou-se com Francisco Alvares e teve quatro filhos: Francisco, Nacira, Edson e Neto. A família se manteve com dificuldades e sobrevivia praticamente do dinheiro que Joventina ganhava trabalhando em feiras vendendo frutas e legumes, porque o marido não era muito presente.
Orientada pela irmã Laura e por Augusto, cunhado que era oficial do exército, Joventina permitiu aos filhos migrarem para o Rio de Janeiro em busca de oportunidades melhores. Depois, por questões particulares, a matriarca também veio para Cidade Maravilhosa, indo morar em Nilópolis. Tempos mais tarde, Francisco e Nacira, filhos que residem na Ilha, convidaram a mãe para morar na região. Ela veio e inicialmente ficou entre os bairros das Pitangueiras e Cova da Onça. 
O filho Francisco Assumpção, que na década de 90 foi Administrador Regional da Ilha, conta que acolheu a mãe em sua casa onde ela está até hoje. “Eu morava nas Pitangueiras, mas minha irmã Nacira tinha filhos pequenos nessa época e aí mamãe ficou morando um período com eles colaborando na criação das crianças. Depois, quando mudei para uma casa grande no Cocotá, pedi que ela ficasse comigo — disse orgulhoso e feliz com a fibra da mãe que é referência em todos os sentidos.
Evangélica, Joventina sempre tem uma palavra de conforto e mensagem de estímulo com quem conversa. Diz que é uma pessoa realizada e se sente feliz por ter uma família grande e unida.
— Temos uma relação de amor muito fraterna. Tive a dádiva de criar muitos netos, são dez ao todo. Depois vi os meus 18 bisnetos chegarem e agora estou vendo os tataranetos, que já são três — disse com alegria e a vida prossegue tendo nela um modelo de cidadã que vibra com a idade que tem e cuja experiência tem muitas história para contar.
Vida longa e com saúde, para essa insulana que quando chegou à Ilha nos idos de 1967, curtia caminhar pelas praias da Ilha, região que ama.



Veja Também

Rogério é exemplo de empreendedor - Se procurar por Rogério Lira, no Jardim Carioca, talvez seja difícil encontrar de primeira, mas se perguntar pelo Canelão, ai todos conhecem e respeitam. Exemplo de empreendedor, Rogério é nascido na Praia da Rosa, que na sua época se chamava Sapucaia. Aos 4 anos se mudou para o Jardim Carioca, de onde nunca mais quis sair e hoje é um dos mais atuantes empreendedores da região.

Fabinho é exemplo de superação - Fabinho, que mora na Ilha desde que nasceu, trabalha há mais de 17 anos como ajudante no Supermercado Mundial do Cacuia e é dono de uma alegria irreverente e um exemplo de superação para todos insulanos.

Um cantor e compositor eclético - A Ilha tem se destacado no cenário musical, lançando novos artistas representantes de vários gêneros musicais, pessoas que vivem realidades diferentes, mas que tem em comum a paixão pela música e a vontade de espalhar ao mundo a sua arte. Esse é o caso do ex-mecânico Marcelo de Moraes, que encontrou na música uma forma de contar a sua história.

Professor Nahum é referência na Ilha - Quando se fala em educação e esporte na Ilha, com certeza o professor Nahum (61), faz parte da história de muitos insulanos. Disciplinador, o professor de educação física há 39 anos se dedica a preparar gerações de crianças e adolescentes para o futuro.

Sempre acreditei nos meus sonhos - Celeiro de artistas renomados, a Ilha do Governador tem lançado grandes nomes no cenário musical. Atualmente quem se projeta como um dos maiores cantores de samba pop romântico nacional é o insulano Dilson Scher, que adotou o nome de Dilsinho, como é carinhosamente tratado pelos milhares de fãs. Aos 24 anos ele é sucesso nas rádios de todo o país, dono de uma voz inconfundível e canções que falam de amor, tema que tem conquistado cada vez mais fãs.

Músico incentiva o combate às drogas - Em 1971 nascia no sertão da Bahia Vangi Souza que ao completar seis meses de vida foi trazido para o Rio de Janeiro pelos seus pais, Antônio e Isabel, que decidiram tentar a sorte no Rio de Janeiro. Vieram direto para a Ilha do Governador, mais precisamente no bairro dos Bancários. Fois nas escolas Dunshe de Abrantes e Mendes de Moraes, que Vangi começou a criar as raízes para a leitura que anos mais tarde o tornaram um grande escritor.


Edição 1843
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.