Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Uma insulana de fibra aos 100 anos

10/03/2017 - gente-da-ilha /Edição 1823
Completou 100 anos de idade no dia 3 de fevereiro a insulana Joventina Assumpção, natural de Maués, no Amazonas, filha de nordestinos, cujo pai era o seringueiro Joaquim Assumpção e a mãe, Germina Aranha, mulher guerreira que defendia a família contra ataques de onças, à bala. 
Dona Joventina é o elo mais forte da família Assumpção. Do alto da sua vida centenária a matriarca é um símbolo de orgulho para as quatro gerações que levam em suas veias o sangue forte de uma guerreira.
Entrevistada pelo Ilha Notícias ela relembra com extrema lucidez momentos da infância.
— Eu nadava em rios de águas cristalinas, brincava com índios, pescava e caçava na floresta amazônica.
Aos dez anos, após a morte da mãe, a Joventina foi com o pai para Natal e lá cresceu com a irmã Laura. Tempos depois, casou-se com Francisco Alvares e teve quatro filhos: Francisco, Nacira, Edson e Neto. A família se manteve com dificuldades e sobrevivia praticamente do dinheiro que Joventina ganhava trabalhando em feiras vendendo frutas e legumes, porque o marido não era muito presente.
Orientada pela irmã Laura e por Augusto, cunhado que era oficial do exército, Joventina permitiu aos filhos migrarem para o Rio de Janeiro em busca de oportunidades melhores. Depois, por questões particulares, a matriarca também veio para Cidade Maravilhosa, indo morar em Nilópolis. Tempos mais tarde, Francisco e Nacira, filhos que residem na Ilha, convidaram a mãe para morar na região. Ela veio e inicialmente ficou entre os bairros das Pitangueiras e Cova da Onça. 
O filho Francisco Assumpção, que na década de 90 foi Administrador Regional da Ilha, conta que acolheu a mãe em sua casa onde ela está até hoje. “Eu morava nas Pitangueiras, mas minha irmã Nacira tinha filhos pequenos nessa época e aí mamãe ficou morando um período com eles colaborando na criação das crianças. Depois, quando mudei para uma casa grande no Cocotá, pedi que ela ficasse comigo — disse orgulhoso e feliz com a fibra da mãe que é referência em todos os sentidos.
Evangélica, Joventina sempre tem uma palavra de conforto e mensagem de estímulo com quem conversa. Diz que é uma pessoa realizada e se sente feliz por ter uma família grande e unida.
— Temos uma relação de amor muito fraterna. Tive a dádiva de criar muitos netos, são dez ao todo. Depois vi os meus 18 bisnetos chegarem e agora estou vendo os tataranetos, que já são três — disse com alegria e a vida prossegue tendo nela um modelo de cidadã que vibra com a idade que tem e cuja experiência tem muitas história para contar.
Vida longa e com saúde, para essa insulana que quando chegou à Ilha nos idos de 1967, curtia caminhar pelas praias da Ilha, região que ama.



Veja Também

Sua bandeira é a luta pela ecologia - Sérgio Ricardo, 50, é um insulano engajado nas causas ecológicas e sociais da região e coordenador de diversos projetos em defesa da Baía de Guanabara, além de promover as feiras agroecológicas da Praia da Bica e da Igreja Batista no Moneró.

Ana Paula dá alma às bijuterias - Ana Paula, 49, nasceu na cidade de Miraí, zona da mata de Minas Gerais, e se considera uma mineira de alma insulana. Aos 18 anos veio para a Ilha do Governador e daqui não saiu mais, e nem pensa em sair. Ana é conhecida na região por participar de diversas ferinhas vendendo bijuterias artesanais. Em abril deste ano abriu uma loja física no Ilha Plaza Shopping.

Orgulho de ser insulano da gema - Paulo Henrique, 46, é morador da comunidade do Guarabu, e ganha a vida, há mais de quinze anos, vendendo deliciosas pipocas, na Rua Sargento João Lopes, em um ponto quase esquina com a Estrada da Cacuia, na calçada ao lado da loja Kazinha. O segredo do sucesso da sua pipoca ele não guarda. ”Tudo que é feito com amor é bom. E na minha pipoca esse ingrediente nunca falta”.

Antônio foi à guerra e venceu - Antônio é um empreendedor nato. Primeiro filho do casal Anibal Soares e Maria Augusta, ele herdou da família a Panificação Jardim Guanabara, a famosa Padaria do Anibal. Embora a relação com os pais fosse muito boa, a infância foi vivida em Portugal ao lado dos avós Abraão e Maria Augusta em uma aldeia.

Manoel Ormond, um engenheiro de sucesso - Manoel Ormond, 72, é um engenheiro gabaritado. Há mais de 45 anos possui um escritório na Rua Colina, no Jardim Guanabara, e já realizou centenas de obras importantes ao longo de sua carreira, inclusive foi um dos engenheiros da construção do Parque Aquático Rio Water Planet, em Vargem Grande.

Luiz transforma o vime em arte - Luiz Antônio Nunes, 61, é um artesão de mão cheia. Nascido em Teresópolis, Luiz trouxe da cidade serrana o aprendizado e a paixão pelos móveis feitos de vime, junco e ratan. Hoje é um dos poucos profissionais da região que ainda trabalha com esses materiais.


Edição 1886
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras