Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Uma insulana de fibra aos 100 anos

10/03/2017 - Gente da Ilha /Edição 1823
Completou 100 anos de idade no dia 3 de fevereiro a insulana Joventina Assumpção, natural de Maués, no Amazonas, filha de nordestinos, cujo pai era o seringueiro Joaquim Assumpção e a mãe, Germina Aranha, mulher guerreira que defendia a família contra ataques de onças, à bala. 
 
Dona Joventina é o elo mais forte da família Assumpção. Do alto da sua vida centenária a matriarca é um símbolo de orgulho para as quatro gerações que levam em suas veias o sangue forte de uma guerreira.
 
Entrevistada pelo Ilha Notícias ela relembra com extrema lucidez momentos da infância.
 
— Eu nadava em rios de águas cristalinas, brincava com índios, pescava e caçava na floresta amazônica.
Aos dez anos, após a morte da mãe, a Joventina foi com o pai para Natal e lá cresceu com a irmã Laura. Tempos depois, casou-se com Francisco Alvares e teve quatro filhos: Francisco, Nacira, Edson e Neto. A família se manteve com dificuldades e sobrevivia praticamente do dinheiro que Joventina ganhava trabalhando em feiras vendendo frutas e legumes, porque o marido não era muito presente.
 
Orientada pela irmã Laura e por Augusto, cunhado que era oficial do exército, Joventina permitiu aos filhos migrarem para o Rio de Janeiro em busca de oportunidades melhores. Depois, por questões particulares, a matriarca também veio para Cidade Maravilhosa, indo morar em Nilópolis. Tempos mais tarde, Francisco e Nacira, filhos que residem na Ilha, convidaram a mãe para morar na região. Ela veio e inicialmente ficou entre os bairros das Pitangueiras e Cova da Onça. 
 
O filho Francisco Assumpção, que na década de 90 foi Administrador Regional da Ilha, conta que acolheu a mãe em sua casa onde ela está até hoje. “Eu morava nas Pitangueiras, mas minha irmã Nacira tinha filhos pequenos nessa época e aí mamãe ficou morando um período com eles colaborando na criação das crianças. Depois, quando mudei para uma casa grande no Cocotá, pedi que ela ficasse comigo — disse orgulhoso e feliz com a fibra da mãe que é referência em todos os sentidos.
 
Evangélica, Joventina sempre tem uma palavra de conforto e mensagem de estímulo com quem conversa. Diz que é uma pessoa realizada e se sente feliz por ter uma família grande e unida.
 
— Temos uma relação de amor muito fraterna. Tive a dádiva de criar muitos netos, são dez ao todo. Depois vi os meus 18 bisnetos chegarem e agora estou vendo os tataranetos, que já são três — disse com alegria e a vida prossegue tendo nela um modelo de cidadã que vibra com a idade que tem e cuja experiência tem muitas história para contar.
 
Vida longa e com saúde, para essa insulana que quando chegou à Ilha nos idos de 1967, curtia caminhar pelas praias da Ilha, região que ama.




Veja Também

Engenheiro é referência de seriedade - Filho de imigrantes italianos, Francisco Filardi, 79, foi criado junto com seus dois irmãos no bairro de Santa Teresa, no Centro do Rio. O pai, dono de uma alfaiataria na Avenida Rio Branco, se viu obrigado a desfazer o negócio em função de pressões no período da segunda guerra mundial.

Um exemplo de vida e superação - Admirado por todos, Fernando supera os obstáculos da vida sempre com um sorriso estampado no rosto

Zeca foi destaque contra o Real Madrid - Oswaldo José da Fonseca Almeida, mais conhecido como Zeca na família e entre os amigos, foi um dos maiores ídolos do futebol da Lusa. Nascido em Três Rios e criado em uma fazenda às margens do Rio Paraíba do Sul, ele até hoje é reconhecido e reverenciado nas ruas da Ilha pelos torcedores mais antigos da Portuguesa. Da infância, Zeca, se lembra do contato com a natureza, de nadar nos rios e lagos da região Centro-sul Fluminense, dos pomares, dos pais, irmãos e primos.

Uma insulana de fibra aos 100 anos - Completou 100 anos de idade no dia 3 de fevereiro a insulana Joventina Assumpção, natural de Maués, no Amazonas, filha de nordestinos, cujo pai era o seringueiro Joaquim Assumpção e a mãe, Germina Aranha, mulher guerreira que defendia a família contra ataques de onças, à bala.

Fintelman, uma trajetória de sucessos - Natural da cidade de São José do Barreiro, interior de São Paulo, Hugo Pimentel Fintelman chegou ao Rio de Janeiro com poucos meses de nascido. O pai Miguel, militar da aeronáutica veio com a mãe Áurea para morar em uma das casas da Vila Militar do Galeão.


Edição 1829
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.