Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Boca no Trombone

11/10/2018 - boca-no-trombone /Edição 1906
Posto de gasolina
Passei por uma situação péssima no Posto Cambaúba. Fui abastecer no posto e saí normalmente, quando cheguei em casa meu carro não ligava de jeito nenhum. Depois de três horas tentando descobrir o problema do carro, o mecânico constatou que a gasolina estava podre. Quando reclamei no posto, fui completamente ignorado e não fui ressarcido do meu prejuízo. Julia Souza, via WhatsApp. 

A Light é 0!
Eu tenho três no-breaks em casa e, por causa da variação de energia, ficavam oscilando entre energia e bateria (os três ao mesmo tempo, então não era defeito do aparelho). Precisou de cinco equipes diferentes da Light para eles descobrirem que havia um parafuso quebrado no transformador. Até a quinta equipe chegar, ficamos à mercê. Anna Grego, via Facebook.

Drogas no Corredor
O Corredor Esportivo está abandonado. Tem um senhor que deveria fazer a segurança de noite, mas que faz totalmente o contrário. Várias pessoas param ali para vender droga. Precisamos de uma patrulha para tomar providências. Cristine Lopes, via Facebook.
Corredor Esportivo
A Comlurb poderia fazer uma limpeza com máquinas na Praia da Rosa. Quando a maré está baixa, podemos ver o tanto de sujeira que tem no lugar, que se mistura com a areia e forma uma camada de lama. Luciana Guimarães, via WhatsApp.

Barra pesada
Fui assaltada enquanto ia para o trabalho por quatro homens em um táxi na Rua Dr. Manuel Marreiros, próximo a Escola Amadeu Rocha, nos Bancários. Eles levaram tudo, até meus documentos. Fica um alerta aos moradores das redondezas. Marta Medeiros, via Facebook.

Bagunça total
No primeiro turno das eleições as ruas ficaram uma bagunça total. Além dos papéis jogados no chão, carros foram estacionados no meio das ruas por horas. Espero que no segundo turno nós possamos contar com a organização das autoridades. Álvaro Soares, via WhatsApp.

Carros na Pacheco
Gostaria de entender porquê um caminhão que vende salgados e um carro que vende tapetes ficam no estacionamento em frente a Pacheco do Cacuia e não são multados. Vi um guarda municipal passar e ignorar esses veículos. Os clientes da Pacheco não conseguem estacionar. Monica Silva, via Facebook. 

Vai de ônibus?
É péssimo serviço que a Paranapuan oferece aos passageiros. Além de termos que andar em latas de lixo ambulantes, esses “ônibus” chegam no terminal do Fundão e ficam parados esperando passageiros. A fiscal da empresa ainda fica chamando passageiros, igual aos cobradores das vans. Márcia Pombo, via Facebook.

Moradores de rua
As autoridades precisam tomar uma atitude sobre a quantidade de moradores de rua que dormem nas passarelas da Estrada do Galeão. É muito triste vê-los sem nenhum apoio, além de ser perigoso à noite. Luana Henri, via WhatsApp.
Confusão no ponto
Conseguir pegar um ônibus nos pontos do Cacuia é uma missão. São tantas vans que disputando espaço que até perdemos os ônibus que não conseguem parar nos locais adequados. Diana Campos, via WhatsApp.

Desrespeito
Ninguém respeita as faixas de pedestres em frente ao Hortifruti da Estrada do Galeão. Os motoristas que vão para o Cacuia ficam na esquerda e ultrapassam quem estiver na frente deles. Um absurdo. Amanda Roiz, via Facebook.

Falta de transporte
A falta de transporte depois das 23h na Ilha é um descaso com os moradores. A gente tem que mofar nos pontos, sem segurança e sem iluminação, rezando para que não sejamos assaltados, ou pegar mais de uma condução. Principalmente nas Pitangueiras e Praia da Bandeira, que normalmente já não tem ônibus. Carolina Matias, via Facebook.

Perigo à noite
A Portuguesa, perto da Praça do Coxinha, tem uma iluminação muito precária. Já fui assaltado lá e conheço pessoas que também já foram, até mais de uma vez. Os moradores não andam com segurança pelo local, e ficam com receio de usar a Praça Stuart Angel à noite. Eduardo Carvalho, via Facebook.

Alô Ideal!
Durante o dia, os ônibus da Ideal ficam parados no ponto final na Praça dos Bancários bloqueando a visão dos motoristas. Além disso, o sinal que encontra-se lá não é respeitado. Risco de atropelamentos e acidentes graves no local. Isabela Viana, via WhatsApp.
Somos reféns
Precisamos de mais policiamento no Jardim Guanabara. Meu prédio foi invadido por bandidos na semana passada. Dessa vez levaram a bicicleta do porteiro. Muito triste ser refém da violência. Cristiana Vieira, via Facebook.

Sucata
Alguém precisa mudar a forma que a Paranapuan trata seus passageiros. Eles colocam carroças para transportar os moradores, todas velhas, sujas e sem manutneção. Dividimos espaço com a sujeira e o calor, já que nenhum ônibus da frota deles tem ar condicionado. Alguns estão com os bancos quebrados e com baratas, lamentável. Tânia Araujo, via Facebook.

Bancários
Os moradores dos Bancários já sofrem com a insegurança, agora sofrer com a falta de limpeza do valão é a gota d’água. O valão está há semanas com o mato alto, servindo de lar para ratos, baratas e outros insetos que acabam na casa dos moradores. Julieta Martins, via WhatsApp.

Fila Dupla
Na Rua Marino da Costa no Jardim Guanabara, se instala um caos diário devido as irregularidades praticadas pelos veículos que estacionam nos dois lados da rua, fazendo fila dupla. Nos horários de entrada e saída dos alunos do MV1 fica impossível transitar pela via. Francisco Milton, via Facebook.

Multa na Light
A oscilação de energia vive dando problema nos meus aparelhos. A Light precisa ser multada por tantos problemas que causam para os moradores da Ilha. Marcos Silva, via Facebook.




Veja Também

Boca no Trombone - O ponto final de van, nas esquinas da Rua do Romancista com a Rua Magno Martins, está causando uma bagunça no local. As vans estacionam em cima da calçada, os motoristas agem com falta de respeito e falam palavrões alto. Além disso, os veículos atrapalham a visibilidade. Estamos desesperados. Bruna Carvalho, na redação.

Boca no Trombone - É comum ver pessoas, muito debilitadas, deitadas embaixo da passarela da Portuguesa, durante os dias de semana. São pessoas que estão sem tomar banho, pedem esmolas e comida. Embora estejam visivelmente doentes não aceitam ajuda para serem transferidas para o abrigo público onde poderiam ter a garantia de alimentação e coisas básicas para viver. Como fazer? Talvez alguma instituição de caridade as possa ajudar. Josefa Donewisk, via WhatsApp.

Boca no Trombone - Tumulto escolar Veículos causam tumulto próximo ao Colégio Iglesias. Carros chegam da Rua Babaçu e se encontram com os carros da Rua Abélia nos horários escolares. Peço bom senso dos responsáveis para deixarem seus filhos sem atrapalhar o trajeto dos carros que necessitam transitar pelo local. Andrea Libonati, via WhatsApp.

Boca no Trombone - Precisamos de candidatos que realmente façam algo pela Ilha do Governador. Todas eleições prometem e nada muda. Como pode uma ilha não ter o transporte marítimo como seu principal modal de transporte? Não temos barcas nos finais de semanas e, durante semana, apenas seis horários. Geraldo Campos, via WhatsApp.

Boca no Trombone - Uma praça, na Estrada de Tubiacanga, virou depósito de material de construção. Inclusive, já estão levantando um muro. Estou indignada! Silvia Fonseca, via Facebook.


Edição 1906
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras