Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Boca no Trombone

08/06/2018 - boca-no-trombone /Edição 1888
Cadê os ônibus?
Incrível como a empresa Paranapuan se aproveitou da crise devido à greve dos caminhoneiros e simplesmente acabou com todas as linhas que passam pelo Zumbi, Pitangueiras e Praia da Bandeira. Moro nas Pitangueiras e não tenho visto passar ônibus, principalmente as linhas 327, 322 e 901. Absurdo! Quem depende de ônibus como eu, e ainda tenho limitação física, fica a mercê da vaga gratuita das vans, que quase nunca tem. André Luiz, via WhatsApp. 

Rua Âncora
É uma dificuldade ter que se espremer entre os carros para andar pelas calçadas da Ilha com segurança. Na Rua Âncora, próximo ao Fórum do Cocotá, o problema acontece todos os dias. Daqui a pouco não vai existir mais espaço para os pedestres nas calçadas. Vagner Santos, via WhatsApp. 

Caos na Cambaúba 
Todos os dias de segunda a sexta-feira levo meu filho para dar aula no Jardim Guanabara e fico parada por muito tempo no congestionamento em frente ao Colégio Cambaúba. É um verdadeiro horror passar por ali, sem contar que agora existem outros colégios próximo, ajudando ainda mais a piorar o trânsito. Ilda Barbosa, via WhatsApp.  

Buraco na Itaguaí 
Na Rua Itaguaí, próximo ao número 99, há um buraco no asfalto que a cada dia cede mais um pouco, e é risco de acidente se algum carro, motociclista ou até mesmo pedestres durante à noite. Precisa consertar já! Vitor Hugo Gonçalves, via Facebook.

Faltam ônibus
Moro nas redondezas próximo ao Atacado Assaí e o Hortifruti, e sofro bastante com a falta de linhas de ônibus quando preciso ir para a Panamericana ou Ribeira. Fico muitas vezes na total dependência das vans que além de possuírem um péssimo serviço, nem sempre aceitam os idosos por conta da gratuidade, ou seja, estamos entregues à própria sorte. Para quem sai da Panamericana tem o 935 que vai para o Assaí e redondezas, mas para voltar não há ônibus. Simonne Junior, via WhatsApp. 

Praia do Barão
Moro próximo à Praia do Barão, e fico indignado com a quantidade de sujeira na praia. O mau cheiro é muito forte, sem contar a situação de conservação da orla que está péssima. Sinto falta de uma boa limpeza no local. Lauro Abreu, via Twitter. 

Som alto
Moro na Praia da Bica, próximo à boate Provisório Club e estou muito chateada com um carro que voltou a estacionar na Praça Jerusalém. O mesmo está colocando um som altíssimo durante os finais de semana no período da madrugada atrapalhando o sono de todos os moradores do entorno. No sábado (2), o barulho que este veículo estava causando foi até umas duas da manhã. Isso está acontecendo todos os fins de semana. Evelyn Diaz, na redação. 
Medo no BRT
Como se já não bastasse a demora do BRT diariamente, temos que conviver com o péssimo clima de insegurança na estação do fundão à noite. Ficamos na sensação que a qualquer hora seremos abordados por algum assaltante. Conviver com o medo é vergonhoso. Vanessa Froes, via WhatsApp. 

Monjolos
Sou morador da Rua dos Monjolos e fico indignado com os carros que estão estacionando nos dois lados da rua, dificultando ou impedindo o fluxo de veículos. Sem contar que muitos carros estacionados aparentam estar abandonados, o que piora ainda mais a situação. Vera Oliveira, via WhatsApp. 

Sujeira
A calçada da Praia da Rosa, próxima a Creche Cora Carolina, sempre está muito suja. A população prefere jogar o lixo na calçada ao invés de descartar nos lugares próprios para a Comlurb recolher. Cleide Silva, via WhatsApp. 

Poste vai cair!
Um poste está quase caindo na Avenida Maestro Paulo e Silva, próximo ao ponto de ônibus. inclinado e em uma curva. Quando cair, certamente, vai causar um acidente. Eliana Ribeiro, via WhatsApp. 

Sinal sem lei
É raro ver um motorista que respeita o sinal de trânsito da Estrada do Galeão, próximo à Estátua do Renato Russo, onde até os motoristas de ônibus avançam. Idosos e crianças se arriscam diariamente correndo para atravessar. Roberta Cruz, via WhatsApp. 

Ônibus à noite
Venho pedir melhoria no transporte noturno da Ilha. Muita gente reclama das vans, mas o que realmente anda salvando os insulanos à noite são elas. Eu sei que colocar mais funcionários e ônibus a noite gera um custo maior, porém algo precisa ser feito. Tem gente que trabalha de madrugada e fica sem opção e a mercê do transporte alternativo. Victor Nogueira, via WhatsApp. 

Atenção, assalto.
Fui assaltada à noite na Rua Engenheiro Rozauro Zambrano, no Jardim Guanabara, próximo ao Colégio Passaredo, na semana passada. Fica o alerta para os moradores do local para que tomem cuidado. Fernanda Vieira, na redação.

Abuso
Na noite da última sexta (1), eu parei meu carro próximo à praça da Praia da Bica e um flanelinha queria me cobrar dez reais para poder estacionar o veículo. Isso é uma vergonha! Túlio Cândido, via WhatsApp.
Socorro!
É impossível transitar a pé pelas calçadas na Estrada do Dendê, principalmente em frente à quadra da Acadêmicos do Dendê, diante de tantos veículos que estacionam e não deixam nenhum espaço para os pedestres. Temos que caminhar bem próximo à rua onde os carros passam com velocidade, colocando em risco a vida de quem passar por ali porque pode ser atropelado. Socorro! Rita Correia, via WhatsApp.





Veja Também

Boca no Trombone - Passei por uma situação péssima no Posto Cambaúba. Fui abastecer no posto e saí normalmente, quando cheguei em casa meu carro não ligava de jeito nenhum. Depois de três horas tentando descobrir o problema do carro, o mecânico constatou que a gasolina estava podre. Quando reclamei no posto, fui completamente ignorado e não fui ressarcido do meu prejuízo. Julia Souza, via WhatsApp.

Boca no Trombone - O ponto final de van, nas esquinas da Rua do Romancista com a Rua Magno Martins, está causando uma bagunça no local. As vans estacionam em cima da calçada, os motoristas agem com falta de respeito e falam palavrões alto. Além disso, os veículos atrapalham a visibilidade. Estamos desesperados. Bruna Carvalho, na redação.

Boca no Trombone - É comum ver pessoas, muito debilitadas, deitadas embaixo da passarela da Portuguesa, durante os dias de semana. São pessoas que estão sem tomar banho, pedem esmolas e comida. Embora estejam visivelmente doentes não aceitam ajuda para serem transferidas para o abrigo público onde poderiam ter a garantia de alimentação e coisas básicas para viver. Como fazer? Talvez alguma instituição de caridade as possa ajudar. Josefa Donewisk, via WhatsApp.

Boca no Trombone - Tumulto escolar Veículos causam tumulto próximo ao Colégio Iglesias. Carros chegam da Rua Babaçu e se encontram com os carros da Rua Abélia nos horários escolares. Peço bom senso dos responsáveis para deixarem seus filhos sem atrapalhar o trajeto dos carros que necessitam transitar pelo local. Andrea Libonati, via WhatsApp.

Boca no Trombone - Precisamos de candidatos que realmente façam algo pela Ilha do Governador. Todas eleições prometem e nada muda. Como pode uma ilha não ter o transporte marítimo como seu principal modal de transporte? Não temos barcas nos finais de semanas e, durante semana, apenas seis horários. Geraldo Campos, via WhatsApp.

Boca no Trombone - Uma praça, na Estrada de Tubiacanga, virou depósito de material de construção. Inclusive, já estão levantando um muro. Estou indignada! Silvia Fonseca, via Facebook.


Edição 1906
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras