Assinatura Virtual

Cadastra-se e receba toda semana em seu e-mail o Ilha Notícias On-line.

Newsletter

Nome:

 

Email:

 


 

Nome:

 

Email:

 


Siga-nos

facebook
twitter
instagram
google+
youtube
blogger

Boca no trombone

21/09/2012 - Boca no Trombone /Edição 1590

 

Baratas 1
O ônibus da linha 634 (Sãens Pena x Freguesia) estão infestados de baratas. Eu estava com o meu marido, que está muito doente, e tivemos que ficar em pé e mexer os pés para as baratas não subirem em nós e, por sermos idosos, fica ainda mais complicado. Foi horrível e nojento. Vilma Braga de Azevedo, na Redação.

Baratas 2
No dia 19, quarta feira, quando a temperatura chegou a mais de 40º, no ônibus da linha 322 (Castelo x Ribeira) tive que ir em pé, junto com os outros passageiros, por conta das baratas no chão e nas poltronas. Além de nós, o motorista teve que dirigir se sacudindo para os insetos não entrarem nas suas roupas, um perigo! Já na Ilha, um motorista de outro ônibus disse que iria para a garagem por conta do mesmo problema. Será que a Paranapuan não limpa e dedetiza seus veículos? O transporte da Ilha está uma vergonha! Therezinha Perez, na Redação.

Campainha
Desde que colocaram grades novas no edifício na esquina da Rua Visconde Delamare, os portões elétricos estão com uma campainha para advertir os moradores quando está aberto. O problema é que o barulho é muito alto e alguns moradores entram no edifício na parte da noite. Onde está a lei do silêncio? Jorge Correa, via site.

Freguesia
Sem explicações aos moradores foi retirado o radar de trânsito da Rua Comendador Bastos, deixando a rua muito perigosa, com carros e vans passando em alta velocidade. Além disso, as vans fizeram do local seu ponto final, ocupando as calçadas em frente às garagens dos moradores. Aline Lázaro de Oliveira, via e-mail.

Freguesia
Os estudantes do Colégio Estadual Mendes de Moraes, na Freguesia, contam com a sorte para atravessar as ruas. Além disso, os moradores da região sofrem com a falta de policiamento no local. Carla F., site.

Quebra molas
Na Avenida Dr. Agenor Almeida Loyola, três quebra molas estão em péssimas condições e precisam de manutenção urgente. A via é de grande movimentação de veículos. Osorio Baptista, via site.

Ângelo Neves
A Rua Ângelo Neves, no Moneró, foi transformada em mão dupla e, por ser interligada com a Estrada do Dendê, fica completamente congestionada. Além disso, agora o estacionamento é proibido ao longo de toda a rua, mas não há respeito por parte dos motoristas e a fiscalização não existe. A Guarda Municipal precisa tomar alguma providência sobre essas irregularidades. Mauro Filardi, via e-mail.

Tremembé
Os moradores da Rua Tremembé, na Freguesia, estão sofrendo com a falta de água. O abastecimento só funciona de domingo para segunda durante sete horas. Raphael Marques, via site.
 
Paramopama
Na Ribeira, na esquina da Rua Paramopama com a Rua Doutor Guapiaçu, há um triângulo para os pedestres que está quase sumindo. A pintura no chão quase não é mais vista e os olhos de gato que sobraram estão destruídos, sem contar os inúmeros buracos na pista. Na mesma rua, a construção de um edifício está parada há mais de três anos e ocupou a calçada obrigando os pedestres a andarem na rua. Gabriel Souza, via site.

Abandono
Na Rua Saturnino de Brito Filho, na Portuguesa, existem duas amendoeiras causando danos na calçada e a fiação elétrica, com fios de luz entrelaçados nos galhos. Já houve um caso de uma árvore que caiu sobre a casa, e está prestes a acontecer novamente. A Comlurb passa e não realiza nem ao menos uma poda. A Light também não se mobiliza e já reclamei junto ao número 1746, mas não obtive retorno. Até quando seremos ignorados? Gisele Mota Manhães, via e-mail.

Cuidado!
Há uns dois meses, um homem tocou a campainha da minha casa, na Portuguesa, por volta das 3h da madrugada, dizendo que era um vizinho, que seu filho estava muito doente e precisava de um pouco de gasolina, pois seu carro estava enguiçado próximo dali. Ontem no mesmo horário, esse homem tocou novamente na minha casa, mas quando vi que era o mesmo me escondi. Os moradores da região precisam ficar atentos a essa prática e não abrir as portas de suas casas. Cuidado! Augusta Valladares, via Facebook.

Ponto Cemitério
Na terça-feira (11) peguei um ônibus na Portuguesa em direção ao Cacuia. Quando chegou perto do cemitério, o motorista se recusou a abrir a porta, afirmando que não há ponto de ônibus no local e que só poderíamos descer próximo ao Hospital Paulino Werneck. Duas idosas e uma gestante que estavam comigo, tiveram que andar debaixo de forte calor de volta ao cemitério. É um absurdo o descaso, pois o ponto existia há anos no local. André Luiz Stracheski, via e-mail.

Rua abandonada
A Rua Marques de Muritiba está abandonada há anos pelos serviços de manutenção da prefeitura. Não há serviço de limpeza nas rua, existem muitos buracos e até as lâmpadas dos postes estão sendo trocadas pelos moradores. Esqueceram daqui? Leandro I., via site.

Asfalto Liso
A operação Asfalto Liso terminou e parece que esqueceram a Avenida Doutor Agenor de Almeida Loyola. O estado do asfalto está muito precário, precisando de uma reforma urgentemente. Lucas Barros, via site.

Vila Joaniza
Depois que a Prefeitura da Aeronáutica fechou a entrada da Vila Joaniza pela Avenida 7, ficamos esquecidos pelas autoridades. Além disso, nosso campo de futebol foi aterrado e está virando um depósito de lixo. Um absurdo! Mauricio dos Santos, via site.




Veja Também

Boca no Trombone - Mais ônibus Os ônibus que fazem o trajeto para o aeroporto diminuíram. Fui informada que eles estão passando de hora em hora e com isso quem precisa ir trabalhar no aeroporto sofre sempre com o risco de atrasos e consequentemente da perda do emprego. As vans, veículo alternativo que fazia esse trajeto, estão proibidas. Que aumentem a quantidade de ônibus para melhor nos atender. Dávila Menezes, via Facebook.

Boca no Trombone - Cadê a PM? Moro em frente à Praça Jerusalém, na Praia da Bica, e presencio todo final de semana a desordem existente por aqui. É inadmissível que no século 21 as pessoas ainda se aglomeram para badernas, drogas, bebida alcoólica, sexo (principalmente no quiosque desativado) e som alto. Já vi outros moradores discutindo com a PM que passa por ali, mas os policiais nada fazem. Estamos impedidos de descansar no nosso próprio lar. Dino Orla, via Facebook.

Boca no Trombone - Trem das 11 Parafraseando aquela música trem das onze aqui na Ilha. “Se eu perder essa barca, que sai agora às 9h20, só amanhã de manhã”. Precisamos urgentemente de melhorias no transporte aquaviário, ou estaremos definitivamente ilhados. Matheus Emanuel, via Facebook.

Boca no Trombone - Lixo acumulado Moradores da comunidade Nossa Senhora das Graças e da Rua Visconde de Lamare jogam seus lixos fora dos dias de coleta, o que acarreta em um amontoado de sujeira. São descartados entulhos, móveis velhos, entre outros “bagulhos”, que muita vezes nem são recolhidos pela Comlurb. Ratos, baratas, mosquitos são atraídos por essa lixarada toda, tudo isso em frente a entrada de uma Vila Olímpica. Anderson Neves, via Facebook.

Boca no Trombone - Absurdo! O carro da minha amiga foi furtado na madrugada de sexta (28) para sábado, em frente a minha casa, na Rua Carlos Magno, Tauá e levaram objetos de trabalho e um notebook. Fomos à 37ª DP e mais uma vez os policiais não puderam fazer nada, porque estavam sem impressora e o sistema fora do ar. Absurdo! Karoline Ohana, via Facebook.

Boca no Trombone - Absurdo! O carro da minha amiga foi furtado na madrugada de sexta (28) para sábado, em frente a minha casa, na Rua Carlos Magno, Tauá e levaram objetos de trabalho e um notebook. Fomos à 37ª DP e mais uma vez os policiais não puderam fazer nada, porque estavam sem impressora e o sistema fora do ar. Absurdo! Karoline Ohana, via Facebook.


Edição 1809
Leia


Edições anteriores





Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras

Vista aérea da Vila Olímpica da Ilha na fase final das obras


 

Copyright© 2010 Ilha Notícias. Todos os Direito Reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.